Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Corpo de praticante do Falun Gong, que morreu após liberdade condicional médica negada, é cremado sem autorização da família

26 de Dezembro de 2020 |   Por um correspondente do Minghui na província de Liaoning, China

(Minghui.org) A Sra. Lan Lihua morreu na Prisão Feminina da Província de Liaoning em 21 de abril de 2020, aos 49 anos. Como ela manteve sua fé no Falun Gong, as autoridades da prisão se recusaram a libertá-la em liberdade condicional médica, apesar do fato de que ela estava em estado crítico de câncer de mama em estágio avançado.

Sem o consentimento de sua família, a prisão cremou seu corpo em 16 de dezembro de 2020. A Sra. Lan, residente na cidade de Shenyang, província de Liaoning, foi presa em 6 de novembro de 2018 por distribuir um calendário com informações sobre o Falun Gong, uma prática para aprimoramento de mente e de corpo que tem sido perseguida pelo regime comunista chinês desde 1999.

Ela desenvolveu câncer de mama enquanto estava detida no Centro de Detenção nº 1, da cidade de Shenyang. Apesar de sua condição, ela foi levada a julgamento no Tribunal Distrital de Sujiatun em 5 de maio de 2019 e condenada a três anos e dez meses no dia seguinte.

A Sra. Lan foi transferida para a Prisão Feminina de Liaoning em 26 de setembro de 2019 e contraiu hepatite B logo depois.

As autoridades da prisão negaram repetidamente sua liberdade condicional médica, admitindo que o motivo era porque se recusou a renunciar ao Falun Gong.

À medida que o câncer progredia, ela ficou muito fraca, continuou tossindo e não conseguia andar sozinha. Um check-up médico no final de março de 2020 indicou que houve metástase para ambos os pulmões. Ela tinha acúmulo excessivo de líquido no peito e no coração, linfonodos axilares aumentados, além de inchaço ao redor da clavícula e couro cabeludo direitos.

A prisão ligou para o filho da Sra. Lan em 13 de abril e disse a ele que ela acabara de ser levada ao hospital e que um médico havia emitido um aviso de estado crítico para ela.

A família da Sra. Lan foi à prisão todos os dias nos dias seguintes exigindo liberdade condicional médica para ela. Embora a prisão finalmente tenha concordado em libertá-la, eles retardaram deliberadamente o processo de aprovação.

Um guarda da prisão ligou para o marido da Sra. Lan novamente em 20 de abril de 2020 e disse que sua condição era muito grave. Ele pediu-lhe que fosse ao hospital e assinasse um acordo para o médico operá-la.

Quando o marido da Sra. Lan e sua irmã correram para o hospital, a Sra. Lan estava à beira da morte. O médico não estava fazendo nada para salvar a vida dela. Ela faleceu na manhã seguinte.

Após a morte da Sra. Lan, sua família se recusou a assinar o formulário de consentimento para a cremação e prometeu buscar justiça por ela.

O marido da Sra. Lan escreveu uma carta de reclamação em 5 de maio e a enviou ao Tribunal Popular Superior de Liaoning, à Procuradoria Popular de Liaoning, à prisão e ao seu escritório administrativo. Com exceção da administração penitenciária, que se recusou a aceitar a denúncia, as outras três agências aceitaram a denúncia em 7 de maio.

Ele recebeu uma notificação do Tribunal Popular Superior de Liaoning em 12 de maio, dizendo que eles haviam encaminhado sua reclamação para a Procuradoria da Cidade de Shenyang. Então, em 30 de maio, a Procuradoria de Chengjiao em Shenyang o notificou de que havia aceitado seu caso.

Dois meses depois, em 23 de julho, o promotor informou a ele que, após a investigação, eles não encontraram nenhuma irregularidade no tratamento do caso da Sra. Lan pela prisão. O marido da Sra. Lan contratou um advogado em 5 de outubro, e o advogado entrou com outra queixa contra a prisão no Tribunal Intermediário da Província de Liaoning e exigiu uma indenização. Ele ainda não recebeu uma resposta do tribunal.

Um guarda prisional contatou o marido da Sra. Lan em 14 de dezembro e mostrou a ele um documento emitido pela procuradoria liberando a prisão de qualquer delito no processamento da liberdade condicional médica da Sra. Lan. O guarda da prisão disse que iriam cremar seu corpo em 16 de dezembro, mesmo que seu marido ainda se recusasse a assinar o termo de consentimento de cremação, e perguntou se ele queria manter suas cinzas. O marido da Sra. Lan disse que nunca desistiria de buscar justiça para ela.

Em 16 de dezembro, mais de 70 policiais armados foram ao crematório e seguiram de perto a família da Sra. Lan. Depois que seu corpo foi cremado sem consentimento, a prisão forçou sua família a assinar um formulário antes de receberem suas cinzas.

O marido da Sra. Lan agora está tentando encontrar um advogado para entrar com uma ação em seu caso.

Reportagens relacionadas em inglês:

Cancer-Stricken Woman Denied Medical Parole, Dies While Imprisoned for Her Faith

Cancer-Stricken Woman in Critical Condition to Be Released on Medical Parole

Imprisoned Woman with Metastatic Breast Cancer Denied Medical Parole

Cancer-stricken Woman Denied Medical Parole Because Family Refuses to Cover Her Medical Expenses That Should be Paid by Prison

Woman Gets Cancer and Hepatitis B in Custody, Prison Refuses to Provide Medical Treatment or Parole

Woman Develops Breast Cancer in Detention, Jailed Again within Four Years for Her Faith

Reportagens relacionadas em chinês:

兰立华家属控告追责-辽宁女子监狱称强行火化遗体