Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Fahui da China | Envolvida pela compaixão depois de abandonar o medo

19 de Dezembro de 2020 |   Por uma praticante do Falun Dafa no nordeste da China

(Minghui.org) [Ouça esta experiência] 

Saudações, estimado Mestre. Saudações, colegas praticantes!

Fui libertada da prisão na primavera de 2016, depois de ter sido presa e torturada lá por dois anos. Fui detida depois que policiais do departamento de polícia provincial lotados em nossa cidade começaram a perseguir os praticantes locais do Falun Gong. Alguns praticantes foram perseguidos e presos. Suas casas foram saqueadas. Alguns praticantes tiveram que deixar suas casas e ir de um lugar para outro. Eu estava pensando em ficar em casa, estudar o Fa e melhorar meu estado de cultivo. Uma praticante veio me ver e perguntou se eu poderia me tornar coordenadora distrital. Eu senti uma pressão enorme.

Depois de estudar o Fa por alguns dias, percebi que deveria deixar de lado o apego e ajudar o Mestre Li a retificar o Fa como uma prioridade. Com a orientação do Mestre, tenho trilhado meu caminho de cultivo desde então.

Abandonando o medo ao resgatar praticantes

A praticante Yu (pseudônimo), que ajudou a me resgatar da prisão, foi presa logo depois que fui solta. Isso prejudicou nosso ambiente de cultivo. Apenas alguns praticantes puderam ajudar a resgatá-la. Sua irmã, que também é praticante, pediu-me que esclarecesse a verdade aos membros de sua família e os incentivasse a contratar um advogado.

Comecei a me preocupar, porque havia sido presa dois anos antes, quando trabalhava com um advogado. O medo persistiu. Eu estava me perguntando por que eles me pediram para participar quando tinha recém saído da prisão. Mas, pensando bem, durante os dois anos que estive na prisão, os praticantes contrataram quatro advogados para mim. Os advogados podiam ajudar a expor a perseguição e despertar a consciência dos seres sencientes. Eles também podiam ajudar a reforçar os pensamentos retos dos praticantes. O efeito foi positivo. Tive essa experiência pessoalmente.

Foi muito difícil superar meu medo. Mas, não importava o que acontecesse, eu precisava ver o marido da praticante Yu. Seu marido temia que pudesse gastar dinheiro em vão se o advogado não pudesse ajudar muito, e sua esposa ainda pudesse ser condenada a uma longa pena.

Usando minha experiência pessoal como exemplo, disse a ele que o advogado teria um papel positivo. O advogado ajudaria a diminuir a perseguição e mudaria o ambiente para sua esposa e também poderia incentivá-la e ajudá-la. O advogado entraria em contato com os oficiais do departamento jurídico envolvidos na perseguição de sua esposa. Ele também poderia entrar com uma ação judicial, e os oficiais do departamento jurídico se conteriam quando se tratasse de persegui-la. A outra praticante e eu esclarecemos a verdade com mais detalhes para ele. Ele entendeu e concordou em contratar um advogado para sua esposa.

Então eu disse à outra praticante que não me envolveria mais.

Nossos praticantes locais como um todo não conseguiram cooperar uns com os outros depois que um advogado foi contratado. Um dia, apenas uma praticante foi ver o advogado, que ainda não sabia bem a verdade. A praticante me pediu para esclarecer a verdade para ele. Eu não estava em um bom estado de cultivo e não estava mentalmente forte. Eu não sabia como esclarecer a verdade para ele. A praticante me pediu para contar a ele sobre minha experiência pessoal na prisão.

Quando falei com o advogado, contei-lhe como meu advogado me encorajou enquanto eu estava na prisão e como ele me defendeu do ponto de vista jurídico e alegou inocência para mim. Também falei sobre como ele ponderou com o juiz e protegeu meus direitos, apesar de enfrentar grande pressão e perseguição dos policiais.

A praticante falou muito bem de mim depois que voltamos para casa. Ela foi tolerante comigo e se eu não pudesse ir com ela ver o advogado, ela não me pressionava. Portanto, fui gradualmente envolvida neste caso desde a primeira audiência, segunda audiência e, finalmente, quando foi para o tribunal provincial.

Um incidente é inesquecível. Como o tribunal e a penitenciária não fizeram nada, o advogado redigiu uma queixa para processar o governador da província. O tribunal não se atreveu a aceitar a sua reclamação e disse que era necessário pedir a opinião das autoridades.

A praticante Yu foi presa por apresentar uma queixa criminal contra Jiang Zemin, o ex-chefe do Partido Comunista Chinês, bem como alguns outros oficiais dos departamentos provinciais que estavam envolvidos na perseguição de praticantes locais. Eu estava preocupada. Seríamos perseguidos por causa do processo contra o governador? Devemos prosseguir com o processo? Nossos praticantes locais tiveram um bom compartilhamento sobre este assunto. Não conseguia me lembrar do que eu havia dito então. Só me lembro de deixar de lado a fama, o interesse pessoal e o ego ao longo do caminho.

Todos os praticantes que ajudaram nesse caso melhoraram. Nosso caso fez um progresso considerável. Os juízes do tribunal provincial aprenderam a verdade por meio desse caso e alguns agiram positivamente. O advogado se encontrou com a praticante Yu. Esta foi a primeira vez que um advogado se encontrou com uma praticante do Falun Dafa nessa prisão. Todos os guardas da prisão souberam que um advogado estava defendendo a praticante e alegou inocência para ela. Eles ficaram chocados.

A praticante Yu nos disse, depois que ela foi liberada, que seus pensamentos retos foram fortalecidos depois que ela se encontrou com o advogado e soube que os outros praticantes a estavam resgatando. Ela ficou muito encorajada. Os guardas e as detentas não a torturaram mais depois disso. O ambiente para os praticantes melhorou.

Uma praticante me disse um dia: "Você está bem agora e ousa ir a qualquer lugar sem esconder o rosto atrás de uma máscara." Sim, eu não estava mais com tanto medo.

Percebi que o Mestre tirou o medo de mim depois que estudei bem o Fa, abandonei o ego e passei a ter consideração pelas outras pessoas.

Superando um carma de doença

Uma praticante me pediu para ajudar a praticante Qing (pseudônimo), que estava passando por um carma de doença e não se atrevia a dormir à noite. Ela estava com medo de morrer durante o sono. Esta situação durou dois meses.

Fiquei surpresa ao ver a praticante Qing. Ela não era a pessoa que costumava ser. Parecia pálida e muito magra. Suas costas estavam arqueadas e ela perdeu cabelo. Ela havia sido presa dois meses antes. Ficou sob grande estresse, deitada no chão da delegacia. Ela foi levada para um hospital e diagnosticada com um derrame. Os policiais não queriam ser responsabilizados, então eles a liberaram sob fiança para tratamento médico.

Ela assinou o formulário de liberação e se arrependeu de fazê-lo depois de voltar para casa. Ela não dormiu por dois meses e estava em transe. Quando ela me viu, ela fez três pedidos. Primeiro, ela me pediu para esclarecer a verdade a seu marido. Ele destruiu os livros do Dafa porque temia que a polícia pudesse pegá-los e usá-los como prova contra ela. Ele não achava que estava errado e se recusou a escrever uma declaração para se desculpar pelo que havia feito. Segundo, me pediu para estudar o Fa com ela e, terceiro, me pediu para ficar com ela à noite. Ela tinha medo de morrer à noite. Não estava acostumada a ficar na casa de outra pessoa, mas vendo esta praticante que estava em tribulação e ainda queria salvar seu marido, concordei.

Esclareci a verdade para o marido dela do ponto de vista dele. Eu disse: “Eu entendo que você não destruiu os livros do Dafa porque quis. Você temia que a polícia os encontrasse e os usasse como prova para perseguir sua esposa. Na verdade você queria protegê-la". Ele acenou com a cabeça em concordância. Então dei alguns exemplos de retribuição cármica em que as pessoas incorreram quando destruíram os livros do Dafa ou se envolveram na perseguição de praticantes. Eu esperava que ele reconhecesse seu erro e escrevesse uma declaração para denunciar sua ação. Ele concordou.

Ele não estava com boa saúde e suas mãos tremiam. Eu disse a ele: “Vou escrever uma declaração para você e você pode assiná-la. O Mestre vê seu coração”. Então ele assinou a declaração.

A praticante Qing ficou muito encorajada, mas a maior ajuda que eu poderia oferecer a ela seria ajudá-la a estudar bem o Fa. Na primeira noite, sugeri que recitássemos o Fa. Começamos com Hong Yin porque ela sabia recitar alguns dos poemas. Ela deitou na cama e eu sentei em posição de lótus no chão. Recitamos um poema após o outro. Ela recitou comigo primeiro e gradualmente eu não pude ouvi-la. Ela adormeceu. Ela acordou 20 minutos depois e disse: “Que sono profundo! Não conseguia dormir assim há dois meses”.

No primeiro dia em sua casa, eu disse a ela: “Ficarei com você todas as noites e estudarei o Fa com você. Mas irei embora todas as manhãs, depois de enviarmos pensamentos retos às 6h. Não vou fazer nenhuma refeição em sua casa porque não quero dar trabalho”. Depois de voltar para casa todas as manhãs, fazia os exercícios e não perdia um único dia. Eu precisava estar em um bom estado de cultivo para poder ajudá-la melhor.

Qing morava em um grande apartamento. Nós dividíamos uma suíte para que fosse mais fácil para eu cuidar dela. Seu marido veio vê-la uma noite e ficou muito emocionado quando me viu sentada no chão recitando o Fa para ela.

Seu irmão e a esposa vieram vê-la e insistiram para que ela fosse ao médico. Um dia eles voltaram. “Vou enviar pensamentos retos para você aqui no quarto”, eu disse a ela. “É melhor você ir vê-los. Mostre-se feliz e alegre. Eles não vão pedir que você consulte o médico se virem que você melhorou. Não permitiremos que os fatores do mal na outra dimensão manipulem seus parentes para interferir com você". Eles ficaram aliviados quando viram que ela estava muito melhor.

Havia muita interferência quando ela estava enviando pensamentos retos. Ela se sentia mal ao enviar pensamentos retos. Um dia enviei pensamentos retos por duas horas para ela. Ela sentiu dor no início, mas não depois que terminei. Ela disse: “Fiz uma descoberta. Consigo manter a calma enquanto você envia pensamentos retos”.

Chegando em casa uma noite, ela não conseguia ficar de pé no elevador. Ela estava pálida e teve que deitar na cama sem forças. Seu marido estava apavorado e queria ligar para seu irmão e levá-la ao hospital. “Você pode pedir ajuda do Mestre,” eu disse a ela. “Por favor, recite: 'Falun Dafa é bom, Verdade, Compaixão, Tolerância são bons valores' Vou falar com o seu marido”.

“Irmão, por favor, não aja precipitadamente”, eu disse a ele. “São 21 horas. Todos os especialistas estão em casa. Apenas os médicos de plantão estão no hospital. Eles não podem fazer muito tão tarde. Dê-nos tempo esta noite e estudaremos o Fa e enviaremos pensamentos retos. Se você ainda estiver preocupado com ela amanhã de manhã, ela irá para o hospital. Pode ser?”.

Ele concordou. Entrei em nosso quarto e compartilhei com ela: “Um praticante foi severamente torturado na prisão. Ele disse: ‘Foi muito doloroso quando fui amarrado a uma cama com cinco cordas. Cada parte do meu corpo doía. Foi difícil suportar por um segundo. Pensei que um dia consiste em 24 horas. Uma hora consiste em 60 minutos. Um minuto consiste em 60 segundos. Eu me perguntei se eu poderia aguentar um segundo. Claro que posso. Portanto, aguentarei um segundo após o outro até que a perseguição termine’”.

“O Mestre nos disse que não pertenceríamos aos Três Reinos, mesmo que morrêssemos cedo. Mas, por favor, pense bem: se você for embora, quem continuará esclarecendo a verdade aos familiares de seu marido, aos parentes, a seus próprios familiares e a seus netos? Muitos seres sencientes. Se você partir, quem os salvará? Eles ainda vão acreditar em nós se nós esclarecermos a verdade para eles? Se não pensamos em nós mesmos, temos que pensar nesses seres. É melhor não desistirmos. Temos que perseverar, mesmo que seja por mais um segundo!”.

Ela olhou para mim com os olhos cheios de compaixão e assentiu com a cabeça com determinação. Sugeri que enviássemos pensamentos retos. Ela disse que não se sentia capaz e sugeriu que, em vez disso, estudássemos o Fa. Recitei o artigo “Posição” do Mestre para ela.

O Mestre disse:

“As tribulações que um cultivador tem que superar são coisas que uma pessoa comum não seria capaz de suportar. É por isso que, através da história, muito poucas pessoas tiveram êxito no cultivo e alcançaram a Consumação. Seres humanos são simplesmente seres humanos. Em momentos críticos, eles têm muita dificuldade de abandonar suas mentalidades humanas; eles sempre tentam encontrar justificativas que convençam a si mesmos. Por outro lado, um cultivador grandioso, quando em meio a provas cruciais, é capaz de renunciar a seu ego e a todos os seus pensamentos humanos comuns. Felicito os cultivadores do Dafa que podem passar por provas que são determinantes para se alcançar a Consumação. A eternidade na qual suas vidas nunca se extinguirão e seus futuros níveis estão sendo estabelecidos por vocês; suas poderosas virtudes vêm de seus próprios cultivos. Sejam diligentes! Isso é o que há de mais grandioso e o maior dos privilégios.” (“Posição”, em Essenciais para Avanço Adicional II)

Recitei o Fa acima várias vezes. Ela recitou comigo mais tarde. Não sei quantas vezes recitei. Não parei de recitar até ela se sentir melhor. Então, enviei pensamentos retos por um longo tempo.

Seu estado de cultivo havia melhorado muito na manhã seguinte. Sugeri que ela preparasse o café da manhã para o marido, assim ele parava de insistir que ela fosse ao médico. Quando seu marido a viu cozinhando, ele ficou admirado de como o Falun Dafa é maravilhoso e extraordinário! Ele não mencionou ir ao médico. Eu sabia que o Mestre havia dissolvido a tribulação para ela porque ela estava pensando em seus seres sencientes.

O Mestre disse,

“Os pensamentos retos dos discípulos abundam
O Mestre tem o poder de virar a maré” 
(“Graça Entre o Mestre e os Discípulos”, em Hong Yin II)

Naquela noite, pedi a ela que praticasse os exercícios comigo. “Vou praticar os exercícios duas vezes. Você pode fazer o que puder”, eu disse. Ela praticou uma vez no início. Então ela praticou duas vezes comigo. Ela me disse mais tarde: “Quando a segui para praticar os exercícios pela segunda vez, me senti extremamente desconfortável. Eu ia me ajoelhar e pedir para você parar de fazer os exercícios. Mas seus olhos estavam fechados e eu não suportaria incomodá-la. Então eu persisti. Eu fiz uma descoberta. Eu gosto de fazer os exercícios agora”.

Um dia, seu marido disse-lhe: “Olhe para você agora. Seu cabelo está todo grisalho. Não está bem. Por que você não faz alguma coisa?”. Então eu a acompanhei ao cabeleireiro para fazer o cabelo. Todas as pessoas lá a conheciam. Ela havia esclarecido a verdade para eles. Eles sabiam que ela era uma praticante do Falun Dafa. Eles ficaram surpresos ao vê-la. Disseram que ela era linda e cheia de energia e agora parecia velha, que algo deveria ter acontecido com ela em sua família.

Ela saiu correndo depois de fazer o cabelo. Ela estava chateada. “Isso não foi causado pelo Falun Dafa”. Eu disse a ela: “Isso é por causa da perseguição do mal. Você deve contar a eles sem medo os fatos sobre a perseguição contra você. Caso contrário, eles vão entendê-la mal. Você não está prejudicando o Dafa se contar a eles os fatos da perseguição. Você está expondo a perseguição do mal. Você está despertando a consciência das pessoas”.

Ao ouvir isso, ela disse: “Esse é o problema em minha mente. Não me cultivo bem e danifiquei o Dafa. Acho difícil esclarecer a verdade às pessoas. Agora que você disse isso, minha mente se abriu”. Ela voltou ao cabeleireiro e contou como foi presa e torturada. Ela disse a eles que teria perdido a vida se não fosse pela proteção do Mestre do Dafa. Vendo que ela poderia esclarecer a verdade para as pessoas novamente, fiquei muito grata ao Mestre por sua proteção compassiva.

Ela se recuperou depois de seis meses, o que desempenhou um papel positivo entre as pessoas comuns. Sua neta tinha parado de estudar o Fa quando viu que ela estava em péssimas condições. Ela começou a estudar o Fa novamente depois de testemunhar o milagre criado pelo Dafa. Agora ela sabe recitar muitos poemas do Hong Yin. O irmão de Qing e a esposa começaram a praticar o Dafa. Sua recuperação também encorajou outros praticantes que sofriam de carma de doença.

Abandonando a inveja

Quando soube que uma praticante idosa, nos seus 80 anos, seria coordenadora do grupo de estudos do Fa da cidade no ano passado, fiquei chateada. “Eu me sacrifiquei tanto. Não sou tão boa quanto uma senhora de 80 anos?”. Não estava convencida e fazia as coisas passivamente.

Então, o seguinte parágrafo do Mestre ressoou em minha mente:

“Vou lhes falar sobre um romance. No livro Investidura dos Deuses, Shen Gongbao considera Jiang Ziya alguém velho e incompetente; no entanto, a Venerável Divindade da Origem escolhe Jiang Ziya para conceder títulos aos Deuses. Shen Gongbao acha que isso é injusto: “Por que pediram a ele para conceder títulos aos Deuses? Veja como eu, Shen Gongbao, sou formidável. Se cortarem a minha cabeça, eu posso colocá-la de volta no lugar. Por que então não pediram a mim para conceder títulos aos Deuses?”. Ele era muito invejoso, por isso, sempre causava problemas a Jiang Ziya”. (Sétima Aula, Zhuan Falun)

Percebi que agi como Shen Gongbao. Nosso coordenador local a nomeou e deve ter um motivo. Um coordenador não era um tipo de gerenciamento em nosso ambiente de cultivo. Por que dei tanta atenção a isso? Deve ser minha inveja. Eu tentei deixar pra lá. Quando olhei para aquela praticante idosa novamente, encontrei muitos méritos. Ela era muito firme em sua crença no Dafa e se cultivava solidamente. Ela levava o estudo do Fa e envio de pensamentos retos muito a sério. Deveria ajudá-la quando ela não conseguisse navegar no site do Minghui ou enviar mensagens para a caixa de entrada do Minghui. Deveria cooperar com ela e melhorar meu xinxing. Tive que aumentar minha capacidade de tolerância. Devo abandonar o ego e cooperar com todo o corpo.

Abandonando o ego

Dois praticantes foram presos há vários dias. Outros praticantes e eu fomos ver seus familiares, enviamos pensamentos retos em frente a delegacia e cooperamos com a equipe de resgate.

Um dia fui ver uma praticante que procurava outro praticante que pudesse acompanhá-la para visitar os familiares dos praticantes presos e se informar sobre a situação deles. Ao me ver, ela me repreendeu. Disse que eu era irresponsável e ignorava a prisão dos praticantes e os tratava de maneira diferente. Se fosse antes, eu me explicaria e me defenderia. Mas, desta vez, eu não disse nada. Eu olhei para dentro incondicionalmente.

Eu disse a ela: “Vamos enviar pensamentos retos para eles, limpar os campos dimensionais deles e de seus familiares. Então, podemos visita-los juntas”.

Por eu ter deixado de lado meu ego e olhado para dentro incondicionalmente, o Mestre me fortaleceu. Sentei-me e enviei pensamentos retos por três horas. Fiquei muito calma e envolta em energia. Eu me senti muito confortável. Podia sentir que estava enviando fortes pensamentos retos. Depois que terminamos os pensamentos retos, a praticante disse: “Entendo agora por que você não disse nada quando eu a repreendi. Pude sentir que você estava muito calma ao enviar pensamentos retos e realmente focada. Eu não estava calma no início, mas aos poucos me acalmei”.

Compramos algumas frutas e fomos ver os familiares dos praticantes. Mas eles nos expulsaram e ameaçaram chamar a polícia se ficássemos. No caminho de volta para casa. Eu olhei para dentro. Meu coração não estava puro quando os visitei. Eu queria extrair mais informações deles, mas não estava realmente preocupada com eles. Não olhei para o problema do ponto de vista deles e não falei com eles com compaixão. Não abandonei completamente meu ego e não considerei os praticantes como membros da minha família. Enviei pensamentos retos para eliminar meus apegos.

No dia seguinte comprei algumas roupas para os dois praticantes e fui vê-los com outros praticantes. Depositei algum dinheiro em suas contas. Eu esperava que eles entendessem que os praticantes locais os estavam fortalecendo com pensamentos retos.

Uma praticante de 80 anos em uma de nossas áreas não estava conseguindo coordenar bem alguns de seus projetos. Tomei a iniciativa de ajudá-la. Uma praticante foi presa em sua área em julho do ano passado. A praticante ficou detida por mais de um ano e agora enfrenta um julgamento ilegal. Sua família não queria contratar um advogado. Os praticantes que estavam encarregados de resgatá-la não agiram rapidamente por medo e pelas dificuldades que enfrentaram. Recitei o Fa do Mestre repetidamente para fortalecer meus pensamentos retos.

O Mestre disse:

“Vocês são a esperança da humanidade. Motivem-se, como os discípulos do Dafa da América do Norte, não recuem diante das dificuldades. Não se deixem ser barrados pelos enquadramentos das pessoas. Não sejam amedrontados pela Maldade, porque a história foi mantida para vocês.” (Ao Fahui da França, 2019)

Os praticantes perceberam que devemos valorizar a oportunidade e o tempo que o Mestre estendeu para nós com seu sofrimento. Devemos cultivar bem e despertar a consciência de mais seres sencientes. Alguns praticantes e eu esclarecemos a verdade sobre o Dafa para os familiares da praticante presa. Eles concordaram em contratar um advogado. Depois, trabalhei com o advogado.

Enquanto eu estava com o advogado, informações de “uma fonte interna do departamento de polícia” foram divulgadas para mim. Meu coração foi tocado. O advogado também teve muita interferência. O presidente do tribunal não queria vê-lo. Ele ficou em nossa cidade por quatro dias. Por causa da interferência e das câmeras de vídeo no tribunal, era perigoso para os praticantes estarem por lá. Assim, combinamos que o familiar do praticante deveria estar com o advogado no dia seguinte. Os praticantes enviaram pensamentos retos em casa.

Eu não estava à vontade naquela noite. Se não fôssemos com o advogado, como poderíamos cooperar bem com ele, já que não sabíamos do que ele precisava ou que tipo de dificuldades ele enfrentaria? Compartilhei isso com outros praticantes. O que eu temia? Foi porque eu não conseguia abrir mão da fama e do interesse pessoal? Para ajudar o Mestre a retificar o Fa, não há nada que eu não possa abandonar.

Peguei um táxi para o tribunal na manhã seguinte. O taxista disse: “Meu carro acaba de ser consertado. Muito potente agora. Eu só preciso pisar levemente no acelerador, e ele avança instantaneamente”. Percebi que o Mestre estava me incentivando por meio dele. Abandonei o medo e as noções, meus pensamentos retos ficaram fortes e fui em frente.

Quando cheguei ao tribunal, o advogado estava ligando para o juiz. Ele fez várias ligações para o juiz, que não atendeu. O familiar do praticante ficava desanimando o advogado ao dizer: “Já que ele não atende, por favor, não ligue mais. Por favor, não o irrite e torne isso um grande problema. Caso contrário, ele dará uma sentença pesada, o que não é bom”.

Eu conhecia minha responsabilidade como praticante do Dafa. Chamei o familiar do praticante de lado e o consolei. “O motivo pelo qual o juiz não atendeu aos telefonemas e não quis ver nosso advogado é porque ele sabe que está violando a lei. Os livros do Dafa que eles obtiveram não podem ser a evidência para perseguição”.

O advogado pediu ao familiar que fosse para casa e disse que bastava que eu o acompanhasse. Percebi que os praticantes do Dafa tinham que desempenhar o papel principal e o advogado precisava de nosso apoio.

O juiz ainda não tinha atendido ao telefone. Fomos ao Tribunal Intermediário para apresentar uma denúncia. No caminho para a corte, o Mestre me deu sabedoria. Lembrei ao advogado de enviar os documentos ao juiz por correio expresso. Em seguida, visitamos vários outros departamentos jurídicos. Ele ficou impressionado e disse: “Estou nesta atividade há 30 anos e nunca me foi recusado um encontro com o juiz. Obrigado por ter vindo e por suas ideias. Do contrário, não poderia visitar esses departamentos sozinho. Eu gostaria de convidar você para jantar esta noite. Amanhã de manhã irei ao tribunal. Você pode ir comigo?".

Enquanto estudava o Fa recentemente, tive novas percepções. Eu entendi os princípios do Fa desde o nível micro. Meu corpo podia sentir isso. Meu estado de cultivo melhorou. Eu não era tão facilmente influenciada. Minha mente estava estável. Eu podia me acalmar enquanto enviava pensamentos retos e era envolvida por energia.

Depois de passar por altos e baixos, valorizo o ambiente de cultivo que o Mestre arranjou para mim e prezo o tempo limitado que o Mestre estendeu para nós. Também prezo mais a paciência e o sacrifício do Mestre e aprecio as oportunidades de cultivo. Isso permite que os praticantes cooperem uns com os outros para ajudar o Mestre a retificar o Fa no mundo humano.

O Mestre disse,

“Depois de passarmos por esta parte da história e olharmos para trás, se cada discípulo do Dafa for capaz de dizer: “Fiz o que devia fazer”, (aplausos). Isso será a coisa mais grandiosa”.(Ensino do Fa na Conferência do Fa de Washington D.C. de 2003)