Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Métodos de tortura adotados nas prisões de Jiangxi visam forçar os praticantes do Falun Gong a desistir da sua fé

12 de Novembro de 2020 |   Por um correspondente do Minghui da província de Jiangxi, China

(Minghui.org) Há 21 anos que o Partido Comunista Chinês (PCC) lançou a perseguição ao Falun Gong, uma antiga prática espiritual e meditativa que beneficia a saúde, introduzida ao público na China em 1992.

A perseguição, no entanto, continua a ser constante em toda a China.

Este relatório analisa as prisões feminina e masculina da província de Jiangxi, onde as autoridades utilizam todos os meios possíveis para tentar "transformar os praticantes do Falun Gong presos", o que significa submetê-los a torturas para forçá-los a renunciar à sua fé.

Os guardas prisionais instigam frequentemente os presos criminosos, na sua maioria assassinos e dependentes químicos, a ajudá-los na tortura dos praticantes, oferecendo-lhes sentenças reduzidas.

Abaixo estão alguns métodos de tortura que estão sendo utilizados na Prisão Feminina de Jiangxi.

Pendurada pelos pulsos

Nesta tortura, uma praticante é pendurado pelos pulsos sob várias formas. Por vezes, as mãos da praticante são levantadas acima da cabeça e amarradas juntas a uma corda presa a um lugar alto, como uma esquadria de janela. O seu corpo permanece erguido enquanto é pendurado assim. Os seus dedos dos pés mal tocam no chão e o seu peso corporal coloca uma tensão extrema nos pulsos, o que causa uma dor excruciante.

Outras vezes, as mãos da praticante são algemadas atrás das suas costas. Os guardas amarram então uma corda às algemas com a corda amarrada a um lugar alto. A praticante é puxada para cima pela corda com o corpo ficando suspenso na horizontal.

Os braços da Sra. Zhang Yuzhen ficaram permanentemente incapacitados devido a esta tortura de que foi vítima em 2005. Após ter ficado pendurada durante quase 2 dias, os ligamentos e tendões dos seus ombros e braços foram danificados.

A Sra. Jiang Lanying sofreu essa tortura várias vezes. Ela foi algemada a um vão de janela e ficou pendurada durante 24 horas. As detentas puseram-lhe pimentas nos olhos e enfiaram-lhe as meias sujas na boca para mantê-la acordada.

A Sra. Huang Yongdi também foi torturada com esse método.

Longas horas em pé

A primeira coisa que as autoridades prisionais fazem às praticantes recém-admitidas é forçá-las a permanecerem em pé durante muito tempo e privá-las do sono. As praticantes trabalham nas oficinas da prisão desde as 6h da manhã até à noite. Depois de regressarem às suas celas, elas têm de ficar em pé até à meia-noite, enquanto as outras prisioneiras se lavam e vão dormir. Algumas praticantes são até mesmo obrigadas a ficarem em pé 24 horas por dia sem se lavarem ou tomarem banho.

A Sra. Wang Fengying, que tinha 75 anos de idade quando foi presa, foi obrigada a ficar em pé todos os dias até à meia-noite.

A Sra. Liefeng estava na casa dos 50 anos na época do encarceramento e foi obrigada a ficar em pé 24 horas por dia durante dois meses. As suas pernas estavam muito inchadas. Juntamente com outras torturas que sofreu, a Sra. Li foi logo hospitalizada e morreu em 2014, quatro anos após ter sido libertada.

Camisas de força

As praticantes são amarradas firmemente e penduradas. Esta tortura causa frequentemente uma dor excruciante à vítima.

A Sra. Yang Danhe e a Sra. Lu Sanxiu foram sujeitas a essa tortura.

Ilustração da tortura: Camisa de força

Congelamento

Nos dias frios de inverno, os guardas tiram as roupas das praticantes, exceto a roupa de baixo e as forçam a ficarem em pé nos corredores e expostas ao ar frio. Por vezes elas são colocadas nas suas celas com todos os ventiladores ligados e as janelas abertas.

Os guardas jogaram fora o edredom da Sra. Ge Ling e confiscaram o seu casaco de inverno. O frio severo provocou-lhe convulsões e danificou a sua medula óssea. Ela quase teve que amputar um dos seus membros. A Sra. Ge pediu muitas vezes pediu para os guardas, por escrito, que chamassem a sua família para que pudessem enviar outro edredom. Os guardas recusaram-se a fazer isso.

Banco do tigre

Os guardas ordenam aos praticantes que se sentem no "banco do tigre" com as pernas presas por correias e os tornozelos levantados sobre uma pilha de tijolos. Os praticantes são torturados durante muito tempo e muitas vezes perdem a consciência ou entram em choque em consequência da dor insuportável.

Ilustração da tortura: Banco do tigre

A Sra. Liu Baozhen, Sra. Xiao Jin, Sra. Tang Daofang, Sra. Zhu Zhiying, Sra. Lo Jianrong, Sra. Fu Shujiao, Sra. Yang Zhihua e a Sra. Li Ruo foram todas torturadas num banco do tigre.

Outras torturas

Os guardas forçam alguns praticantes a escreverem declarações para difamar o Falun Gong ou copiar as regras da prisão até altas horas da noite. Também é proibido a eles usarem o banheiro.

As mesmas torturas também são usadas na Prisão Masculina de Jiangxi

Os praticantes da Prisão Masculina de Jiangxi são obrigados a passar a noite em pé e a continuar a trabalhar nas lojas no dia seguinte. Outras torturas incluem ser pendurado por algemas, colocado em camisas de força, cama da morte, banco do tigre e é negado o uso do banheiro e eles não podem tomar banho também.

A “cama da morte” é uma cama especial, onde os braços e as pernas do praticante ficam algemados na cama, de modo que ele fica esticado e ele não se possa mover. Há um buraco na cama, por baixo do qual é colocado um recipiente para coletar a urina e as fezes do praticante, uma vez que a tortura muitas vezes dura dias ou semanas. Os guardas alimentam os praticantes à força pelas narinas, e muitos praticantes perderam as suas vidas em consequência disso.

Já passou mais de um ano desde que o Sr. Zhu Guoxin foi libertado da prisão. Ele ainda caminha com uma muleta e não consegue ficar de pé sozinho. Durante os seus 3 anos de encarceramento, o Sr. Zhu foi frequentemente colocado na solitária com pouca comida. Por vezes, os guardas despejavam propositadamente a sua comida no vaso sanitário à sua frente. Ele fez uma greve de fome para protestar contra o abuso que durou mais de um ano. Ele foi torturado em um banco do tigre, enquanto não podia se mexer, os guardas deixavam a porta aberta para que ele fosse atacado por enxames de mosquitos. Em dado momento, o Sr. Zhu foi hospitalizado e desenvolveu feridas por causa da falta de cuidados.

O Sr. Huang Xing e o Sr. Wang Sirong também foram torturados na Prisão Masculina de Jiangxi.

Reportagens relacionadas:

Abusos dos Direitos Humanos na Prisão Feminina da Província Jiangxi

Braços e mãos da Sra. Zhang Yuzhen ficam deficientes depois da tortura

O praticante do Dafa, Jiang Lanying, da cidade de Nanchang, província de Jiangxi é perseguido até à beira da morte

Aposentadoria de senhor de 78 anos é suspensa após três anos de prisão

Sra. Liu Baozhen torturada na Prisão Feminina de Jiangxi

Farmacêutica presa novamente por causa da sua fé, proibidas visitas de familiares