Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Quatro residentes de Sichuan com cerca de 60 e 70 anos foram perseguidos por causa de sua fé

10 de Novembro de 2020 |   Por um correspondente do Minghui na província de Sichuan, China

(Minghui.org) Quatro praticantes do Falun Gong em seus 60 e 70 anos na cidade de Shifang, província de Sichuan, foram perseguidos em agosto e outubro de 2020, por causa de sua fé.

O assédio aos praticantes fazia parte da “Campanha Zero”, que tem varrido a China nos últimos meses. No assédio premeditado, as autoridades tem como alvo todos os praticantes da lista negra do governo e ordenam que renunciem à sua fé, que tem sido perseguida pelo regime comunista chinês desde 1999.

Abaixo estão os detalhes dos quatro casos de assédio.

Sra. Liu Shengying

A Sra. Liu Shengying, 74 anos, foi presa em 29 de agosto de 2020, depois que foi denunciada por um vendedor de vegetais por gastar notas contendo mensagens impressas sobre o Falun Gong. Sob a situação extrema de censura de informações na China, muitos praticantes estão usando maneiras criativas de aumentar a conscientização sobre a perseguição, incluindo a impressão de mensagens em notas de yuans.

Depois que o oficial Liao Shiqiang chegou, ele segurou a Sra. Liu no chão e a algemou antes de levá-la para a delegacia. A polícia então revistou a bolsa da Sra. Liu e confiscou seus 880 yuans em notas.

Ao ouvir sua prisão, um de seus vizinhos foi à delegacia e relatou ter visto a Sra. Liu trazendo para casa bolsas com coisas que ela suspeitava serem materiais do Falun Gong. A polícia então vasculhou a casa da Sra. Liu, mas não está claro se algum de seus pertences foi confiscado.

O neto da Sra. Liu, que trabalhava na delegacia como policial, pediu-lhe que assinasse uma declaração de garantia de renúncia ao Falun Gong. Ele avisou que a Sra. Liu enfrentaria prisão ou mesmo tortura se não o fizesse. Ela ficou muito assustada e assinou a declaração contra sua vontade. Ela foi libertada por volta das 19 horas daquela noite.

Sra. Zhou Min

Em 14 de outubro de 2020, o filho da Sra. Zhou Min recebeu uma ligação do Escritório 610 local, uma agência extralegal criada para perseguir o Falun Gong. A pessoa que ligou pediu que dissesse à Sra. Zhou, de 65 anos, para ir ao escritório deles e assinar a declaração de renúncia ao Falun Gong. A pessoa que ligou prometeu que removeriam sua mãe da lista se ela assinasse a declaração. O filho da Sra. Zhou se recusou a obedecer e desligou o telefone.

Sra. Xu Kairong

A Sra. Xu Kairong, com cerca de 70 anos, foi assediada em casa em 26 de outubro de 2020, quando trabalhava para cultivar cogumelos orelha-de-pau. A polícia primeiro disse que havia vindo para verificar como ela estava. Então, um oficial a advertiu para não andar por aí.

Sabendo que ele estava se referindo a ela saindo para falar com as pessoas sobre o Falun Gong, a Sra. Xu respondeu: "Eu tenho meus próprios pés, então por que não posso andar por aí?". Ela continuou dizendo que o bureau de publicações chinês havia revogado a proibição dos livros do Falun Gong em 2011 e que não havia nada de errado com ela espalhar informações sobre a prática.

Ela os exortou a não participarem da perseguição ao Falun Gong, pois seriam responsabilizados por suas ações. Quando os policiais expressaram descrença em seu comentário, a Sra. Xu pediu que anotassem seus nomes para que ela pudesse buscar justiça contra eles no futuro. Os policiais se recusaram a revelar suas identidades e repetiram que estavam ali apenas para uma checagem da previdência. Eles então partiram.

Sr. Wang Daguo

O Sr. Wang Daguo, 72 anos, foi assediado por três policiais e três trabalhadores comunitários por volta das 13h, em 28 de outubro de 2020.

O policial Zhang Yong disse que foram visitá-lo e também realizar um censo. Outro policial de sobrenome Zhou tentou tirar a foto do Sr. Wang, mas ele se recusou a obedecer e disse que a polícia estava violando seus direitos.

Como a polícia insistiu em tirar a foto do Sr. Wang, o Sr. Wang também tirou as fotos dos policiais. Quando ele começou a esclarecer os fatos sobre o Falun Gong, os oficiais foram embora.