Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

606 legisladores de 30 países pedem o fim imediato da perseguição de 21 anos ao Falun Gong

21 de Outubro de 2020 |   Por um correspondente do Minghui

(Minghui.org) Em 18 de julho de 2020, foi assinada uma declaração conjunta por 606 legisladores de 30 países, condenando os 21 anos de perseguição "sistemática e brutal" da disciplina espiritual pacífica do Falun Gong e apelando para que o Partido Comunista Chinês pare imediatamente a perseguição.

Os praticantes do Falun Gong fora das Nações Unidas em Nova Iorque, apelaram ao fim da perseguição por causa de sua fé.

A declaração conjunta foi iniciada por dois deputados canadenses seniores, Peter Kent e Judy Sgro, bem como pela deputada sueca Ann-Sofie Alm. Recebeu um apoio sem precedentes de um organismo internacional de atuais e antigos funcionários do Reino Unido, Alemanha, França, Itália, Dinamarca, Irlanda, Holanda, Suíça, Bélgica, Romênia, Áustria, Polônia, República Checa, Eslováquia, Israel, Austrália, Nova Zelândia, Letônia, Noruega, Argentina, Japão, Taiwan, Venezuela, Chile, Estônia, Hungria, Estados Unidos, e Indonésia.

Alguns signatários fizeram declarações adicionais. Alguns desses exemplos estão listados abaixo.

Citação de Ann-Sofie Alm, deputada do Parlamento, Suécia

Ann-Sofie Alm

"No dia 20 de julho, se passaram 21 anos desde o início da perseguição aos praticantes do Falun Gong. O mundo livre está lentamente se tornando consciente da crueldade do Partido Comunista Chinês para com o seu próprio povo.

"Quero aumentar a conscientização sobre os muitos praticantes do Falun Gong que foram detidos em “reeducação por meio de campos de trabalho', prisões e outras instalações de detenção como prisioneiros de consciência. Houve relatos de tortura e até extração forçada de órgãos. Foi por isso que esta declaração conjunta foi iniciada”.

"Na verdade, a perseguição de minorias na China está entre os piores crimes contra os direitos humanos que o mundo já viu. Foi descrito como um genocídio por alguns observadores internacionais e autoridades judiciais.”

"Nós, no mundo livre, devemos defender o povo da China. Temos de nos manter unidos. É por esta razão que esta declaração conjunta é tão importante. O Partido Comunista Chinês precisa saber o que o mundo livre deseja. Queremos que esta perseguição e todas as outras perseguições terminem. Precisa parar agora".

Citação do exmo. sr. deputado, Peter Kent, ex-ministro do Ambiente do Canadá

O deputado Peter Kent afirmou: "Apelo à comunidade internacional para que se pronuncie de forma mais vigorosa e pública na denúncia da negação contínua dos direitos humanos fundamentais pelo governo chinês. Devemos continuar a trabalhar e esperar que um dia a China respeite o estado de direito, a liberdade de expressão, reunião e religião; um dia em que os princípios do Falun Gong possam ser falados em voz alta na praça Tiananmen: Verdade, Compaixão, Tolerância".

Peter Kent, falando no comício "Celebrando o 26º Aniversário do Falun Dafa" no Parliament Hill em 9 de maio de 2018

Citação da exma. sra. deputada , Hony Judy Sgro, ex-ministra da Cidadania e Imigração do Canadá

A deputada Judy Sgro, outra patrocinadora, também disse: "Elogio os praticantes do Falun Gong por seu compromisso inabalável em salvaguardar os princípios universais: Verdade, Compaixão, Tolerância".

Judy Sgro, falando no Parliament Hill, comemorando o "20º Dia Mundial do Falun Dafa" em 13 de maio de 2019

Declaração conjunta de 606 signatários parlamentares clamando pelo fim da perseguição ao Falun Gong

Estamos profundamente preocupados com as contínuas violações dos direitos humanos contra os praticantes do Falun Gong na China.

Compreendemos que o Falun Gong (também conhecido como Falun Dafa) é uma prática de meditação espiritual baseada nos princípios: Verdade, Compaixão e Tolerância. O dia 20 de julho de 2020 marca 21 anos desde que o Governo Comunista Chinês lançou uma campanha sistemática e brutal para "erradicar" o Falun Gong. Desde julho de 1999, milhões de praticantes do Falun Gong na China foram arbitrariamente presos e encarcerados sem o devido processo e muitos foram torturados e até mortos. No mínimo, milhares morreram em resultado de tais torturas e outros abusos sob custódia policial.

Estas atrocidades têm sido bem documentadas por organizações de direitos humanos, organismos governamentais e pelas Nações Unidas. O Relatório de Direitos Humanos de 2007 do Departamento de Estado dos EUA declarou, "[Manfred, o Relator Especial da ONU sobre a Tortura] Nowak Manfred relatou que os praticantes do Falun Gong representavam 66% das vítimas de alegadas torturas enquanto sob custódia do governo." O relatório de 2017/18 da Amnistia Internacional afirmou que: "os praticantes do Falun Gong continuaram a ser sujeitos a perseguição, detenção arbitrária, julgamentos injustos e tortura e outros maus-tratos". A perseguição ao Falun Gong na China tem sido uma das campanhas mais duras contra um grupo religioso nos tempos modernos.

Em 2013, o Parlamento Europeu aprovou a resolução 2013/2981(RSP): "expressa sua profunda preocupação com os relatórios persistentes e credíveis sobre a extração sistemática e credível de órgãos sancionada pelo governo chinês de prisioneiros de consciência não consentidos na República Popular da China, incluindo um grande número de praticantes do Falun Gong". Em 2016, o Congresso dos EUA aprovou por unanimidade uma resolução semelhante, H.Res.343. Em 2019, um tribunal independente no Reino Unido, presidido por Sir Geoffrey Nice QC, concluiu que "a extração forçada de órgãos tem sido cometida há anos em toda a China em uma escala significativa e que os praticantes do Falun Gong têm sido uma e provavelmente a principal fonte de abastecimento de órgãos".

Nós, abaixo assinados, instamos portanto o governo chinês a respeitar as normas internacionais e o Pacto Internacional das Nações Unidas sobre os Direitos Civis e Políticos, do qual a China é signatária, parar imediatamente a perseguição ao Falun Gong na China e a libertar incondicionalmente todos os praticantes do Falun Gong detidos e outros prisioneiros de consciência.