Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Arquivado o segundo processo contra praticantes do Falun Gong da província de Liaoning em dois meses

20 de Outubro de 2020 |   Por um correspondente do Minghui na província de Liaoning, China

(Minghui.org) Uma praticante do Falun Gong presa em maio de 2020 por aumentar a conscientização sobre sua fé, teve recentemente o seu caso arquivado pela procuradoria. Este foi o segundo caso contra praticantes do Falun Gong na província de Liaoning que foi arquivado nos últimos dois meses. O outro caso dizia respeito ao Sr. Li Caiyu, residente na cidade de Dandong, cujo caso foi encerrado em julho de 2020.

O Falun Gong, também conhecido como Falun Dafa, é uma antiga disciplina espiritual e de meditação que tem sido perseguida pelo regime comunista chinês desde 1999.

A Sra. Liu Aijun, uma residente de 63 anos na cidade de Jinzhou, província de Liaoning, foi presa em 10 de maio de 2020 depois de ter sido seguida pela polícia por ter falado com as pessoas sobre o Falun Gong. A polícia saqueou a sua casa e confiscou os seus livros e outros artigos sobre o Falun Gong. A Sra. Liu foi libertada sob fiança mais tarde nessa noite.

A Sra. Liu foi intimada pela Procuradoria Distrital de Taihe em 23 de julho e foi informada de que pretendiam indiciá-la.

Uma semana depois, a Sra. Liu foi informada de que o seu caso tinha sido transferido para a Procuradoria da Cidade de Linghai, que se tornou a procuradoria designada desde o final de julho para tratar de todos os casos relacionados com o Falun Gong na área de Jinzhou.

A Sra. Liu encontrou-se com dois promotores da Procuradoria da Cidade de Linghai em 3 de agosto. Os promotores tentaram persuadi-la a escrever uma declaração para renunciar ao Falun Gong em troca da sua libertação. Também a ameaçaram de que poderia ser sentenciada a três anos se ela se recusasse a obedecer. O seu filho, que foi com ela à procuradoria, também a pressionou. A Sra. Liu sustentou que não fez nada de errado em manter a sua fé e recusou-se a escrever a declaração.

A Procuradoria da Cidade de Linghai emitiu um aviso para arquivar o seu caso em 12 de agosto e devolveu o seu caso à polícia.

Em 21 de agosto, o Departamento de Polícia do Distrito de Taihe arquivou o processo contra a Sra. Liu. Mas, os policiais da Delegacia de Polícia de Nuerhe no distrito ainda tentaram colocar a Sra. Liu em detenção administrativa e recusaram-se a entregar-lhe a notificação de arquivamento do caso.

Cinco dias mais tarde, a Delegacia de Polícia de Nuerhe também decidiu não deter a Sra. Liu e encerrou completamente o seu caso.

Durante os últimos três meses, a família da Sra. Liu viveu sob enorme pressão e angústia, especialmente o seu marido, que ficou cego e teve o esôfago removido após um acidente de trabalho em 1995 e tem contado com a Sra. Liu para tomar conta dele.