Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Seis residentes em Jilin foram julgados por praticar o Falun Gong; seus processos legais foram negados

22 de Julho de 2019 |   Por um correspondente do Minghui na província de Jilin, China

(Minghui.org) Em 21 e 22 de maio de 2019, seis praticantes do Falun Gong foram julgados pelo Tribunal Shulan por não renunciarem à sua fé no Falun Gong, uma disciplina espiritual baseada nos princípios da Verdade, Compaixão e Tolerância. O Falun Gong tem sido perseguido pelo regime comunista chinês desde 1999. O devido processo legal não teve prosseguimento para o julgamento e e nem durante o julgamento em si. Os advogados dos praticantes foram pressionados pelo pessoal do tribunal a desistir do caso.

Os seis praticantes, moradores da cidade de Shulan, província de Jilin, foram apreendidos de suas casas como parte de uma prisão em grupo de doze pessoas na noite de 18 de julho de 2018.

Embora seis praticantes tenham sido libertados logo após suas prisões, Wang Zhigang, Xu Hongyu, Li Fengling, Li Fengjuan, Sun Zhongwei e Qu Xiumin permaneceram sob custódia. Eles foram indiciados pela Procuradoria de Shulan depois que o promotor devolveu três vezes os casos à polícia devido a evidências serem insuficientes.

De acordo com a lei criminal chinesa, o promotor pode devolver um caso à polícia para obter provas adicionais no máximo duas vezes. Se o promotor ainda acreditar que a evidência não é suficiente para indiciar o suspeito depois que a polícia apresentar o caso pela terceira vez, o procedimento normal seria descartar as acusações e libertar o suspeito.

Mas, no caso dos seis praticantes do Falun Gong, em vez de serem libertados, o promotor os acusou formalmente e encaminhou seus casos para o tribunal após a quarta tentativa da polícia.

Antes da audiência, os funcionários da Agência 610 e da equipe do tribunal tentaram impedir os advogados dos praticantes de representá-los e defendê-los no tribunal.

Depois que os advogados se mantiveram firmes e entraram com um argumento de não culpabilidade em nome dos praticantes, o juiz frequentemente interrompia a defesa durante a audiência.

Durante o julgamento, apenas dois membros da família de cada praticante foram autorizados a participar. Os membros da família que praticam o Falun Gong foram barrados do tribunal.

O Sr. Wang foi algemado durante a audiência. Ele tremia incontrolavelmente ao longo do processo.

Wang e Xu disseram que a polícia os interrogou sob violência e os forçou a fazer “confissões”. Mas o pedido deles para ver os vídeos feitos pela câmera de vigilância durante o interrogatório foi rejeitado pelo juiz.

Os praticantes também testemunharam em sua própria defesa. Cada um deles creditou o Falun Gong por melhorar seu caráter e permitir que eles fossem melhores maridos, esposas, filhos e filhas.

O Sr. Xu testemunhou que o Falun Gong beneficia a sociedade melhorando a saúde e o caráter das pessoas. Ele mesmo começou a praticar o Falun Gong depois de testemunhar as mudanças em sua mãe doente, que ficou saudável logo após iniciar a prática. Ele também discutiu como ele e vários outros praticantes locais frequentemente limpavam a estrada para os moradores depois de tempestades de neve e usavam seu próprio dinheiro para consertar as estradas e pontes em sua vila.

O Sr. Xu argumentou que todos têm liberdade de crença; é uma decisão pessoal praticar o Falun Gong e ninguém deve ser processado por sua crença.

Reportagens relacionadas:

Seis praticantes do Falun Gong detidos em grupo permanecem em custódia e enfrentam novos processos por sua fé

Shulan, província de Jilin: 12 praticantes do Falun Gong são presos em uma noite