Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Mulher de Changchun condenada a dez anos de prisão por falar as pessoas sobre o Falun Gong

19 de Maio de 2019 |   Por um correspondente do Minghui na província de Jilin, China

(Minghui.org) Uma residente da cidade de Changchun, residente da província de Jilin, foi sentenciada a 10 anos de prisão no início de abril por esclarecer a verdade sobre a perseguição ao Falun Gong.

O Falun Gong, também conhecido como Falun Dafa, é uma disciplina espiritual que tem sido perseguida pelo regime comunista chinês desde 1999.

Sra. Li Jing

A última condenação da Sra. Li Jing foi precedida por dois mandatos de campo de trabalho durante um total de três anos nos primeiros anos da perseguição. O seu marido e filho já faleceram. Agora, a sua mãe de 86 anos é deixada sozinha em casa, entristecida por sua prisão.

A Sra. Li, 64 anos, foi presa em 14 de março de 2018 em frente ao seu apartamento. A polícia vasculhou seu apartamento e confiscou seus livros do Falun Gong e materiais relacionados, bem como seu computador e 16 telefones celulares que ela estava usando para fazer telefonemas automatizados ao público para informá-los sobre a perseguição.

Ela soube durante os dois dias de interrogatório que a polícia localizou seu número de telefone e rastreou sua localização através das ligações que ela fez em sua casa.

A Sra. Li foi enviada para o Centro de Detenção No.4 de Changchun. Levou um mês para se recuperar da dor nas pernas ocorrida em razão do interrogatório.

A procuradoria aprovou sua prisão em 28 de março de 2018 e indiciou-a em 16 de agosto de 2018.

Em 7 de novembro de 2018, a Sra. Li compareceu ao tribunal. Nenhum de seus familiares foi informado da audiência. O juiz não permitiu que ela se defendesse quando ela tentou esclarecer a verdade sobre a propagada do governo comunista para justificar a perseguição. O juiz adiou a audiência em apenas 20 minutos. O procurador Chen Yaping ameaçou sentenciar a Sra. Li em sete anos de prisão.

Ela recebeu a sentença de 10 anos em 2 de abril de 2019. O seu advogado apelou da sentença em seu nome depois de visitá-la no centro de detenção em 13 de abril de 2019.

Artigo relacionado:

Viúva de 63 anos em julgamento por sua crença não tem permissão para se defender