Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Londres: Parlamento Britânico manifesta preocupação com extração forçada de órgãos na China

7 de Abril de 2019 |   Por um correspondente do Minghui na China

(Minghui.org) Em 26 de março de 2019, foi realizado no Parlamento Britânico, um debate chamado “A extração forçada de órgãos na China”. Vários membros do parlamento e de vários partidos expressaram indignação e preocupação com o crime de extração forçada de órgãos sancionado pelo governo chinês. Em 27 de março, a BBC Radio 4 cobriu o debate durante o programa “Ontem no Parlamento” .

O debate sobre extração forçada de órgãos foi realizado no Westminster Hall

Jim Shannon, Membro do Parlamento (MP), é o anfitrião do debate e presidente do grupo parlamentar de todos os partidos sobre a liberdade de religião e crença

Doze membros do parlamento de vários partidos políticos participaram do debate, que foi organizado pelo parlamentar Jim Shannon, presidente do grupo parlamentar de todos os partidos sobre a liberdade de religião e crença.

Os legisladores pediram ao governo do Reino Unido que responsabilizasse a China pela acusação de um crime que alguns podem achar muito perturbador acreditar: a prática de extração forçada de órgãos de prisioneiros vivos.

Em resposta a vários discursos dos parlamentares, Mark Field, Ministro de Estado para a Ásia e o Pacífico do Foreign and Commonwealth Office (FCO), disse que levantaria a questão, internacionalmente, sobre a extração forçada de órgãos.

“Os membros de hoje têm descrito preocupações de que os órgãos não sejam retirados apenas de prisioneiros executados no corredor da morte, mas também de prisioneiros vivos, principalmente praticantes do Falun Gong, bem como outras minorias religiosas e étnicas.

“As preocupações aumentam porque muitas vezes os órgãos são removidos enquanto a vítima ainda está viva e sem anestesia”, disse ele.

O parlamentar Jim Shannon condenou fortemente a perseguição ao Falun Gong e a outras religiões, bem como às minorias na China.

“Honestamente, eu senti que ele [Mark Field] poderia ter sido um pouco mais forte”, disse Shannon, e acrescentou: “Eu não acho que isso afaste seu compromisso com o que estamos tentando mudar”.

“Temos que convencer a China de que isto que é antiético. Isso é assassinato sob demanda”, disse ele.

A parlamentar conservadora Fiona Bruce chamou a extração forçada de órgãos de “um ato completamente sinistro” e “um crime contra a humanidade”. “Uma forma de genocídio camuflada em modernos uniformes médicos” e “o crime dos crimes”.

Ela disse: “No caso de assassinato ou assassinato por meio da extração forçada de órgãos de prisioneiros vivos na China, não existem vítimas para contar suas histórias. Isso é porque ninguém sobrevive. É quase um crime perfeito. Isso deveria nos impedir de falar? Não deveria.”

Patricia Gibson, deputada de North Ayrshire e Arran disse: “Esta prática bárbara e desumana deve terminar... A comunidade internacional, incluindo o Reino Unido… deve deixar a China sem nenhuma dúvida sobre como esta prática é repugnante para qualquer país que tem qualquer senso de decência ou valoriza a dignidade da vida humana. Não pode haver equívoco, nem desculpas, nem fazer vista grossa... O governo do Reino Unido e a ONU devem fazer mais sobre a vasta escala industrial desse horror e o que só pode ser classificado como crime contra a humanidade”.

O parlamentar Andrew Griffiths, de Burton, comparou a extração forçada de órgãos ao Holocausto nazista.

“As pessoas foram perseguidas por sua fé e sabemos onde isso terminou, porque milhões de pessoas morreram como resultado do Holocausto. Se olharmos para a história, vemos que haviam oportunidades para os governos intervirem e agirem, mas eles não o fizeram. Estamos agora no ponto em que nós, como o mundo ocidental, deveríamos dizer: ”Isso deve parar?", disse ele”.

Carol Monaghan, parlamentar de Glasgow North West, perguntou: "Dado que o primeiro relatório foi publicado em 2006, o meu honrado amigo concorda que o Reino Unido está atrasado há 13 anos para pedir uma investigação intergovernamental sobre as práticas chinesas

Afzal Khan parlamentar de Manchester condenou veementemente o crime e disse: "O silêncio do mundo sobre esta questão bárbara deve acabar

O parlamentar Afzal Khan, deputado Jim Cunningham de Coventry South e o parlamentar Bambos Charalambous de Enfield deram atenção especial a perseguição ao Falun Gong.

Eles citaram que os principais alvos da extração forçada de órgãos são os praticantes de Falun Gong e que está na hora de parar com essa perseguição.

A parlamentar Gibson disse: “O fato dos praticantes de Falun Gong serem alvos deste jeito na China chega ao cerne da questão, como articulou o honorável membro de Strangford, porque um ataque à liberdade religiosa é um ataque a todas as liberdades. O direito de todas as pessoas é adorar seu Deus em paz, no entanto, reconhecerem seu Deus, é um direito fundamental. A ameaça desse direito coloca em risco a própria base da liberdade, no sentido mais amplo”.

Shannon também chamou a atenção para a conclusão sobre a questão dada pelo tribunal popular, que foi criado para investigar a extração forçada de órgãos na China. O tribunal proferiu um julgamento interino em dezembro passado, com o presidente, Sir Geoffrey Nice, dizendo que a extração forçada de órgãos de prisioneiros vivos que tem acontecido na China "tem uma escala substancial".

Ele também destacou: “Todas essas evidências foram revisadas por diversas organizações no mundo inteiro, incluindo órgãos parlamentares, ou pelos próprios parlamentos, na Itália, Espanha, Canadá, Israel, Taiwan, Irlanda, República Tcheca e Estados Unidos, bem como órgãos não parlamentares, como a Comissão de Direitos Humanos do Partido Conservador do Reino Unido’.

Bruce também mencionou o trabalho realizado pelo tribunal do povo e outros investigadores.

“O tribunal fez o seu trabalho: conduziu dias de audiências, ouviu depoimentos de cerca de 30 testemunhas e está mostrando repetidamente que as provas foram reportadas no relatório de 2016 de David Kilgour, David Matas e Ethan Gutmann, que eu acredito ter 700 páginas e é intitulado "Colheita Sangrenta/O Massacre: Uma Atualização,” esse documento deve ser analisado em nível governamental. Em seu recente discurso ao tribunal, David Matas enfatizou que, embora haja problemas com o estabelecimento de dados exatos, uma preocupação foi levantada para que essa questão seja investigada no nível mais alto, tanto pelos governos quanto pela ONU”, disse ela”.

No momento desta publicação, 40 parlamentares assinaram uma moção (moção inicial 2138), que apela ao governo do Reino Unido a condenar a relatada prática de extração forçada de órgãos. Também pede que seja introduzida uma legislação proibindo os cidadãos de participarem do turismo de órgãos.

O parlamentar Gibson acredita que aprovar essa lei, “colocaria nossa posição moral no mapa e estabeleceria um marco, o que é muito importante… Eticamente, é muito importante que nós introduzamos essas medidas e que elas não possam estar além da inteligência de qualquer governo do Reino Unido para colocá-los no lugar”.

O parlamentar Bruce disse, “O turismo de órgão, como foi chamado, foi proibido por diversos países, incluindo a Itália, Espanha, Israel e Taiwan. O senado canadense aprovou uma legislação similar. Devemos fazer o mesmo. Isto enviaria uma forte mensagem de preocupação por parte do governo do Reino Unido”.