Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Senado tcheco aprova resolução pedindo o fim da perseguição ao Falun Gong na China

28 de Março de 2019 |   Por um praticante do Falun Gong na República Tcheca

(Minghui.org) O Senado do Parlamento da República Tcheca aprovou uma resolução expressando apoio a grupos perseguidos na China, incluindo praticantes do Falun Gong (também chamado de Falun Dafa), cristãos, uigures e tibetanos.

A Resolução nº 131 foi aprovada em 20 de março de 2019. O presidente e o governo tcheco, em determinação da lei, exigem que a China obedeça às convenções internacionais de direitos humanos, acabando com a perseguição a esses grupos e libertando todos os prisioneiros de consciência.

A resolução foi uma resposta à petição nacional sobre o “regime comunista chinês vem cometendo genocídio de praticantes do Falun Gong”. Mais de 370 mil tchecos assinaram a petição.

O Falun Gong é o grupo de pessoas mais perseguido na China. Havia cerca de 100 milhões de praticantes do Falun Gong na China em 1999. As pessoas que seguem os ensinamentos desta prática da Escola Buda estão sendo perseguidas pelo regime chinês e “reeducadas” dentro do sistema prisional do país.

Uma cópia da Resolução nº 131 do Senado

A Sra. Veronika Sunova, presidente da Associação Tcheca do Falun Dafa, fala na audiência do Senado.

“Hoje”, disse a presidente da Associação Tcheca do Falun Dafa, Veronika Sunova, “vocês têm a oportunidade de dar esperança àqueles que são torturados por acreditarem na Verdade-Compaixão-Tolerância. Vocês podem oferecer apoio a milhões de pessoas que sofrem perseguição por quase duas décadas".

"Vocês podem fazer parte daqueles que enviam sinais que podem impedir alguns perseguidores de cometer crimes."

Senador Marek Hilser (orador)

O senador Marek Hilser disse: “Somos um país que experimentou um regime totalitário comunista: vivenciamos políticas comunistas, vivenciamos execuções por razões políticas, vivemos presos e sofremos censura”.

“Nós sabemos muito bem o que significa violar os direitos humanos e não respeitar a liberdade. E penso, portanto, que nosso país, graças a essas experiências, deve ser sensível às violações dos direitos humanos em outras partes do mundo, bem como aos valores que estão sendo espezinhados”.

Ele também observou que a forma como um regime se comporta em relação ao seu próprio povo pode prever como ele se comportará em relação aos outros povos no mundo. Segundo Hilser, o regime chinês é muito agressivo e ignora os direitos humanos fundamentais, como o direito a um julgamento justo, o direito à liberdade de crença e o direito à liberdade de expressão. "Se ficarmos em silêncio sobre isso, significa que estamos de acordo", disse o Dr. Hilsher.

Senador Pavel Fischer (orador)

“Se lermos os artigos da Declaração Internacional dos Direitos Humanos, veremos que o regime chinês viola todos os artigos”, disse o senador Pavel Fischer.

Segundo o senador Fischer, os detentos por trás dos muros dos campos de trabalho não têm direitos. “O homem se torna o portador de órgãos [para pessoas que precisam de um transplante de órgãos]. O controle sobre seus próprios corpos está sendo tirado de pessoas saudáveis e vivas para passar a mais alta qualidade [para aqueles que precisam de órgãos]. Não é coincidência que esses campos estejam muito próximos dos hospitais para evitar a decomposição de material biológico”.

Vaclav Chaloupek (orador)

O senador Vaclav Chaoupek disse: “Aprendemos gradualmente os fatos sobre a extração forçada de órgãos. Esses fatos são tão assustadores e tão horríveis que não podemos imaginá-los”.

Senador Vaclav Hampl (orador)

“Gostaria de agradecer aos cidadãos que, ao criar esta petição, trouxeram este tema à atenção do Senado. Acho que é um dos muitos casos em que a cooperação entre nossos cidadãos e o Senado tem sido muito produtiva”, disse o senador, Vaclav Hampl.

“A República Tcheca é de fato um dos países onde o transplante de órgãos é praticado há anos. Vemos milagres médicos de ponta quando se trata do transplante de qualquer órgão, mesmo naquele momento em que estivemos sob um regime comunista. E mesmo assim, durante aquele regime pelo qual eu realmente não tenho uma palavra de reconhecimento, ninguém teria ousado sacrificar uma pessoa viva por seus órgãos. Isso é algo que mesmo esse regime deplorável considerou inaceitável”.

Senadora Jaromira Vitkova

A senadora Jaromira Vitkova disse que os crimes contra a humanidade devem ser evitados a tempo, antes que fiquem fora de controle, como quando do extermínio dos judeus na Segunda Guerra Mundial.

“Na semana passada”, disse a senadora Vitkova, “nós, em Boskovice, comemoramos a transferência de concidadãos judeus em 1942, marchando do gueto para a estação ferroviária. Eu acho que é necessário perceber como esta tragédia aconteceu, porque não começou em 1942. Começou como um ataque ao povo judeu na Alemanha muito antes. É necessário enfrentar essas coisas e detê-las em todos os países e a qualquer momento”, disse a senadora Vitkova.

A petição foi também apoiada por organizações não-governamentais, incluindo o Comitê Tcheco de Helsinque e a Anistia Internacional, bem como o ex-ministro da Cultura, Daniel Herman, a ex-comissária de direitos humanos, Monika Šimůnková, Jan Payne Bioetics da Charles University e outros.