Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Fahui da China | Empresário: aprimorei a natureza da minha mente e esclareci as pessoas sobre o Falun Gong (Parte 2)

5 de Dezembro de 2019 |   Por um praticante do Falun Dafa na China

(Minghui.org) [Ouça esta experiência]

(Continuação da parte 1)

Saudações, Mestre! Saudações, colegas praticantes!

Agradeço pela oportunidade de participar do Fahui da China. Gostaria de compartilhar como abandonei o apego ao ganho material e como conversei com as pessoas sobre o Falun Dafa como praticante e empresário.

Trabalhando como um praticante junto com os meus colegas

Antes de praticar o Falun Dafa, quase não interagia com os meus colegas e por isso havia uma barreira entre nós. Depois de me tornar um praticante, entendendo os princípios do Dafa, purifiquei minha mente e permaneci humilde.

O Mestre Li pediu aos praticantes que salvassem as pessoas, então tive que começar com meus colegas, pois podem ter um relacionamento predestinado comigo. Tomei a iniciativa em abordá-los com tópicos relacionados a negócios. Quando os fabricantes que visitava tinham outros clientes, convidava alguns para jantar fora. Durante a refeição, falava sobre o Falun Dafa e sobre a renúncia ao partido comunista chinês (PCC). Após isso ter acontecido algumas vezes, construí um relacionamento com eles.

Um colega pode me apresentar a outro durante as refeições de negócios: “Ele é o líder de todos nós neste condado. Ele é uma ótima pessoa e administra seus negócios muito bem. Por praticar o Falun Dafa, não bebe álcool e esse é seu único defeito”. Sempre que isso acontecia, esclarecia a verdade sobre o Falun Dafa e explicava por que a pessoa se beneficiaria em renunciar às organizações do PCC. Muitas vezes funcionava bem.

Certa vez, um casal de outra província veio até mim para cobrança de dívidas. O negócio deles era pequeno e estava à beira da falência. Durante a refeição, a esposa disse: “Já embarcamos nossos produtos, mas não nos pagaram, são vários milhões de yuanes. Agora, estamos desesperados”. Vendo os dois deprimidos, disse a eles o princípio do Dafa: “sem perda não há ganho”. “Quando as pessoas lhe devem muito dinheiro e se recusam a pagar, elas estão lhe dando muita virtude e provavelmente enfrentarão tribulações. Nada é acidental e, por favor, não se preocupem muito com isso. Além disso, todos sabemos que o bem é recompensado e o mal é punido”. Após ouvir isso, o casal ficou muito agradecido. “O que você disse faz muito sentido. Eu estava me sentindo tão mal há um momento e agora encontrei uma maneira de lidar com o problema”, disse ela.

O mundo dos negócios envolve muitos segredos, como informações sobre fornecedores, suas margens de lucro e rede de distribuição. Embora os colegas possam saber algumas coisas, em geral, todos têm seus segredos. Como tenho alguns parceiros de negócios em outras cidades, alguns colegas me perguntaram se eu poderia compartilhar algumas informações sobre os clientes. Muitas vezes fiquei feliz em fornecer os números de telefone e a credibilidade dos mesmos. Sinceramente, estava ajudando esses colegas e esperando que seus produtos pudessem vender bem.

Quando novos clientes compram meus produtos, às vezes perguntam se existem alternativas para um atacadista. Normalmente, as pessoas não compartilham essas informações. Mas, considerando-me um praticante, muitas vezes, sem hesitar, compartilhava esse conhecimento para eles. Minha esposa ficava muito chateada com minha sinceridade. “Como você pode contar isso a eles? É um segredo comercial. Se todos comprarem mercadorias de outros lugares, como poderemos sobreviver”. Ela ficou muito brava e jogou coisas pela casa. Eu respondi: “Se o dinheiro nos pertence, ninguém pode tirá-lo. As coisas ficarão bem”.

Mais tarde, outros colegas também me indicaram alguns clientes. Ao chegarem ao meu armazém, contaram sobre minha reputação de ser honesto e bem-sucedido. Eu contei à minha esposa sobre isso e ela também ficou feliz.

O Mestre disse:

“Ainda que sua casa seja feita de ladrilhos de ouro, não carregue isto em sua mente nem pense muito nisto. As pessoas que se cultivam entre as pessoas comuns trabalham nos mais diversos ramos. Ganham dinheiro ao fazerem negócios. Que importância isso tem se você não carregar isso em sua mente? Se você não pensar muito nisso e não fizer diferença se você tem ou não tem, então, quando você chega a este ponto, você passou na prova”. (Ensinando o Fa na cidade de Nova York, 1997)

“Para você que cultiva entre as pessoas comuns, sem importar quanto dinheiro você tem ou o quão alto é o seu cargo, se você é um autônomo, um empresário ou tem outro tipo de negócio, não faz diferença, porque você deve negociar de forma justa e honesta, com retidão no coração”. (Quarta Aula, Zhuan Falun)

Este é o Fa do Mestre que é essencial para que eu possa me disciplinar. Além de seguir o Fa, também recomendo aos meus clientes que “negociem de maneira justa e ajam com integridade”.

Se no passado cometesse um erro, eu o corrigiria sem dizer uma palavra. Se isso acontecesse agora, pediria desculpas aos clientes e garantiria que eles não tivessem perdas. Descobri, curiosamente, que meus colegas estavam me respeitando mais. Quando às vezes perdia o jantar com eles, um falava: “Estávamos todos esperando por você para que falasse sobre os princípios do Dafa que aprendeu”. Minhas filhas também notaram minhas mudanças. “Pai, agora, você está diferente”, disse minha segunda filha. “No passado, você mal notava outras pessoas. Agora você é muito humilde”. Eu disse a elas que foi o Falun Dafa que me mudou. Também entendi que, quanto mais alto é um ser, mais humilde ele pode se tornar.

Quando vários outros empresários e eu nos encontramos para conversar sobre aprendizado com os comerciantes em outra cidade, um deles me interrompeu e disse: “O que você disse parece ótimo. Mas sua esposa sempre vende produtos falsificados e prejudiciais. Todo mundo sabe disso”. Chocadas ao ouvir isso, as pessoas olharam para mim preocupadas que pudesse revidar como antes. Mas, considerando-me um praticante e lembrando que costumava tirar vantagem dele, deixei para lá. No jantar, eu pedi desculpas a essa pessoa e tudo voltou ao normal. A partir disso, esse comerciante também começou a aceitar os fatos sobre o Falun Dafa.

Também descobri que quando os praticantes mantêm compaixão e interagem bem com os outros, podemos influenciar as pessoas de maneira positiva. Uma vez uma cliente disse que eu parecia gentil e calmo como um monge conhecido. Ela então me mostrou a foto na mídia social. Notei que o sorriso do monge era um pouco estranho. No entanto, eu apreciei que as pessoas comuns pudessem conectar os praticantes do Dafa com compaixão e retidão. Afinal, nós praticantes somos guiados pelos princípios do Dafa e podemos obter entendimentos que os monges desejam, mas são incapazes de encontrar.

Princípios dos negócios bem-sucedidos

Meu entendimento é que, manter pensamentos retos e permanecer firme trará um negócio bem-sucedido, caso contrário, podemos ter problemas. Praticantes que administram uma empresa não têm nenhuma referência a seguir. Antes, precisamos agir de acordo com os princípios do Dafa e atender aos requisitos de xinxing dos praticantes. Administrar um negócio pode ser cansativo e complicado, mas sempre podemos cultivar nossa natureza mental.

Uma vez um amigo me perguntou: “Qual é o seu segredo para o sucesso?”. Eu balancei minha cabeça. De fato, não tive treinamento em gestão, nem passei muito tempo pensando em estratégias. Para mim tudo se resumia a trabalhar normalmente e assim ganharia o dinheiro caso ele pertencesse a mim. Como discípulo do Dafa, o mais importante é fazer bem as três coisas e as outras coisas fluiriam.

Um empresário me perguntou: “Você trata bem os funcionários e eu faço o mesmo. Você deu bônus, e eu fiz isso também. Mas, quando não estou por perto, meus funcionários apenas brincam e não trabalham muito. Seu pessoal, pelo contrário, precisa de pouca supervisão e trabalha duro. Diga-me, como você fez isso?". Eu disse com um sorriso: “Se você praticar o Falun Dafa, no futuro, entenderá isso. A verdadeira compaixão pode mudar tudo”. Por buscar ganhos, uma pessoa comum pode ser gentil com os outros, mesmo que não diga isso explicitamente. Os praticantes do Dafa, por outro lado, são genuinamente atenciosos com os outros.

Durante as reuniões com os funcionários, muitas vezes contei algumas histórias compartilhadas por praticantes da cultura tradicional chinesa (como o Benevolente Wang). Essas histórias foram contadas pela divina cultura chinesa e despertam a consciência das pessoas.

A posição de um caixa é muito importante para uma empresa. Mas para mim, qualquer um poderia assumir essa posição. Quando funcionário vinha falar comigo ou caso eu precisasse sair para fazer algo, casualmente eu escolhia um funcionário para ser o caixa. Não me preocupo com isso e nunca me decepcionei e o funcionário considera isso uma honra.

Se algum funcionário tivesse um compromisso, como um casamento ou funeral, eu participaria e falaria sobre o Falun Dafa. Quando eles precisam comprar um apartamento, costumo ir com eles e ajudá-los a encontrar um. Quando precisam emprestar dinheiro, é comum eu emprestar. Depois de emprestar 140 mil yuanes a uma funcionária, seus amigos ficaram muito comovidos e disseram-lhe: “Atualmente, nem os pais podem emprestar dinheiro aos filhos adultos. Você tem muita sorte!”. Quando emprestei 100 mil yuanes a outra funcionária, ela chorou e disse: “Nem minha mãe me emprestou tanto dinheiro. Se eu não trabalhasse duro aqui, minha mãe não o aceitaria!”. A gratidão deles vem de sua natureza amável. No entanto, para mim, era como se nada tivesse acontecido. Na verdade, sempre me sinto feliz em ajudá-los.

Nos feriados tradicionais chineses, como o festival do Barco-Dragão, o Festival do Meio do Outono ou o Ano Novo Chinês, sempre entrego uma cesta básica aos funcionários, a qual tinha arroz, óleo, peixe e assim por diante. Uma vez, foram adicionados sete itens. As pessoas que ouviram sobre isso me disseram: “Esses funcionários têm muita sorte por trabalhar aqui. Não é de admirar que todos sejam tão diligentes”. Quando estava chovendo, dois funcionários não tinham vestimentas para chuva. Fui imediatamente a um supermercado e comprei duas capas de chuva para eles. Eles ficaram emocionados.

Antes do feriado do Ano Novo Chinês, eu sempre lembrava os funcionários de contar para amigos e parentes sobre o Falun Dafa. Isso sempre funcionou bem. Às vezes, quando os funcionários me convidavam para ir às suas casas, eu contava aos pais sobre o Falun Dafa. Os pais ouviam coisas boas sobre o local de trabalho e aceitavam o que eu lhes dizia.

Nos últimos 20 anos, nunca precisei tomar remédios e sempre fui saudável. As pessoas ficam surpresas e sempre dou crédito ao Falun Dafa. No trabalho, raramente repreendo os funcionários. Apesar de sempre dar feedbacks, o ambiente sempre está em harmonia porque faço isso sem machucar ninguém. Confio nos funcionários, mas não deixo as coisas sem vigilância. Dou recompensas com base no mérito. Uma funcionária costumava criar problemas e seus pais não sabiam o que fazer. Após um tempo, mudou muito e uma vez lembrou de verificar se o teto do armazém estava vazando durante uma forte tempestade. Eu a elogiei muitas vezes por isso.

Para mim, os princípios dos negócios não são complicados. Nossa própria personalidade determinará o estilo de gestão e seremos julgados por nossas ações. Confiar verdadeiramente nos funcionários e motivá-los a fazer o melhor possível fará com que o negócio seja bem-sucedido.

Considerando os outros verdadeiramente

Alguns clientes tinham pequenas empresas. Eles não compravam muito e ainda levavam muito tempo para fazer uma compra. Minha esposa, ocasionalmente, ficava chateada com isso e olhava feio para eles. Tentei consolá-la dizendo que, no começo, o nosso negócio também começou em pequena escala. Quando esses clientes chegavam, geralmente, me oferecia para ajudá-los a selecionar as mercadorias, enquanto eliminava os mal-entendidos sobre o Falun Dafa, além de tentar convencê-los a renunciar ao PCC. Todos os clientes têm a mesma importância para mim, independentemente do tamanho da empresa. Além disso, as coisas mudam de tempos em tempos e uma pequena empresa pode se tornar grande ou vice-versa.

Alguns clientes vêm de regiões distantes para fazer alguma tarefa e têm que pegar um ônibus para voltar. Vendo-os com pressa acabei comprando uma bicicleta para eles usarem. “Além disso, se vocês precisarem de alguma coisa ou não tiverem trazido dinheiro suficiente, me avisem”, digo a eles.

Essas coisas podem parecer triviais, mas são de grande ajuda. Às vezes, quando um cliente está com pressa, ao fechar a conta, ele retira uma pilha de dinheiro e colocando-a sobre a mesa, diz: “Você pega o que for necessário para o pagamento. Volto em breve”. Muitas vezes fiquei comovido por essa confiança, já que isso representa a confiança deles em praticantes que seguem os princípios de Verdade, Compaixão e Tolerância.

Algumas pessoas que acabaram de iniciar um negócio tendem a comprar produtos baratos. Mas, a maioria desses produtos são itens de liquidação e são difíceis de vender. Antes de praticar o Dafa, para ganhar dinheiro, eu os recomendava especificamente a novos clientes. Porém, agora, as coisas mudaram e eu sempre aviso os novos clientes que esses produtos baratos não vendem bem. As pessoas ficam agradecidas por isso.

Em uma noite de inverno, quando a loja estava prestes a fechar, uma garota de 20 anos entrou. Ela era de outra cidade e parecia estar com pressa. “Quero abrir uma loja de varejo e comprar alguns produtos. Você poderia me ajudar?", perguntou timidamente. “Desculpe, hoje está tarde demais. Por favor, volte amanhã”, respondeu minha esposa, pronta para fechar a porta.

“Eu já comprei meu bilhete de ida e volta para amanhã de manhã”, ela me olhou suplicante. “Tudo bem, por favor, fique à vontade e escolha o que você precisar", eu disse.

Ajudei a garota a escolher produtos que poderiam funcionar para ela. Quando ela pegou alguns itens baratos, eu disse: “Eles não vendem bem; é melhor evitá-los”. Surpresa, ela olhou para mim: “Por que você está sendo tão gentil comigo?". Sorri e expliquei o que significa ser um praticante do Dafa. “Bem, já que você é tão bom, acredito no que você me disse”, disse ela.

Depois que empacotamos suas mercadorias, já estava escuro lá fora. As luzes da rua estavam acesas e havia poucos pedestres. “Como você vai à rodoviária?", perguntei. “Andando”, respondeu ela.

Sabia que seria difícil, pois ela estava em um lugar desconhecido e a rodoviária estava longe. Estava hesitando em ajudá-la, mas sabia que essa hesitação vinha do meu egoísmo. “Eu vou ajudá-la”, disse.

Coloquei as mercadorias na minha bicicleta e caminhei com ela até a rodoviária. Depois de ajudá-la, antes de partir, eu disse: “Vá comer alguma coisa e faça uma pausa”. “Gastei todo o meu dinheiro na sua loja”, ela respondeu, “vou ficar bem, amanhã de manhã o ônibus me levará para casa”.

Fiquei surpreso com a tristeza em sua voz. As pessoas estão lutando apenas para sobreviver. Elas nunca conheceriam o Dafa, que tipo de futuro as aguardaria? "Há um fast-food nas proximidades e podemos comer juntos”, disse. Mas ela estava hesitante. Disse a ela que precisava comer de qualquer maneira e seria melhor não ter que comer sozinho.

Depois que comemos, ela me agradeceu. “Apenas minha mãe é legal comigo. Eu nunca esperava conhecer uma pessoa tão boa”, disse ela. “Todos os praticantes do Falun Dafa são como eu”, respondi: “Se você tiver alguma dificuldade, basta perguntar e os praticantes lhe ajudarão”.

O que eu não esperava era que essa garota comum se tornasse uma grande empresária em apenas alguns anos. Ela comprava centenas de milhares de yuanes em mercadorias todos os anos. Toda vez que nos encontrávamos, ela falava sobre a primeira vez que entrou na minha loja. “Se você tiver os produtos, não os comprarei em nenhum outro lugar”, disse ela e me convidou para visitá-la algum dia.

Em uma área de desenvolvimento na sede do condado, um negócio foi fechado e o proprietário tinha uma dívida de quase um milhão de yuanes. Seus credores o perseguiram para receber e ele ficou muito frustrado e não conseguia comer. “Por favor, não se preocupe com meus 5 mil yuanes”, eu disse a ele. “Se você tiver dinheiro, pode pagar primeiro aos outros”. Ele ficou muito emocionado e agradeceu a mim e ao Dafa.

Uma nova compreensão do dinheiro

Minha filha mais velha estava casada e seu marido era bom em administração. Eu, por outro lado, não sabia como expandir ainda mais os negócios. Pensei em dar o negócio a eles e, enquanto isso, estava debatendo se isso seria uma grande perda para mim. No entanto, em minha mente eu também sabia que meu propósito de vir a este mundo é para o Dafa e para os seres sencientes, não para ganhar dinheiro. Já que alguém está pronto para me substituir, eu deveria me afastar. Então, dei todos os meus bens, avaliados em dezenas de milhões de yuanes para eles.

Quando me aposentei, pela primeira vez, me senti vazio e sozinho. Fabricantes, clientes e transportadoras não me contataram mais. Todos eles estavam me deixando como pipas sem cordas e recebia poucos telefonemas. Agora, tenho uma melhor compreensão da vida. Quantas coisas neste mundo ou quantos de nossos bens realmente nos pertencem? As pessoas costumam dizer que ter dinheiro para viver é suficiente. Mas todo mundo ainda está pensando em fazer mais e mais. Para onde vai a fortuna no final? Podemos pensar que será deixada para nossos filhos. Mas se realmente pensarmos assim é semelhante a dar nossos bens a estranhos porque, uma vez dado, o bem não tem mais nada a ver conosco.

Se eu não fosse um praticante, não teria dado os meus bens para meus filhos. Além disso, meu genro não é tecnicamente meu parente de sangue. Mas o Dafa me ajudou a entender isso.

Dizem que salvar uma pessoa rica é mais difícil do que um camelo atravessar o buraco de uma agulha. Depois de cultivar no Dafa por 20 anos, um camelo como eu finalmente passou pelos buracos. De uma pessoa rígida que precisava de medicação diária para sobreviver, agora, sou uma nova pessoa. É a poderosa virtude do Dafa e do Mestre que me mudou.

Não desperdicei esses 20 anos. Todo ano, todo mês e todo dia eu fiz as três coisas. Não importava o quanto eu estivesse ocupado com os negócios, sempre parava o que estava fazendo e não perdia a hora de enviar pensamentos retos. Quando visitei minha cidade natal, muitas vezes esclareci a verdade sobre o Falun Dafa.

Antes de praticar o Dafa eu ganhava mais de 100 yuanes por mês. No momento eu recebo uma aposentadoria de mais de 3 mil yuanes por mês. Embora eu pudesse gastar mais dinheiro, o que eu como e que eu visto é muito simples. Depois de tantos anos gerenciando um negócio, agora tenho uma compreensão mais profunda sobre dinheiro.

Por um tempo, o dinheiro pareceu enigmático e estranho, como se não tivesse nada a ver comigo. Achei isso um pouco esquisito, pois tinha passado tantos anos ganhando dinheiro, trabalhando duro para obter lucro antes de praticar o Dafa e apesar de ser leviano mesmo após começar a praticar, continuei com isso. Então, como é que o dinheiro não me parece tão familiar agora?

Quando via as pessoas tão ocupadas ganhando dinheiro, às vezes, era difícil entendê-las. Eu me perguntava, o que estão fazendo? Provavelmente foi porque passei por isso e minha mente se tornou pura. Eu posso entender as pessoas comuns. Ocasionalmente, minha esposa está calculando o aluguel que estamos recebendo de várias propriedades e quer economizar mais. Eu disse a ela: “Não importa quanto dinheiro você acumule, é apenas um número. Desde os tempos antigos até agora, as pessoas têm trabalhado duro para ganhar dinheiro para se sentir bem. Ninguém sabe para onde foi o dinheiro no final”.

Epílogo

Muitas coisas aconteceram durante os meus 20 anos de cultivo. É como um livro com bons capítulos de superação de tribulações, bem como capítulos ruins de falhar em alguns dos testes. Às vezes, também fiquei frustrado com meu progresso lento.

Mas, independentemente do sol ou da chuva, eu sempre fiz as três coisas. O progresso em cada etapa não seria possível sem a ajuda compassiva do Mestre. Foram o Falun Dafa e o Mestre que me purificaram e me tiraram deste ambiente imundo. Sempre sou grato ao Dafa e ao Mestre.

Parece que 20 anos é muito tempo e tenho muitas coisas para compartilhar. Inicialmente, me senti bastante mal e hesitante em escrever. Foi o incentivo de colegas praticantes e a ajuda do Mestre que me possibilitou transformar a minha experiência em um artigo de troca de experiências, para validar a poderosa virtude do Mestre e do Dafa.