Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Fahui da China | Salvando seres sencientes com todo o meu coração e ajudando colegas praticantes

29 de Dezembro de 2019 |   Pela praticante do Falun Dafa, Mei Xiang, na província de Heilongjiang, China

(Minghui.org) Sinto que sou a pessoa mais feliz e mais abençoada do mundo porque pratico o Falun Dafa. Nos últimos 20 anos, validei consistentemente o Dafa. Espero que as pessoas em todo o mundo aprendam que o Falun Dafa é bom!

Aprendendo a ler o Zhuan Falun

Fui apresentada ao Falun Dafa por um colega de trabalho na primavera de 1996. Eu estava com problemas de saúde e meu pescoço muitas vezes estava dormente. Além disso, minha saúde mental estava diminuindo, por causa do meu mau relacionamento com meu marido. Eu até senti que viver não tinha sentido. Um colega de trabalho me disse: “O Falun Dafa é tão bom. Você se sentirá muito melhor depois de ler Zhuan Falun”. Havia um local de exercícios do Falun Dafa a oeste de minha casa e eu decidi ir para lá praticar o Falun Dafa. Também pedi aos meus dois filhos que fossem e ambos disseram que sim, sem hesitar.

Minha família era muito pobre quando eu era jovem. Eu não frequentei a escola e, portanto, era analfabeta. Como eu queria praticar o Dafa, estava determinada a aprender os caracteres chineses e ler o Zhuan Falun. Havia um espelho na parede da minha casa. Todos os dias, desenhava no espelho os caracteres que não conhecia e depois perguntava aos meus filhos o que eram. Melhorei muito rapidamente porque consegui me lembrar deles depois que meus filhos me disseram apenas uma vez. Era porque o Mestre tinha me dado sabedoria que eu conseguia me lembrar deles. Logo pude ler o Zhuan Falun, embora não muito bem. No grupo de estudo do Fa, revezávamos para ler e, quando chegava a minha vez, eu parava muito. Os outros não estavam cientes da minha situação e uma colega praticante disse: “Alguns colegas praticantes não são sérios o suficiente ao ler o Fa e fazem muita pausa”. Eu sabia que ela estava falando de mim e me senti muito mal. Mas eu continuei e continuei lendo mesmo quando era a vez de outras pessoas. Gradualmente, eu fui capaz de ler sem problemas.

Enfrentando problemas familiares

Fazia muito frio no inverno, mas meus filhos e eu insistimos em fazer os exercícios ao ar livre. Minha família ainda era relativamente pobre, mas eu comprei três tocadores de música. Os dois primeiros eram pequenos e, à medida que mais pessoas queriam aprender o Dafa, comprei um maior. Era mais alto, mas o som parecia bom. Fizemos os exercícios, independentemente do clima. Uma vez, começou a chover quando estávamos fazendo o segundo exercício e muitas pessoas foram embora. Mas meus filhos e eu terminamos na chuva.

O Mestre nos disse para sermos pessoas boas e seguirmos o princípio da Verdade, Compaixão, Tolerância. No começo, tive dificuldades em seguir a tolerância. Quando tive uma grande briga com meu marido, pensei em morar com meus pais por algum tempo.

Na manhã seguinte, meu marido disse: “Seu Mestre disse em meu sonho: ‘Existem quatro pessoas em sua casa e três praticantes do Dafa. Você não deve continuar criando problemas. Limpei sua casa por dentro e por fora. Se você continuar criando problemas, eu não cuidarei mais de você'".  Então, eu me ajoelhei e me inclinei diante do Mestre, mas o Mestre disse: “Levante-se. Hoje não fazemos mais isso”. Meu marido também viu em seu sonho que os espíritos de raposa e doninha saíram de casa. A partir de então, ele se tornou uma pessoa melhor e apoiou muito a nossa prática do Dafa. Ele também cozinhou para nós. Fiquei muito feliz e decidi me tornar uma pessoa melhor e tratar bem os outros.

Na época, a família do quinto irmão mais novo de meu marido morava perto de nós. Houve um curto período de tempo em que não ficamos em casa e ele aproveitou a oportunidade e construiu uma casa em seu quintal. A casa era tão perto da nossa casa que nem conseguimos abrir nossas janelas. Além disso, sua esposa amaldiçoava meu marido o tempo todo. Nossos vizinhos pensaram que eles haviam ido longe demais e nós ganharíamos uma ação judicial. Mas não discutimos com eles.

À medida que o inverno se aproximava, sua família começou a ter muitos problemas. Ele teve problemas para respirar; seu filho estava com dor de estômago e os médicos não conseguiam identificar o problema. Eventualmente, eles encontraram um consultor de Feng Shui e disseram-lhes que a casa recém-construída tinha um espírito.

Ele decidiu demolir a casa e nos perguntou se poderia colocar coisas em cima do nosso telhado. Meu marido não quis, no começo, mas consegui convencê-lo. Depois de desmontar a casa, sua família ficou bem. A partir de então, as duas famílias se deram muito bem e até nos deram um pequeno terreno para plantar as coisas. O conflito foi resolvido, como o Mestre nos disse para seguir o princípio da Verdade-Compaixão-Tolerância.

Ajudando ex-praticantes a retornarem ao caminho do cultivo

Após o início da perseguição, alguns praticantes ficaram em casa e tiveram medo de entrar em contato com outros praticantes. Alguns foram monitorados por suas famílias para que não entrassem em contato com outros praticantes.

Fui presa várias vezes e alguns praticantes tinham medo de falar comigo. Mas, eu sempre tentei encontrar uma maneira de ajudá-los. Plantamos alguns feijões no quintal. Quando os grãos estavam prontos, eu os pegava e os levava para a casa desses praticantes. Eu usei isso como uma oportunidade para incentivá-los a continuar o cultivo. Sempre que o Mestre publicava uma nova palestra, eu também levava para eles.

Talvez porque eu estivesse sempre ansiosa para ajudar e tivesse alguma influência na região, o Mestre ordenou que eu seguisse esse caminho de cultivo. Tentei encontrar todos aqueles que não pareciam mais praticar o Dafa e os incentivei a voltar à prática. Eu sabia que o Mestre não gostaria de deixar nenhum discípulo para trás, então pensei em tentar procurá-los - um por um.

Fui visitar Ang (pseudônimo) e a incentivei a voltar ao cultivo. Por fim, ela o fez, e seu marido, que era ministro da cultura da cidade, também começou a praticar o Dafa. Ele fez os exercícios fora, e ninguém se atreveu a detê-lo. Ele se beneficiou do Dafa, como quando ficou incólume após bater com a cabeça em um radiador de metal em um acidente.

Quando visitei Bo (pseudônimo) e seu marido para incentivá-los a voltar ao cultivo, eles estavam assistindo TV e não falaram comigo. Eu não desisti deles. Eventualmente, depois de muitas visitas, eles retornaram ao caminho do cultivo. Seus filhos também trataram os praticantes do Dafa com muita gentileza e frequentemente os ajudaram nos reparos domésticos.

A praticante Chen (pseudônimo) começou a se cultivar depois de voltar da casa de seu filho. Ela desenvolveu lúpus e se recuperou sem tomar nenhum remédio. Seu filho ocupava uma alta posição em uma delegacia de polícia em outra província. Ele veio visitá-la e ficou muito feliz em ver a melhora na saúde dela. Quando saiu, ele mostrou sua gratidão ao oferecer incenso à imagem do Mestre e agradeceu ao Mestre por ajudar sua mãe. Ele também deixou o Partido Comunista Chinês (PCC).

A filha da praticante Dong (pseudônimo) teve uma doença ginecológica e menstruação irregular. Ela estava com tanta dor durante aqueles dias que rolava no chão. Ela gastou muito dinheiro em tratamentos sem ver nenhuma melhora. Uma amiga dela, que era médica, disse a ela que não poderia ser curada, mas só pioraria. Dong tentou convencer sua filha a praticar o Dafa, mas ela não quis ouvir, então eu fui falar com ela.

Eu esclareci a verdade sobre o Falun Dafa. Então eu disse: “Praticar o Dafa não custa nenhum dinheiro. Tudo o que você precisa fazer é acordar um pouco mais cedo, ler os livros do Dafa e fazer alguns exercícios. Você deve experimentar um pouco você mesmo e saberá o que quero dizer”. Ela concordou em tentar o Dafa. Depois de praticar o Dafa por algum tempo, ela foi fazer um exame médico e o médico disse que ela estava melhor e que não precisava de cirurgia.

Ela parou de praticar e sua doença piorou. “Você precisa ser séria no cultivo”, eu disse: “Você deve se desculpar com o Mestre e começar de novo”. Ela ouviu e começou a estudar diligentemente o Fa e fazer os exercícios novamente. Ela voltou à ter boa saúde e se casou. Seu marido tem apoiado muito a prática do Dafa.

Então, visitei Fang (pseudônimo) que também havia parado de cultivar. Fiquei chocada quando a vi. Seu estômago estava inchado e ela parecia estar extremamente fraca. Perguntei-lhe: “Por que você não envia pensamentos retos?” Ela me disse que não sabia como. Eu disse: “Vou recitar a fórmula e você pode anotá-la.” Dois dias depois, fui à casa de outro praticante e, para minha surpresa, Fang estava estudando o Fa lá! Ela me disse: “No outro dia, enquanto escrevia, senti o ar frio percorrer meu corpo e, pouco tempo depois de escrever as palavras para enviar pensamentos retos, me senti muito bem e me recuperei.”

O marido de outra praticante a monitora de muito perto, e ele ficou infeliz quando eu a visitei várias vezes. Por isso, pedi à minha nora para levar a nova palestra do Mestre para ela. Gradualmente, ela se tornou muito mais estável no cultivo.

Permanecendo firme no cultivo, apesar da perseguição

Em 13 de maio, comprei um grande bolo de aniversário e os praticantes se reuniram para comemorar o aniversário do Mestre. Estávamos todos empolgados, porque foi a primeira vez que nos reunimos em muitos anos.

Jiang Zemin lançou a perseguição brutal contra um grupo de pessoas boas que praticam o Falun Dafa em 20 de julho de 1999. Ele alegou que o Mestre “fez uma fortuna” com os praticantes. No entanto, meus dois filhos e eu praticamos o Dafa por tantos anos, e o Mestre nunca nos pediu um centavo. Voltei à ter boa saúde depois de praticar o Dafa e economizamos muito dinheiro por não precisar mais de medicamentos. Além disso, trabalho em três empregos.

Minha família foi assediada pela polícia. Eles saquearam minha casa e confiscaram muitas coisas, incluindo tocadores de música e livros do Dafa. Eles também levaram 20 mil yuans em dinheiro.

Mas mesmo assim, persistimos em fazer o grupo de estudo do Fa em minha casa. Exceto pelas vezes em que fui detida, independentemente do que acontecesse fora de minha casa, tínhamos o grupo estudando o Fa todas as noites. O estudo do grupo Fa é um caminho de cultivo que o Mestre deixou para nós. Temos o Mestre cuidando de nós e, portanto, estamos determinados a estudar em grupo o Fa.

Este ano, os locais de estudo do Fa em nossa região foram assediados e a polícia confiscou os livros do Dafa. Outro praticante veio me contar sobre isso e disse: “Talvez devêssemos parar por vários dias.” Eu disse: “Está tudo bem. Nosso grupo de estudo do Fa está em atividade desde 20 de julho de 1999, e foi o Mestre que nos protegeu o tempo todo. Não teremos problemas.”

Quando os praticantes vieram à minha casa uma vez, viram alguém sentado na entrada do prédio. Eles ficaram preocupados e se perguntaram se ele era um policial à paisana. Meu coração não se comoveu. Pensei: “Não podemos pensar nele como uma pessoa má. Não importa o que ele faça, ele é um ser sensível. Não podemos deixá-lo interferir em nosso cultivo. Ele será destruído se cometer um crime contra o Dafa.” Enviei pensamentos retos para eliminar os fatores malignos por trás dele e pedi ao Mestre para fazê-lo ir embora. Minutos depois, ele saiu.

Eu sempre tive um pensamento firme: “O local de estudo do Fa do grupo deve avançar de maneira constante, até o tempo do Fa retificando o reino humano!”

Benefícios do Dafa para a família

Alguns de meus parentes costumavam praticar o Dafa, mas pararam após o início da perseguição. Quando voltei para minha cidade natal, comprei um MP3 player para minha segunda irmã mais velha e pedi que ela ouvisse as palestras do Mestre. Mas ela não escutou muito e depois deu para o filho brincar. Mais tarde, ela teve um derrame e não conseguia mais andar. Dei a ela um amuleto e disse a ela: “Recite sinceramente 'O Falun Dafa é bom', então o Mestre cuidará de você.” Desta vez, ela foi muito sincera e disse: “Minha irmã é praticante do Dafa. Mestre Li, por favor, também me ajude”. Ela recitou repetidamente. Gradualmente, recuperou a mobilidade e pôde andar e cozinhar novamente.

Quando esclareci os fatos aos membros da família, minha mãe também me ajudou. Ela disse à minha irmã mais velha: “Pratique o Dafa com sua irmã! Ela tem boa saúde e nunca se cansa”. Minha mãe teve alguns problemas cardíacos e também tossia bastante. Uma manhã, ela viu uma mão grande tirando algo do coração. A partir de então, seu problema cardíaco desapareceu. Mais tarde, cuspiu duas bolas semelhantes a tumores, uma amarela e preta, e a partir de então não tossiu mais.

Minha tia sofria de insônia, mas conseguiu adormecer depois de recitar “O Falun Dafa é bom”. Meu tio é diretor de uma escola e sofreu um pequeno derrame. Seus sintomas desapareceram após vários dias praticando o Dafa.

Um ano, voltei para minha cidade natal e fiquei lá por dois meses. Eu tinha muitos parentes lá, e para qualquer família que precisasse de ajuda, eu sempre estava disposta a ajudar. Ao colher algodão, a maioria das pessoas não conseguiu chegar ao final da linha do campo e teve que colocar os sacos no chão no meio para descansar as costas. Mas o algodão ficaria sujo dessa maneira. Eu sempre carregava até o fim sem largar. Minhas cunhadas me perguntaram: “Suas costas estão bem assim?” Eu disse a elas: “Não tem problema!” Esclareci os fatos com muitos de meus parentes e mais de 80 pessoas deixaram o PCC.

Muitos de meus parentes queriam me dar dinheiro, mas eu não aceitei nenhuma doação. Se eu realmente tivesse que pegá-lo, daria para minha mãe. Antes de sair, limpei sua casa por dentro e por fora. Ela ficou muito triste quando eu fui embora.

Uma vez, algumas pessoas da minha família fizeram uma longa caminhada. Quando voltamos para casa, meu sobrinho foi para cama e não queria sair, mas eu fui imediatamente para a cozinha para ajudar a fazer bolinhos. Eles ficaram muito surpresos ao ver isso. Meu sobrinho disse: “Tia, o que é essa prática? Você pode me ensinar?” Ele acabou ficando com minha cópia do Zhuan Falun. Seu pai, que é meu irmão mais novo, costumava pensar que eu passava muito tempo com coisas relacionadas ao Dafa e não vivia bem. Eu disse a ele: “Como isso pode ser verdade? Minha saúde ficou muito melhor depois de praticar o Dafa, e é assim que sou capaz de assumir três empregos. Como isso seria possível sem boa saúde?” Ele entendeu e também aprendeu os exercícios do Dafa.

Validando "Falun Dafa é bom” com nossas ações

O segundo irmão mais velho do meu marido, Tong (pseudônimo) ficou doente e foi hospitalizado em outra cidade. A saúde de sua esposa, Lian, também não era muito boa e ela não podia cuidar dele. Eles me pediram ajuda, então eu fui ao hospital. Cada quarto do hospital era compartilhado por dois pacientes. Mas, no quarto, havia apenas uma cama extra para os familiares dos pacientes que estavam lá para cuidar deles. A regra era que cada família se revezasse no hospital todas as noites. O nome do filho do outro paciente era Xiao Hong, e ele se recusou a dividir a cama extra quando chegou a nossa vez de usá-la. A filha de Tong brigou com ele sobre isso. Eu os separei. Então, eu disse à filha de Tong que me deixasse cuidar do pai dela. Concordei em dormir no corredor, mesmo estando frio no corredor,

Em tudo pensei os outros primeiro, como deixar a outra família usar a pia e as tomadas elétricas antes de mim. Quando Lian chegou ao hospital, ela viu que eu estava dormindo no corredor no tempo frio. Ela fez macarrão para mim. Eu sabia que ela estava em uma situação muito difícil financeiramente e disse a ela que iria para casa comer. Ela ficou muito emocionada.

Cada vez que havia alguém novo visitando, eu esclarecia os fatos. Todas as pessoas de lá, incluindo as das enfermarias vizinhas, sabiam que eu era uma boa pessoa. Até o diretor do hospital sabia disso. Eu disse a eles que era tudo porque eu praticava o Dafa. Eu disse a eles que antes de praticar o Dafa, eu era alguém que nunca se renderia aos outros e lutaria por tudo.

O cunhado de Xiao Hong me disse: “Xiao Hong é o tipo de pessoa que ninguém ousa provocar. Mas ele realmente te admira. Você é uma pessoa tão boa. Ele ouve o que você diz!”

As duas famílias se deram muito bem e Xiao Hong também mudou. Todos os dias eu falava para ele sobre seguir o princípio da verdade, compaixão e tolerância, e ele concordava. Ele disse: “Gostaria de ter te conhecido mais cedo. Então, eu não teria feito coisas estúpidas.” Foi quando descobri que ele era um assassino e sua família gastou muito dinheiro para tirá-lo da prisão. Quando eu estava saindo, Xiao Hong e sua irmã choraram e pediram meu número de telefone. Xiao Hong prometeu me visitar.

Lian queria me dar 2 mil yuans por cuidar de Tong, mas eu não o aceitei. Seus filhos ficaram muito emocionados. Além de Lian, toda a família deixou o PCC.

Por vários anos eu tive um emprego de babá. Quando comecei, a criança tinha nove meses e era muito magra e pequena. Seus pais me disseram que, quando ela nasceu, ela teve que ficar em um balão de oxigênio por um mês. Ela não gostava de comer e alimentá-la era um grande problema. Depois que comecei a trabalhar com ela, cozinhei coisas diferentes para ela todos os dias e usei todos os tipos de maneiras para fazê-la feliz e comer. Logo ela ficou muito mais saudável e gordinha. A mãe dela me perguntou: “Como você a alimentou?” “Com o meu coração”, eu disse a ela. Eu sempre fui feliz Eu sorri para ela e ela sorriu para mim. Eu cuidei dela por três anos e meio e ela não precisou de nenhum medicamento durante esse período.

Na verdade, eu não sou uma pessoa paciente e não era paciente nem mesmo com meus próprios filhos quando eles eram pequenos. Mas o Dafa havia me mudado e eu pude cuidar pacientemente dessa criança.

Ela cresceu e estava na hora de ela ir para o jardim de infância. Sua família inteira estava triste por se separar de mim. Quando fui presa por praticar o Dafa, os avós da criança foram me ver na detenção. Sua avó chorou e disse: “Uma boa pessoa como você não deveria estar sofrendo aqui”. Ela disse que sua família conhecia alguns funcionários do governo da província e que eles poderiam pedir ajuda. Eu disse a ela que não.

Durante os vários anos em que fui babá em sua casa, tive a oportunidade de esclarecer os fatos para muitos convidados que os visitaram. Todos os familiares e amigos com quem eu havia conversado concordaram em deixar o PCC.

Melhorando enquanto esclareço a verdade

Quando a perseguição começou, saí para distribuir folhetos e postar adesivos com informações do Dafa. No começo eu estava muito nervosa. Houve uma vez que notei alguém atrás de mim enquanto eu tinha um adesivo na mão. Isso me assustou tanto que coloquei o adesivo na boca, mastiguei e engoli. Mas, por mais assustador que estivesse, ainda insistia em distribuir materiais do Dafa. Com o passar do tempo, fui capaz de eliminar a mentalidade do medo.

Outra vez, caí de algumas escadas quando estava distribuindo materiais. Meu pé estava torcido e a sola voltada para cima. Eu disse: “Mestre, ainda preciso andar.” Segurei meu pé e torci-o para trás. Não doeu, então me levantei e continuei a distribuir os materiais. Quando terminei, olhei em volta e percebi que estava longe de casa. Eu pensei: “Como posso ir para casa tão tarde?” Não era um pensamento reto e, assim que o tive, meu pé começou a doer. Tive a sorte de conhecer alguém com um trailer e ele me levou para casa por três yuans. No dia seguinte, meu tornozelo estava roxo escuro, mas, mesmo assim, insisti em distribuir materiais sempre que disponíveis. Eu me senti muito leve e relaxada cada vez que terminava. Eu sabia que nada poderia me parar. Mesmo a polícia sentada à minha porta durante um ano inteiro não me impediu de sair para distribuir materiais. O Mestre está sempre me protegendo.

Também aprendi a fazer telefonemas para esclarecer a verdade e pedir às pessoas que deixassem o PCC. No começo, pedi a colegas praticantes que me ajudassem a escrever os nomes das pessoas que deixaram o PCC, porque eu não sabia como escrevê-las. Os colegas praticantes disseram: “Você não pode simplesmente desenhar os caracteres?” Fiquei um pouco zangada e pensei: “Se eu soubesse como, então por que eu perguntaria a você!” Mas logo percebi que era uma sugestão do Mestre. Aprendi a usar meu telefone para procurar os caracteres e copiá-los manualmente em papel. Para os caracteres que tinham muitos traços, eu aumentava o zoom para vê-lo claramente. Dessa forma, eu não precisava mais incomodar ninguém. Os colegas praticantes não acreditaram que fui eu quem escreveu os caracteres e comentou que eles eram bem escritos. Foi realmente o Mestre quem abriu minha sabedoria.

Ajudando outros praticantes

Uma praticante foi forçada a sair de casa devido a perseguição. Sentia muita dor e não conseguia endireitar as costas. Era como se ela tivesse um resfriado forte e estivesse com sono o tempo todo. Adormecia mesmo quando assistia aos vídeos das palestras do Mestre em pé. Ela ficou em minha casa por dois meses e eu nunca a critiquei. Em vez disso, apenas tentei ajudá-la e incentivá-la. Eu não compartilhei muito com ela. Passei muito tempo estudando o Fa, enviando pensamentos retos e fazendo os exercícios com ela. Ela queria dormir muito. Às vezes, ela dizia que só queria se deitar por 10 minutos. Mas eu disse a ela: “Você não deveria. Se você se deitar, aceitará a perseguição das velhas forças”. Eu a encorajei a ser persistente. Ela foi capaz de suportar as dificuldades que estava enfrentando.

Outra praticante não podia comer muito e ficou extremamente magra. Ela ficou em minha casa por um mês. Muitas vezes, ela apenas ficava deitada na cama e não queria se levantar. Eu disse a ela: “Há um futuro brilhante se você seguir em frente. Há um abismo e você cairá se retroceder. Você quer avançar ou voltar?” Ela então se levantou para estudar o Fa, fazer os exercícios e enviar pensamentos retos. Ela também encontrou o apego ao ganho pessoal e à mentalidade de medo que possuía por muitos anos. Ela logo se recuperou.

Sempre que colegas praticantes tinham problemas ou preocupações, eu cuidava deles como se fossem minha própria família. Como praticantes, devemos avançar juntos.

O Mestre tem sido tão compassivo comigo. Nesses muitos anos, causei muitos problemas ao Mestre por causa da minha teimosia, apegos e por não ser capaz de ler ou escrever. Mas Mestre, tenha certeza de que, não importa o que aconteça, sempre tratarei os outros com sinceridade e salvarei os seres sencientes com todo o meu coração. Vou tentar manter a mente calma, para que o Mestre não precise se preocupar comigo. Por todo esse tempo, o Mestre tem feito tudo por mim e me empurrado ao longo do meu caminho de cultivo.

Obrigada Mestre! Obrigada, colegas praticantes!