Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Relatório dos EUA sobre Liberdade Religiosa chama a atenção para a perseguição ao Falun Gong

20 de Junho de 2018 |   Por um correspondente do Minghui

(Minghui.org) Em 29 de maio de 2018, o Departamento de Estado dos EUA divulgou o Relatório Anual de 2017 sobre Liberdade Religiosa Internacional. A China está novamente no primeiro nível da lista de “Países de Especial Preocupação”.

O relatório presta especial atenção à perseguição ao Falun Gong, aos cristãos e outros grupos religiosos. Em uma coletiva de imprensa, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, ressaltou que “os Estados Unidos não ficarão parados como espectadores” às violações da liberdade religiosa.

O Secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo: “Os Estados Unidos não ficarão parados como espectadores” quanto às violações da liberdade religiosa.

Secretário de Estado: os EUA não ficarão parados como espectadores

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, comentou na coletiva de imprensa do Departamento de Estado: “A liberdade religiosa está na corrente sanguínea americana. Como James Madison escreveu anos antes de ser presidente ou secretário de Estado, 'Consciência é a mais sagrada de todas as propriedades'. "

Os Estados Unidos sediarão o primeiro Ministerial para o Avanço da Liberdade Religiosa, em 25 e 26 de julho deste ano, no Departamento de Estado, para promover a liberdade religiosa. Pompeo disse que “proteger e promover o respeito global pela liberdade religiosa é uma prioridade da administração de Trump.

“Este ministerial, esperamos, abrirá novos caminhos. Não será apenas um grupo de discussão.” “Os Estados Unidos não ficarão parados como espectadores. Vamos entrar no ringue e nos solidarizar com todos os indivíduos que buscam desfrutar de seus direitos humanos mais fundamentais.”

Sam Brownback, embaixador geral da liberdade religiosa internacional, falou no briefing dizendo: “Nosso objetivo é proteger a liberdade de consciência de todas as pessoas. Isso significa proteger um muçulmano, budista, praticante do Falun Gong ou cristão na China e sua capacidade de orar e viver sua vida”.

“A China continua sendo um país muito problemático sobre a liberdade religiosa”, disse Brownback.

Dezenas de praticantes do Falun Gong morrem como resultado da perseguição

O sr. Yang Yuyong

O relatório apresenta dezenas de praticantes do Falun Gong que morreram sob custódia durante a perseguição.

“De acordo com o Minghui, uma organização afiliada ao Falun Gong, durante o ano, 42 praticantes morreram sob custódia ou após a libertação da prisão devido a ferimentos sofridos enquanto estavam sob custódia.”

O relatório fornece detalhes sobre a perseguição ao sr. Yang Yuyong e à sra. Han Hongxia.

“O Minghui também informou que o praticante do Falun Gong, Yang Yuyong, morreu em julho, sob custódia policial. Autoridades em Tianjin o prenderam em dezembro de 2016. Ele teria sofrido abusos graves enquanto estava sob custódia, incluindo abusos sexuais envolvendo 13 detentos que beliscavam seus genitais e mordiam seus mamilos. Quando as autoridades o levaram para receber atendimento médico, ele já estava sofrendo uma falência múltipla de órgãos. A sua família relatou seu corpo como estando preto e azul e com traços de varas de bambu sob as unhas dos pés. A esposa de Yang, Meng Xianzhen, foi presa com ele e permaneceu sob custódia até o final do ano.

“O Minghui informou que Han Hongxia morreu em março, enquanto estava sob custódia da polícia. Funcionários do Escritório de Segurança Doméstica da cidade de Da'an, na província de Jilin, a prenderam em outubro de 2016. Segundo informações, os guardas do Centro de Detenção da Cidade de Baicheng a torturaram por se recusar a renunciar à sua crença no Falun Gong.

Praticantes do Falun Gong em Hong Kong

Relatórios no capítulo sobre Hong Kong mencionaram muitas vezes os praticantes do Falun Gong e suas atividades. Quando Xi Jinping visitou Hong Kong, praticantes do Falun Gong exibiram faixas e cartazes exigindo que a perseguição ao Falun Gong acabasse, e que Jiang Zemin fosse levado à justiça.

O relatório também mencionou que recursos chineses podem ter se infiltrado em Hong Kong. A Associação do Falun Dafa de Hong Kong suspeita que o regime comunista chinês financiou grupos privados para perseguir e atacar publicamente os praticantes do Falun Gong em suas atividades.

Os praticantes ainda têm dificuldades em alugar espaços do governo ou instituições privadas para suas reuniões e eventos culturais.

Em julho de 2017, o Departamento de Imigração de Hong Kong negou a entrada no aeroporto de 43 praticantes do Falun Gong de Taiwan. De acordo com um relatório do Epoch Times, o Departamento deportou-os de volta para Taiwan sem dar uma razão.