Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Os benefícios do Falun Gong: Acadêmicos (Parte 2)

15 de Março de 2018 |   Por Zheng Xin

(Minghui.org) Quando o Falun Gong foi proibido na China, em 1999, dezenas de milhões de pessoas, de todas as esferas da sociedade, o praticavam. Neste artigo, destacamos as histórias de três professores, e de como eles mantiveram a sua fé ao longo de 19 anos de perseguição. Este artigo é continuação da Parte 1.

Professora da Universidade de Pequim parece muito mais jovem do que a sua idade

A Sra. Cao Shufen, professora da Universidade Normal, de Pequim, começou a praticar o Falun Gong em julho de 1994. Dois meses depois de iniciar a prática, ela já não precisou mais usar os óculos de leitura, de grau 3.0. A sua visão melhorou substancialmente em ambos os olhos e ela podia enxergar melhor do que a sua neta.

A professora Cao, que na época tinha 66 anos, experimentou outra mudança maravilhosa. As suas rugas faciais desapareceram não muito tempo depois que ela começou a praticar. A sua pele ficou lisa e o seu rosto brilhava. Embora os seus cabelos tenham ficado brancos, quando completou 87 anos ela ainda parecia a mesma de antes.

Assim como a professora Cao, a maioria das pessoas apresenta “vista cansada” (presbiopia) quando envelhece, mas depois de praticar Falun Gong por apenas dois meses, ela já não precisava mais dos óculos para ver de perto. A “vista cansada” é uma condição que a medicina atual não pode curar, mas não é incomum entre os praticantes de Falun Gong que os óculos de leitura não sejam mais necessários.

Muitos praticantes tiveram melhoras na visão depois de praticar o Falun Gong. Vários se recuperaram da miopia. Uma praticante de 60 anos começou a sentir a “vista cansada” já aos 40 anos. Ela já tinha passado por três pares de óculos, mas a sua visão voltou ao normal logo depois que começou a praticar o Falun Gong.

Professora e seu marido recuperam a saúde

A Sra. Wang Zhuhong, professora aposentada da Universidade de Eletrônica e Tecnologia, em Chengdu, Província de Sichuan, na China, vive atualmente em Boise, capital do estado de Idaho, nos EUA. Ela sofria de disenteria crônica, diarreia, reumatismo e dores no fígado, baço e estômago. No inverno, ela dormia mal devido às dores no braço.

Ela tomou vários medicamentos por mais de 20 anos. O seu marido, Sr. He Zhengquan, teve esquistossomose quando estava no ensino médio, causando inflamação no fígado e no baço. Em 1965, parte do fígado teve que ser removida devido a uma cirrose. O seu estado geral de saúde era precário, e a vida para o casal era difícil.

Felizmente, a Sra. Wang e o Sr. He começaram a praticar o Falun Gong em maio de 1996. As dores no fígado e os desmaios do Sr. He logo desapareceram. A Sra. Wang também recuperou a saúde. Eles seguiram os princípios do Falun Gong –Veracidade, Compaixão e Tolerância – e se esforçaram para se tornar pessoas melhores. Eles sentiram que a vida tinha um novo significado.

Depois que o Partido Comunista Chinês lançou a perseguição ao Falun Gong, em 20 de julho de 1999, a casa do casal foi invadida duas vezes. A Sra. Wang foi detida por 13 dias e forçada a passar por 160 dias de sessões de lavagem cerebral.

Relembrado o que lhe aconteceu, a Sra. Wang suspeita de ter sido envenenada duas vezes, no centro de lavagem cerebral. Pressionado pela Agência 6-10, o empregador do Sr. He foi forçado a demiti-lo.

Eventualmente, eles foram visitar a filha nos Estados Unidos. Embora tivessem que deixar o seu país, o casal decidiu ir morar lá e agora pode praticar o Falun Gong sem temer pela sua segurança pessoal.

Casal de professores aprende o significado da vida

A professora associada da Universidade de Jilin, Song Chaoxia, e seu marido, Wang Yuejian, antigo instrutor na mesma universidade, foram atraídos pelos princípios fundamentais do Falun Gong. Eles começaram a praticar quando eram jovens e saudáveis estudantes de pós-graduação e o Falun Gong era muito popular na China.

O Sr. Wang começou a praticar em abril de 1996, quando era estudante de pós-graduação em matemática, na Universidade Jilin. Ele assistiu a série de palestras do Mestre Li em vídeo e sentiu que as suas perguntas de uma vida inteira tinham sido respondidas. Ele ganhou uma nova visão de mundo e sentia que agora entendia por que os seres humanos sofrem e por que devemos dar pouca importância a questões como fama e o interesse próprio.

Na época, a Sra. Song fazia pós-graduação em biologia na Universidade Normal do Nordeste. A curiosidade da Sra. Song foi despertada ao notar que o Sr. Wang havia se tornado mais atencioso e com uma mente mais aberta depois de começar a praticar o Falun Gong. Isso fez com que ela também quisesse conhecer a prática.

Ela conversou com os praticantes em um local de exercícios em grupo e soube que o Falun Gong ensina as pessoas a viverem segundo os princípios da Veracidade, da Compaixão e da Tolerância, a “olhar para dentro” quando se está diante de conflitos, a melhorar o padrão moral e a ser altruísta.

Ela ficou impressionada em ver como o Falun Gong ensinava princípios tão elevados em um mundo onde o dinheiro e a riqueza material são tratados como as coisas mais importantes. Depois de estudar e refletir sobre isso por mais de um ano, ela começou a praticar o Falun Gong em julho de 1997.

Vendo as mudanças positivas no casal, as mães do Sr. Wang e da Sra. Song também começaram a aprender o Falun Gong, pouco tempo depois. A mãe do Sr. Wang sofria de asma e doença cardíaca por muitos anos. A mãe da Sra. Song também sofria de problemas cardíacos e de artrite reumatoide durante anos. Ambas sofriam muito. Pouco tempo depois de começarem a praticar o Falun Gong, em 1997, as doenças de ambas as mães desapareceram e elas se tornaram saudáveis.

Breve histórico

O Falun Gong foi trazido a público pela primeira vez em 1992. Em pouco tempo, quase 100 milhões de pessoas o praticavam, em toda a China, e experimentavam melhorias na saúde e no padrão moral. Jiang Zemin, então chefe do Partido Comunista Chinês (PCC), percebeu a popularidade crescente da disciplina espiritual como uma ameaça à ideologia ateísta do Partido e emitiu uma ordem para proibir o Falun Gong, em 20 de julho de 1999.

O site Minghui.org confirmou a morte de milhares de praticantes de Falun Gong ao longo dos últimos 18 anos de perseguição. Suspeita-se que o número real seja muito maior. Muitos outros foram aprisionados e torturados por sua fé. Há evidências de que PCC extrai os órgãos vitais de praticantes detidos para abastecer uma indústria de transplante de órgãos.

Sob a direção pessoal de Jiang Zemin, o PCC estabeleceu a “Agência 6-10”, uma organização da segurança, extralegal, com poder de se sobrepor ao sistema judiciário e à polícia, e cuja função exclusiva é conduzir a perseguição ao Falun Gong.