Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Fahui da China | Elevando-me no cultivo após superar as tribulações

17 de Novembro de 2018 |   Por uma praticante do Falun Dafa na China

(Minghui.org) Comecei a praticar o Falun Dafa em janeiro de 1999. Seis meses depois, o regime comunista lançou a perseguição nacional. Como muitos outros praticantes, eu me recusei a desistir da minha fé e me esforcei ao máximo para esclarecer a verdade sobre o Dafa.

Nos últimos 19 anos, fiquei feliz quando melhorei meu caminho de cultivo e fiquei triste quando não passei nos testes. Fui presa duas vezes por causa de brechas que foram aproveitadas pelas velhas forças. Mas através do cultivo sólido e livrando-me de meus apegos humanos, eu testemunhei o poder do Fa e elevei meu xinxing quando sofri tortura.

O poder de recitar o Fa

Pouco antes do 16º Congresso do regime comunista, fui presa em setembro de 2002 e levada a um centro de “lavagem cerebral” onde fiquei dois meses detida.

No centro de lavagem cerebral, eu continuava recitando o Fa, sem parar. Não olhei nem escutei os vídeos de propaganda do partido na televisão. Quando a equipe falou comigo, fechei meus olhos e continuei a recitar o Fa em meu coração. Eu vi que cada palavra do Fa que eu recitava se transformava em um agrupamento de matéria de alta energia, que me cercava e se tornava um escudo para me proteger. Nada do que foi dito me afetou.

Os perseguidores partiram frustrados. O Mestre me encorajou, deixando-me me ver que eu estava sentada no topo de uma montanha de fogo, e meu corpo-Buda estava sendo temperado. Foi exatamente como o Mestre disse no poema “O difícil caminho à divindade”:

"Em meio a tribulações o corpo de ouro é forjado" (Hong Yin II)

Eu fui libertada dois meses depois....

Mantendo pensamentos retos durante três anos de prisão

Fui presa novamente um ano depois. A polícia me interrogou e não me deixou dormir por seis dias. Eu não disse nada, mas protestei em greve de fome.

Um oficial me ameaçou: “Se você não fornecer informações sobre outros praticantes, levarei você a um lugar secreto à noite que destruirá seus nervos. Naquele momento, mesmo se dermos a você o livro Zhuan Falun, você não saberá o que é. Nós também vamos dizer ao seu marido para se divorciar de você. Quando for libertada da prisão, você será uma idosa e seu filho não a reconhecerá”.

Fiquei horrorizada e sabia que não havia nada que eles não fizessem. Eu experimentei uma grande pressão mental. Mas também sabia muito claramente que não deveria trair os colegas praticantes.

Eu disse ao Mestre em meu coração: “Mestre, eu não posso dar informação dos outros praticantes para essas pessoas más. Pelo menos eu ainda tenho uma mente clara neste momento, por favor me ajude a prolongar este momento mais”.

Seis dias depois, decidi gritar: “Falun Dafa Hao” e “Zhen-Shan-Ren Hao”, para que mais pessoas soubessem sobre mim e não pudessem facilmente me fazer desaparecer.

Os guardas me levaram para o hospital, amarraram-me a uma cama e me alimentaram à força. Embora eu não pudesse mover meu corpo, eu possuía minha mente. Eu comecei a recitar o Fa novamente. Quando mergulhei no Fa, a dor intensa foi mais fácil de suportar. Duas semanas depois de minha greve de fome, o chefe do centro de detenção pediu aos guardas que parassem de me privar do sono e permitiu que eu fizesse os exercícios do Falun Dafa.

Fui condenada a uma pena de três anos vários meses depois. Como me recusei a renunciar à minha fé e insisti em fazer os exercícios, os guardas me algemaram, amarraram-me e encharcaram-me com água imunda durante dias.

Pouco antes de ser solta, os guardas da prisão perseguiram meu marido e o obrigaram a se divorciar de mim. Uma família que era feliz foi dilacerada. Isso foi um grande choque para mim. Mas, com uma forte crença no Mestre e a recitação contínua do Fa, meus pensamentos retos foram fortalecidos e eu passei por esse período sombrio.

Esclarecendo os fatos para minha família

Voltei para a casa dos meus pais depois que fui libertada em 2006. Os meus pais sentiram que eu desonrei nossa família por causa da minha prisão e do divórcio. Enquanto isso, os agentes locais da Agência 6-10 espalharam rumores contra mim em minha cidade natal, dizendo que eu abandonei minha família e estava interessada apenas no Falun Dafa. Muitos moradores achavam que eu enlouqueci e me evitaram quando me viram na rua.

Passei muito tempo estudando o Fa para fortalecer meus pensamentos retos. Eu disse aos meus pais: "Eu não fiz nada de errado e sou perseguida pelo regime comunista apenas porque queria ser uma boa pessoa".

Eu fiz muitas tarefas domésticas para os meus pais. Eles também ficaram comovidos pela minha abertura e atitude positiva. Sem o meu pedido, meu pai me disse que queria renunciar ao regime comunista e às suas organizações juvenis.

Eu encontrei um emprego no final de 2006 e segui os princípios do Dafa da Verdade-Compaixão-Tolerância no meu trabalho diário. O departamento que eu gerenciei ganhou um prêmio da empresa. Conversei com muitos colegas sobre o Dafa e mais de 170 pessoas deixaram o partido. Depois que saia do trabalho, distribuía materiais informativos do Dafa pela cidade.

Um vizinho disse à minha mãe: “Por que você não fica de olho na sua filha, ela simplesmente não vai mudar, apesar de ter sido presa por praticar o Falun Dafa. Ela está conversando com todos nós sobre isso quando nos vê."

Minha mãe respondeu: “Minha filha não causou mal a ninguém, o que há de errado em ser uma boa pessoa?” O vizinho saiu sem dizer qualquer palavra.

Depois disso, minha mãe me ajudou a proteger os livros do Falun Dafa e os materiais de esclarecimento da verdade várias vezes.

Ela foi diagnosticada com câncer, mas não sofreu muito e viveu mais sete anos a mais da estimativa do médico.

Em seus últimos dias, ela me perguntou como é o céu. Eu toquei o DVD do show do Shen Yun para ela. “O céu é tão lindo. Eu estou indo para lá”, ela disse. Depois que ela faleceu, um membro da família, cujo olho celestial estava aberto, disse que minha mãe subiu ao céu sentada em uma flor de lótus.

Com o meu contínuo esclarecimento da verdade, a maioria das pessoas em minha cidade natal mudou sua atitude em relação a mim, e mais e mais pessoas abandonaram o partido.

Eu me casei com um praticante depois de dois anos. Nós cooperamos bem uns com o outro e produzimos materiais do Dafa e os distribuímos.

Presa novamente por causa de brechas

Eu fui presa pela terceira vez na primavera de 2012. Eu tive um sonho três meses antes de ser presa: o Mestre estava dirigindo um trem, avançando a uma velocidade incrivelmente rápida. Eu estava sentada no trem e fazendo um teste. Eu respondi a muitas respostas certas. Mas havia dois buracos negros na primeira página das perguntas e eu simplesmente não conseguia respondê-las. Um homem correu atrás de mim e disse: “Como ela pode validar o Fa?”

Vários dias depois, tive outro sonho. O homem apareceu novamente. Ele estava chorando e sentado no chão. “Fui ao departamento educacional para registrar uma queixa contra você. Mas seu Mestre é o diretor do escritório, e ele toma a decisão. Eu não pude fazer nada contra você”.

Depois de um tempo, o praticante que tinha contato frequente comigo foi preso e divulgou minhas informações para a polícia.

Três dias antes de ser preso, vi um grupo de seres divinos do velho universo vindo me ver. Sua liderança estava vestida como oficiais dos tempos antigos. Com um pedaço de papel em uma mão, sua outra mão estava lançando partículas escuras em mim, cada partícula estava cheia de seres malignos. Eu não conseguia mexer meu corpo. Então eu gritei: “Sou discípula do Mestre Li Hongzhi. Eu não reconheço outros arranjos forçados em mim, nenhum deles!” Eu escapei.

Depois que meu marido e eu fomos presos, eu tive o mesmo sonho sobre o teste todas as noites. Como não consegui responder às perguntas cobertas com os dois buracos negros, o Mestre preencheu-a com tinta vermelha. Eu entendi que o Mestre estava suportando as tribulações por mim. Eu disse ao Mestre em meu coração: “Mestre, tenho que responder a estas perguntas”.

O Mestre disse:

"Não se entristeça

Seu corpo reside na prisão – não fique infeliz, não fique triste

Com pensamentos retos e ações retas o Fa está presente
Reflita calmamente sobre quantos apegos você tem
Conforme você se livra do coração humano, o mal é naturalmente derrotado” (Hong Yin II)

Eu me acalmei e comecei a examinar meu caminho de cultivo dos últimos anos, para descobrir o que exatamente deu errado?

Depois que fui libertada da prisão e me divorciei, muitas vezes tive uma amarga sensação de desamparo e solidão. Eu queria ter uma casa própria. Então peguei dinheiro emprestado de colegas e comprei um apartamento. Depois que me casei novamente, pagamos a dívida, vendemos o apartamento e compramos uma casa maior. Eu estava complacente e me senti feliz.

Temendo a perseguição, comprei a casa com o nome do meu parente. Apesar do Mestre me lembrar dos meus apegos ao conforto e de uma vida boa, não levei a sério, mas continuei a me entregar à efêmera felicidade humana, até que fui novamente presa.

A estação de rádio de esclarecimento da verdade no centro de detenção

Recusei-me a seguir quaisquer regras no centro de detenção, mas conversei com as guardas e detentas sobre o Dafa e as convenci a abandonar o regime comunista. Uma dúzia de detentas aprendeu comigo a meditação sentada e praticamos juntas todas as noites. Surpreendentemente, nove delas tiveram seus olhos celestiais abertos. A cela estava cheia de harmonia e paz.

Depois que as guardas descobriram isso, elas pressionaram cada uma e ameaçaram aumentar sua sentença de prisão se continuassem a aprender o Falun Dafa de mim. Mas, tendo entendido completamente os fatos, seus corações estavam com o Dafa. Elas se recusaram a ouvir as guardas e escreveram “Falun Dafa hao” na parede da cela e nos produtos do trabalho escravo que elas fizeram no centro de detenção. As guardas as levaram para outras celas e ordenaram que outras detentas as monitorassem.

Senti-me triste por elas terem sido pressionadas pouco depois de terem aprendido o Fa. Eu sabia que elas eram seres sencientes arranjados pelo Mestre para reconectar seus laços cármicos com o Dafa e eu não podia deixar este vínculo ser cortado.

Não havia nada que eu pudesse fazer para ajudá-las, senão cantar canções do Dafa para elas. Eu nunca fui uma boa cantora, mas tive que fazer isso, já que era a minha única opção naquele momento. Acabou que meu canto foi muito bem recebido. Eu ganhei confiança.

Inspirada pelo sucesso inesperado, comecei a usar este método para esclarecer os fatos a outras detentas durante o período de descanso todos os dias. Enrolei um pedaço de papel em um microfone e disse: "A transmissão da estação de rádio de esclarecimento da verdade do Falun Dafa começa agora". Eu falei sobre os Nove Comentários sobre o Partido Comunista, do Dissolver a Cultura do Partido e contei histórias sobre a cultura divina da China. O último programa foi o momento do karaokê, no qual as detentas podiam me pedir para cantar qualquer música do Dafa que elas gostassem.

Minha “estação de rádio” se tornou muito popular entre as detentas em todas as nove alas. As companheiras praticantes de outras celas também me ajudaram e muitas vezes cantamos juntas. As guardas ouviram todas as transmissões e não me interromperam. Uma das guardas começou a admirar Dafa e derramou lágrimas diante de nós. Muitas detidas tornaram-se sinceras e concordaram em renunciar ao partido comunista e às suas organizações juvenis.

Eu estava no meio de uma transmissão ao vivo quando o diretor do centro de detenção apareceu. Todo mundo estava olhando para mim. Eu não parei e continuei meu programa. Para nossa surpresa, o diretor me disse: “Você não está com sede depois de ter conversado por tanto tempo em um dia tão quente? Você deveria fazer uma pausa”. Então ele saiu sem fazer mais comentários.

Realmente olhando para dentro e me elevando

Eu fui transferida do centro de detenção para uma prisão e fiquei em confinamento solitário depois de ser sentenciada a uma pena de quatro anos.

O Mestre disse:

“Seja o que for que experimentem durante o cultivo – seja bom ou mau – é bom, já que isto somente ocorre porque vocês estão cultivando.” (“Ao Fahui de Chicago”, Essenciais para Avanço Adicional III)

Detida no quarto escuro sozinha, lembrei-me do que o Mestre disse:

“No passado, uma pessoa que cultivava dessa forma subia por uma corda até uma dessas cavernas, cortava a corda e começava a cultivar dentro dela. Se fracassasse no cultivo, ela morreria lá dentro, pois não havia nem água nem comida. Era nesse ambiente muito particular que esse método especial de cultivo era utilizado.”(Oitava Palestra, Zhuan Falun)

Percebi que estava ignorando meus apegos humanos e não os cultivava. Minha brecha foi aproveitada pelo mal, que me colocou em isolamento na pequena sala escura. As seis detentas designadas para me monitorar se tornaram minhas companheiras. Tudo estava no lugar para eu cultivar.

Com a orientação do Fa, tratei a todos com gentileza e compaixão, independentemente de como me trataram. Comparado com aqueles que se cultivavam nas cavernas, sou muito mais afortunada, porque estou cultivando o grande Fa do universo.

Purgando noções pós-natais

O Mestre disse:

“Uma vez que os Três Reinos são reversos, os princípios dos humanos também são um entendimento reverso se comparados com os princípios corretos do Fa do cosmos.” (“Dafa abrange tudo”, Essenciais para Avanço Adicional II)

Eu entendi que todas as noções que formamos neste mundo humano são entendimentos invertidos, e não estão alinhados com a verdade real do universo.

O Mestre também disse:

“Por exemplo: uma garrafa cheia de coisas sujas e bem tampada, ao ser jogada na água, afunda imediatamente. Você vai removendo as coisas sujas que estão dentro, e quanto mais as remove, mais a garrafa sobe, e quando você a esvazia completamente, a garrafa sobe até a superfície da água e flutua completamente.” (Primeira Palestra, Zhuan Falun)

A minha mente era como uma garrafa, e agora eu precisava limpar as coisas imundas dentro dela. Todos os dias, depois que eu acordava, eu enviava pensamentos retos para eliminar meu pensamento humano e sentimentalismo, basicamente qualquer coisa que pudesse me mover.

Eu tive um forte sentimento de depressão e medo naquela prisão infernal. Percebi que o medo vinha de minhas noções pós-natais sobre a prisão. Então eu enviei pensamentos retos para eliminar minhas noções adquiridas sobre prisões e pude ver que a substância associada a essa noção foi dissolvida na minha mente. E então minha depressão e medo desapareceram.

Quando me recusei a usar o uniforme da prisão, os guardas não me permitiram tomar banho ou trocar de roupa por três meses, apesar de estar um verão quente. Então, trabalhei em minha mente para eliminar o apego de ter medo do calor. No inverno, trabalhei para livrar meu apego de não gostar do frio e também da busca pelo conforto. Quando eu encontrava algum desejo ou sentimentalismo humano, trabalhei neles para libertar minha mente.

Um grupo de guardas chegou, carregando bastões elétricos. Eles me amarraram, me empurraram para o chão e começaram a eletrocutar as minhas mãos. Eu não senti nenhuma dor dessa vez. Eu sabia que o Mestre estava me protegendo.

As guardas deixaram meu corpo amarrado e minhas mãos algemadas atrás das costas por dias. A dor era excruciante. Eu disse ao Mestre em meu coração: “Mestre, eu sei que esses sentimentos são meu carma, não eu mesma. Eu sou capaz de distinguir isso”.

Eu fechei meus olhos, enviei pensamentos retos para eliminar todos os sentimentos dolorosos em minha mente, até mesmo a noção de que eu fui perseguida pelas velhas forças se foi. Eu apenas me lembrava dos princípios sobre transformação de carma e cultivo de xinxing ensinados no Zhuan Falun.

Eu comecei a sorrir. A pressão e a dor desapareceram. Depois de ver que este método não funcionou em mim, os guardas afrouxaram as algemas e cordas 15 dias depois.

As guardas tentaram identificar minha fraqueza para me atacar através de testes psicológicos, mas falharam. O que elas não sabiam era que eu estava cultivando e me livrando de apegos baseada no Fa. Quando elas atacaram certos apegos em mim, eu já tinha começado a trabalhar nisso. Suas tentativas de me perseguir acabaram sendo passos para eu me elevar.

O Mestre também estava comigo, me protegendo e me encorajando. Eu verdadeiramente experimentei a profunda sabedoria do Dafa. Eu sabia, desde que eu seguisse o Mestre de perto, o mal não seria capaz de fazer nada para mim.

Esclarecendo os fatos e salvando seres conscientes

Quando os guardas vieram até mim, esclareci os fatos para eles. O Mestre me deu sabedoria para inspirá-los a serem gentis. Eu tratei cada um deles com compaixão e os acalentei.

Eu tive um sonho onde eu estava no centro de um palco, cercada por seres malignos. Eu estava cantando com uma voz celestial. O mal continuou me atacando na cabeça com uma espada negra. Porém, cada ataque era transformado na minha energia, por um mecanismo de rotação instalado pelo Mestre fora do meu corpo. O campo de energia ao meu redor continuava crescendo. Sentados na galeria estavam seres conscientes assistindo a esta batalha emocionante entre a retidão e a maldade.

Eu entendi que o Mestre havia me concedido a responsabilidade de salvar seres conscientes. Porém, estando trancada naquela pequena sala escura, sem qualquer liberdade, o que eu poderia fazer para salvá-los?

Eu pensei em cantar e gritar mensagens. Então eu comecei a gritar “Falun Dafa hao” e “Zhen-Shan-Ren hao”, assim como cantar canções do Dafa.

Meus cânticos foram repetidos por colegas praticantes detidos em outras celas. Todos os dias, depois que acordávamos, começávamos a gritar “Falun Dafa hao”. Pude ver que nossas vozes estavam eliminando o mal em outras dimensões e nos ajudando a salvar as pessoas.

Um dia, um grupo de guardas veio até mim com algemas e bastões elétricos. Eu tive medo desta vez. Eu me perguntei por que eu tinha medo de bastões elétricos, mas não de facas. Eu achava que ainda tinha a noção de medo associada aos bastões elétricos. Enviei pensamentos retos e meu medo foi eliminado quase imediatamente. Quando viram que eu não tinha medo deles, os guardas se viraram e foram embora.

Em outro dia, a guarda ordenou aos presos que me levassem para fora da solitária e me jogassem no corredor. Ela balançou o bastão no ar e gritou para mim: "Eu te desafio a gritar para todas as celas aqui!"

Levantei-me e fui para a primeira cela. Uma colega praticante estava nela. Ela parecia horrorizada, olhando para mim. Eu disse às pessoas naquela cela, com paz e sinceridade: “Eu sou uma praticante do Falun Dafa. Eu me cultivo com base nos princípios Verdade, Compaixão e Tolerância. Eu não tenho ódio nem ressentimento de qualquer pessoa. Mas eu não concordo com o regime comunista sobre a perseguição. Espero que cada um de vocês possa entender os fatos, abandonar o regime comunista e ter um futuro brilhante”.

Então eu fui para a próxima cela e repeti o que acabei de dizer. A guarda me parou quando eu estava na quinta cela e ordenou aos detentos que me levassem de volta.

Durante o Ano Novo Chinês, eu gritei saudações ao Mestre. Uma policial me arrastou para seu escritório e, enquanto me xingava, ela me eletrocutou com um bastão elétrico na minha boca. Parecia que uma cobra venenosa estava mordendo meu rosto. Eu não tinha raiva. Olhei em seus olhos e disse: “Por que você está tão zangada hoje de manhã? Apenas se acalme e faça uma pausa.

Ela parou os choques. Mas então ela tirou minha blusa de frio e me deixou no corredor, onde não havia aquecimento. Ela queria que eu congelasse. Cumprimentei todos que passavam com um sorriso e pedi que lembrassem que o "Falun Dafa é bom".

Fui deixada no corredor por dois dias antes que a guarda me dissesse para voltar para minha cela. Na verdade, eles sempre me carregavam ou me arrastavam para algum lugar porque eu nunca cooperava com as ordens deles. Eu disse a guarda: “Eu poderia andar sozinha desta vez. Mas vou cantar músicas do Dafa enquanto ando. Muitos dos meus colegas praticantes sabiam que você me arrastou para fora da minha cela. Quando eu canto, permito que eles saibam que estou sã e salva”. Ela concordou dessa vez.

O Mestre disse:

“O Fa retifica o cosmos

A misericórdia pode fundir Céu e Terra à primavera
Pensamentos retos podem salvar as pessoas no mundo” (Hong Yin II)

A minha felicidade e otimismo cultivadas através do Dafa influenciaram as detentas à minha volta. Alguns deixaram o regime comunista, alguns me disseram que elas estavam recitando “Falun Dafa é bom” em seus corações, e alguns me disseram que os guardas disseram muitas boas palavras sobre mim na frente deles.

O último teste na prisão

Seis meses antes de ser solta, tive um sonho em que o Mestre me olhou com expectativas e preocupações. Havia também outros sentimentos que não consegui descrever. Então um grupo de pessoas veio, me empurrou para o chão e começou a me bater. Eu entendi que eu tinha muitas dívidas históricas para pagar e o Mestre estava preocupado se eu poderia passar nesse teste.

Alguns dias depois, a Agência 6-10 local ordenou que a prisão "transformasse" todos os praticantes do Dafa. Aqueles que permaneceram firmes em sua fé foram arrastados para a sala de tortura um após o outro. Então ouvimos gritos horríveis. Logo depois disso, ouvi que a maioria dos praticantes foi forçada a renunciar ao Dafa. Um praticante foi torturado até a morte.

Quando me torturaram, a dor foi excruciante. Eu senti de novo e de novo que eu tinha atingido meu limite. Eu não tinha forças para me recompor ou mesmo olhar para dentro.

Dia após dia, meu medo e ressentimento aumentaram. De repente, percebi que todas as torturas e perseguições que eu havia sofrido antes não eram nada comparadas com o teste de vida e morte na minha frente.

Eu não tinha como olhar para trás. A única maneira era me entregar completamente ao Fa. Lembrei-me do caminho de cultivo que segui e da dolorosa salvação do Mestre. Não importava como meu corpo humano sofresse, eu estava eliminando meu carma e caminhando para a divindade. Eu não podia deixar meu corpo divino se dissolver sob a pele humana. Eu não podia deixar minha própria fraqueza destruir os incontáveis seres sencientes que colocaram todas as suas esperanças em mim.

Eu me decidi que não importa o que ocorresse, eu não irei concordar com o mal. Eu continuei repetindo “Falun Dafa é bom” em minha mente. Em meio ao sofrimento, pude sentir grandes pedaços de carma sendo removidos de mim.

Depois que fui levada de volta para a minha solitária à noite, belisquei-me para evitar que caísse no sono. Eu continuei recitando o Fa e eliminei qualquer pensamento que não estivesse alinhado com o Fa. Lembrei-me desse sonho e tive uma compreensão mais profunda dos relacionamentos cármicos. Não importa o que ocorresse, eu não deveria desenvolver qualquer ódio contra os perseguidores.

O Mestre também me deu uma dica para fortalecer meus pensamentos retos. Senti energia positiva me cercando e o mal não podia nem chegar perto.

Todos os dias, os guardas esperavam que eu renunciasse à minha fé. Toda vez que eu os via depois que os detentos acabavam de me torturar e me levavam de volta para minha cela, olhava calmamente para os guardas e sorria.

O Mestre disse:

“No budismo, é dito que todo fenômeno na sociedade humana é ilusório e irreal.” (Segunda Palestra, Zhuan Falun)

"Tendo ouvido o Tao de manhã, a pessoa pode morrer à noite." (“Funda-se para dentro do Fa”, Essenciais para Avanço Adicional)

Não importa o quão brutal seja a perseguição, ainda estou cultivando o Dafa: sou a pessoa mais feliz do mundo.

Após seis meses de torturas inimagináveis, não entrei em colapso. Eu não concordei com a perseguição, pelo contrário, tornei-me cada vez mais madura no meu cultivo. Eu experimentei profundamente que o cultivo é o que existe de mais sério. E há um padrão para nós discípulos do Dafa. O padrão é sólido, não vai mudar, não importa em que ambiente estejamos.

Quando minha família veio para me levar para casa da prisão, meu corpo estava muito fraco e meu cabelo estava grisalho, mas meu coração estava cheio de brilho, paz e compaixão.

Nenhuma palavra pode descrever quão incrível é o Mestre e o Fa. Sou profundamente grata por tudo que o Mestre fez para me salvar. Meu caminho de cultivo também prova que não importa quão difícil seja a situação, desde que realmente acreditemos e nos cultivemos baseados no Fa, haverá um caminho.