Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Fahui da China | Esclarecendo os fatos através de processos civis

10 de Novembro de 2018 |   Por um praticante do Falun Gong na China

(Minghui.org) [ouça esta experiência]

Saudações, Mestre! Saudações, colegas praticantes!

Durante meus 20 anos de cultivo no Falun Gong, me beneficiei enormemente dos artigos publicados no site do Minghui. Durante este Fahui da China, espero compartilhar minhas experiências de como eu neguei a perseguição apresentando processos civis para recuperar meu emprego depois que eu fui ilegalmente demitido de minha posição.

Agência 6-10 foi responsável pela minha demissão

Comecei a praticar o Falun Gong em maio de 1998 por recomendação de um colega. Meu coração se partiu quando o regime comunista iniciou a perseguição ao Falun Gong em julho de 1999. Acredito que não fizemos nada de errado em praticar o Falun Gong e seguir os princípios Verdade, Compaixão e Tolerância. Fui a Pequim apelar pelo direito de praticar o Falun Gong e fui preso e detido por 15 dias.

Escrevi cartas abertas ao governo local para apelar por justiça para o Falun Gong depois que fui libertado. A Agência 6-10 pressionou meu local de trabalho a me demitir. Decidi me mudar para outra cidade e encontrar um novo emprego, mas fui proibido pela polícia de sair da cidade.


Quando finalmente consegui encontrar outro emprego que correspondesse às minhas qualificações, fui preso por um funcionário da Agência 610 e levado para um centro de “lavagem cerebral”. Eles confiscaram meu celular e não permitiram que eu ligasse para o meu gerente. Assim perdi meu emprego novamente.

Tomando uma atitude

O desemprego forçado tornou a minha vida muito difícil, especialmente porque meu trabalho era o ganha-pão dos meus pais idosos e das crianças. Entrei em contato com meu local de trabalho original e exigi meu emprego de volta, mas não recebi uma resposta.

Eu achava que, como minhas solicitações verbais não traziam nenhum resultado, eu deveria enviar um pedido formal por escrito. Se eu não fosse novamente readmitido, eu poderia recorrer a ações judiciais e aproveitar essa oportunidade para informar mais pessoas sobre a perseguição.

Decidi não ficar calado sobre a perseguição. Eu era da opinião de que, se eu ficasse calado e não tomasse nenhuma ação concreta, eu estaria reconhecendo a perseguição. Além disso, acredito que aqueles que participaram da perseguição também devem assumir a responsabilidade.

Processos judiciais também me proporcionariam a oportunidade de conversar com oficiais do governo e funcionários dos tribunais e da procuradoria sobre o Falun Gong. Estas são pessoas profundamente influenciadas pela propaganda do regime comunista contra o Falun Gong, mas difíceis de alcançar em circunstâncias normais.

Ficou muito claro que precisávamos abrir a mente dessas pessoas. Andar por esse caminho não seria fácil, mas eu sempre considerei isso no fundo da minha mente. Lembrei-me de não me apegar aos resultados, mas concentrar-me realmente no processo e cultivar minha compaixão por todas as pessoas que encontraria.

Eu compartilhei meus pensamentos com os colegas praticantes. Eles me apoiaram e enviaram pensamentos retos para mim.

Depois que a perseguição foi iniciada, em julho de 1999, comecei a coletar materiais para abrir processos no futuro. Eu não sabia nada sobre procedimentos legais, pois ninguém que eu conhecia era um especialista nesse aspecto. Além disso, outros praticantes já estavam envolvidos em outros projetos, então eu tive que encontrar um caminho.

Estudando leis relevantes

Eu encontrei muitos materiais introdutórios sobre processos civis e comecei a aprender. Eu usei a internet para aprender o que eu precisava, e consultei advogados de vários escritórios de advocacia quando não conseguia encontrar uma resposta. Além disso, enquanto preparava os materiais, o Mestre dava dicas de como eu poderia melhorar meu conhecimento.

Eu acredito que os materiais precisam mostrar a compaixão e bondade dos praticantes do Falun Gong quando esclarecemos os fatos para quem os ler. Eu falei sobre a melhoria da minha saúde e caráter depois que comecei a prática. Eu escrevi que minha família se dava melhor, e eu tinha um relacionamento melhor com meus colegas de trabalho. Então, falei que a prática do Falun Gong é nosso direito constitucionalmente protegido, e que não fizemos nada de errado ou causamos danos à sociedade por praticar a nossa crença. Revisei cuidadosamente cada documento e tentei maximizar seu efeito de esclarecimento da verdade.

Primeira tentativa de recuperar meu emprego

Depois de preparar alguns materiais iniciais, voltei ao meu antigo local de trabalho e distribuí cópias para a equipe de liderança. Em seguida, entreguei meus documentos de apelação a todos, incluindo outros gerentes, meus ex-colegas, o escritório local de petições e o governo da cidade. Pedi a ajuda deles para fazer avançar o meu apelo. Então, eu acompanhei o andamento depois que eu enviei os materiais.

Depois que a segurança no meu local de trabalho me impediu de entrar no prédio, fiquei na entrada e protestei, então mais pessoas ouviram sobre o meu caso. Logo depois, eles nomearam um gerente para falar comigo e aceitaram os materiais de mim.

Alguns meses depois, no entanto, meu local de trabalho me disse que eles decidiram não me recontratar e recomendaram que eu seguisse o caminho legal. Eu acreditava que esta era uma nova oportunidade para mais pessoas ouvissem os fatos.

Usando arbitragem trabalhista

Entendendo que a maioria dos funcionários do governo e do tribunal haviam sido profundamente influenciados pela propaganda negativa da mídia sobre o Falun Gong, decidi não me apressar. Eu solicitaria uma arbitragem trabalhista antes de entrar com a ação.

No entanto, como eu não havia esclarecido completamente os fatos para os funcionários do escritório de arbitragem, meu caso foi rejeitado pouco depois de eu entrar em contato com eles. Disseram-me que eu poderia recorrer aos tribunais depois de 15 dias se eu não concordasse com a decisão deles.

Eu tive dois sonhos naquela noite. No primeiro sonho, me disseram que muito trabalho ainda precisava ser feito e que haveria várias pessoas se juntando e me ajudando. No segundo sonho, tive a insinuação de que haveria duas rodadas de processos, mas eu não tinha certeza do que isso significava.

Arquivando um processo legal

O processo que apresentei ao tribunal estava bem preparado. Eu expliquei minha situação mais claramente. Eu me lembrei de permanecer racional e, contanto que eles aceitassem o meu caso, eu estaria progredindo.

Pouco depois de entrar com a ação, meu antigo local de trabalho se ofereceu para resolver o caso em particular e me pediu para retirar minha ação. Eu consultei um funcionário do tribunal e fui aconselhado a não desistir do caso até chegar a um acordo com eles. Depois que eu disse ao meu antigo local de trabalho que iria prosseguir com o processo, eles não mencionaram mais o acordo.

Depois que meu caso foi aceito pelo tribunal, encontrei uma advogada local para me representar. Ela disse que, enquanto o tribunal aceitasse o caso, ela estaria disposta a me representar. Em seguida, ela foi à Agência 6-10 local, ao Departamento de Justiça e ao meu anterior local de trabalho para exigir documentos legais sobre a perseguição e sua decisão de demitir-me, mas informaram a ela que eram documentos confidenciais.

Além da advogada local, também contratei um advogado de Pequim para me representar.

Enquanto aguardava o julgamento, entreguei mais cópias do meu processo aos meus amigos e ex-colegas do trabalho para informá-los sobre a perseguição e pedi conselhos sobre o que poderia ser melhorado.

Muitas pessoas me perguntaram, com a perseguição ainda em andamento, se eu tinha medo de afetar a admissão da minha filha na faculdade ou suas chances de estudar no exterior. Eu lhes disse que só quero ser uma boa pessoa e seguir os princípios Verdade, Compaixão, Tolerância, e foi o governo e meu local de trabalho que me impediram de ganhar a vida. Eu estava apenas lutando pelos meus direitos de uma maneira pacífica.

Na verdade, descobri que minha filha recebeu uma bolsa integral e foi admitida em sua faculdade de sonhos. Eu não precisava me preocupar com a mensalidade dela. O Mestre havia providenciado tudo. Minha filha me apoia na prática do Falun Gong e na apresentação do processo para pedir meu emprego de volta, então ela recebeu bênçãos por seu apoio justo. Eu sabia que o Mestre também estava me incentivando e me ajudando.

As velhas forças tentaram interferir comigo e fizeram meu rosto encher de bolhas antes do julgamento, mas eu não me incomodei com isso e fiz tudo como de costume. As bolhas logo desapareceram.

Pouco antes do julgamento, as velhas forças lançaram outro ataque e eu estava fraco demais para ficar de pé. Eu entrei em contato com os praticantes. Depois que eles enviaram pensamentos retos para mim, a tribulação foi dissolvida e eu me recuperei.

O julgamento teve um impacto enorme no governo local, já que era a primeira vez que um praticante do Falun Gong era o demandante, junto a um advogado de Pequim que me representava.

Muitos praticantes enviaram pensamentos retos e o advogado de Pequim fez uma defesa poderosa. O juiz presidente mostrou algum apoio após o julgamento: o efeito foi muito melhor do que eu esperava.

Mas por causa da pressão do governo de nível superior e da Agência 6-10, o juiz não pôde decidir a meu favor. Perdi o caso e fui instruído a recorrer ao tribunal intermediário em 15 dias.

Esta foi outra oportunidade para esclarecer os fatos.

Um amigo meu contou que um de seus parentes trabalhava para o departamento de polícia da província. Até eles ouviram falar do meu caso. Eles disseram ao tribunal intermediário que não podiam decidir ao meu favor.

Ao trabalhar no meu primeiro processo, experimentei gentileza daqueles com quem entrei em contato. Eu acreditava que eles haviam feito a escolha certa.

Enquanto eu preparava meu material de apelação, os funcionários do tribunal me ajudaram a obter uma cópia da evidência fabricada do meu local antigo de trabalho, e o tribunal não usou nenhuma linguagem áspera para atacar o Falun Gong no veredicto final.

Eu realmente senti que o Mestre havia feito todo o arranjo e que era apenas uma questão de eu percorrer o caminho. Depois do julgamento no tribunal, tive pensamentos retos mais fortes e esqueci da perseguição. Eu entendi que eu estava realmente abrindo suas mentes sobre a perseguição. Quando eu adquiri o entendimento correto das coisas que eu estava fazendo, o caminho se tornou mais fácil para mim.

Recurso para o tribunal intermediário

Com a ajuda do Mestre, coloquei meus documentos de apelação em pouco tempo e os enviei ao tribunal intermediário.

Depois que o meu caso foi aceito, fui ao tribunal para pedir atualizações. Conversei com o presidente do tribunal intermediário e com os membros do comitê de disciplina. No processo, encontrei muitos peticionários que persistiram durante a última década para buscar justiça para seu próprio sofrimento. Alguns deles estavam em seus 80 anos. Sua persistência me inspirou. Eu também falei sobre o Falun Gong e sobre a perseguição para eles.

Enquanto aguardava o julgamento no tribunal intermediário, o meu local de trabalho anterior ofereceu-se para resolver o caso comigo e pediu-me que retirasse o meu recurso. Desta vez, eles me deram uma oferta específica. Não me opus ao acordo, mas esperava ver tudo pronto antes de retirar meu recurso. Eu novamente não ouvi nada deles depois.

Na verdade, eu não esperava fechar o caso e receber o acordo tão cedo, pois ainda queria usar essas oportunidades para esclarecer os fatos a mais autoridades.

Os funcionários da Agência 6-10 exigiram que eu retirasse o meu caso. Eles colocaram vários policiais do lado de fora do meu prédio. Liguei para o advogado em Pequim para pedir seu conselho. Ele suspeitou que eles estavam tentando me prender, e ele me pediu para sair de casa e me esconder.

Achei que, se eu fugisse, não seria capaz de comparecer ao julgamento e continuar meus esforços para esclarecer os fatos por meio do processo. Vaguear também causaria muitos problemas para o meu cultivo. Eu decidi ficar e enfrentar a polícia.

Os funcionários da Agência 6-10 ficaram uma semana fora do meu prédio. Eu não saí, mas fiquei em casa, estudei o Fa e enviei pensamentos retos. Pedi ao Mestre que me fortalecesse e me ajudasse a eliminar o mal por trás dos agentes. Eles finalmente saíram depois de uma semana.

O julgamento aberto no tribunal intermediário acabou por ser um julgamento que seguiu o mesmo curso de antes. Até o juiz presidente foi mudado algumas vezes. Eles rejeitaram o meu caso, mas não forneceram o veredicto até vários meses depois, e somente após meus repetidos pedidos.

Exigindo novo julgamento no Supremo Tribunal

Depois que meu recurso foi rejeitado pelo tribunal intermediário, pedi um novo julgamento no tribunal superior. Um advogado, que era um praticante, aconselhou-me a entregar pessoalmente os meus materiais e também a enviá-los por correio expresso. Os praticantes locais também me incentivaram a não desistir.

Depois que entreguei e enviei o pedido de novo julgamento, continuei ligando para o tribunal superior para pedir atualizações. Alguns de seus funcionários foram muito bondosos e me deram bons conselhos sobre o que eu poderia fazer para levar o caso adiante.

Depois que o caso foi registrado, entrei em contato com o advogado e preparei meus argumentos de defesa.

Desta vez, não li os scripts como fiz nas duas vezes anteriores. Resumi meus pontos e as provas correspondentes que o apoiavam. Surpreendentemente, o juiz me disse que fiz um ótimo trabalho explicando o caso a ele.

Eles me fizeram algumas perguntas, como se eu ainda estivesse no trabalho quando fui demitido, já que as decisões de primeira e segunda instância eram baseadas nas falsas evidências fornecidas pelo meu antigo local de trabalho. Eles alegaram que eu deixei o trabalho sem pedir licença quando fui a Pequim apelar por justiça para o Falun Gong. Expliquei a eles que não perdi sequer um dia de trabalho e não violei nenhuma das políticas do local de trabalho.

Eles também me perguntaram sobre o Falun Gong, sobre a manifestação pacífica de 25 de abril, sobre a autoimolação da Praça da Paz Celestial em Tiananmen e os benefícios para a saúde do Falun Gong. Eu completamente esclareci os fatos para eles.

Não muito tempo depois da audiência, o tribunal superior ordenou um novo julgamento e devolveu o caso ao tribunal intermediário.

Reapreciação no tribunal intermediário

Apesar da decisão do tribunal superior, foi preciso muito esforço para que o tribunal intermediário aceitasse meu caso.

Quando conversei com a juiza encarregada do meu caso, ela foi muito rude e disse que não me deixaria ganhar o caso, não importa o que acontecesse. Quando perguntei sobre a situação do caso, ela sempre dizia que estava ocupada com outra coisa e não tinha tempo para me ver.

Eu senti pena dela por ter uma atitude negativa em relação ao Falun Gong.

Durante o re-julgamento, eu resumi minha defesa e falei sobre os pontos-chave. A juiza me interrompeu várias vezes e me interrompeu antes que eu tivesse a chance de expandir a evidência. Meu advogado terminou a defesa para mim. A juiza perguntou se meu antigo local de trabalho e eu estávamos dispostos a chegar a um acordo no julgamento. Eu concordei desta vez, mas meu antigo local de trabalho se recusou.

Antes de o tribunal intermediário pronunciar sua decisão, meu antigo local de trabalho mudou de ideia. No final, não chegamos a um acordo e o meu recurso foi novamente rejeitado.

Protesto à procuradoria

Eu não desisti. Eu fiz um protesto com a procuradoria local. Eles primeiro rejeitaram, mas aceitaram depois que eu continuei em contato com eles.

Eu tive uma reunião pessoal com o promotor. Eu disse a ele como eu havia perdido meu emprego bem remunerado por causa da perseguição e dificilmente eu podia pagar minhas despesas. Ele sentiu pena de mim, mas também me disse que seria ainda mais difícil ganhar o caso protestando. Ele sugeriu que eu falasse com meu empregador diretamente.

Chegando a um acordo

Nos últimos anos de apresentação do processo, eu sempre mantive meu empregador atualizado e eles sabiam muito bem o meu caso. Desta vez, em vez de pedir para voltar ao trabalho, pedi benefícios de aposentadoria, pois eu já havia atingido a idade de aposentadoria.

Para minha surpresa, eles concordaram desta vez. Um oficial me disse: "Devemos seguir os princípios do Falun Gong e sermos boas pessoas".

Eu me senti muito feliz que meus anos de esforços para esclarecer os fatos para eles finalmente valeram a pena. Sua compreensão dos fatos era exatamente o que eu queria através do meu processo.

Embora os benefícios que recebi não fossem tão bons quanto deveriam, eu não estava preocupado com isso.

Por outro lado, a maioria das pessoas da gerência anterior já havia se aposentado e a nova gerência nunca participou diretamente da perseguição. Eles também foram vítimas da perseguição. Eu entendo que, dada a pressão da Agência 6-10, lidar comigo não foi uma situação fácil, e exigiu muita coragem.

Lembrando os últimos anos de apresentação do processo e esclarecimento dos fatos aos funcionários do governo em vários níveis, descobri que a maioria deles ainda tinha um bom coração. Quanto maior a posição do funcionário, mais fácil era para ele entender os fatos. É só que eles não tiveram a oportunidade de ouvir os fatos e foram alimentados com a propaganda do regime comunista. A maioria deles abrirá seu coração enquanto estivermos dispostos a esclarecer os fatos para eles.