Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Câmara dos Deputados da Pensilvânia aprovou segunda resolução condenando a extração forçada de órgãos na China

25 de Junho de 2017 |  

(Minghui.org) Recentemente a Câmara dos Deputados da Pensilvânia aprovou a sua segunda resolução em três anos para condenar a extração forçada de órgãos de praticantes do Falun Gong e outros prisioneiros de consciência detidos.

A Resolução da Câmara 27, aprovada em 25 de abril de 2017, encoraja a comunidade médica da Pensilvânia a aumentar a conscientização sobre as práticas de transplante de órgãos não éticas na China.

Uma resolução semelhante, Resolução da Câmara 1052, foi aprovada em 8 de outubro de 2014. Matthew Baker, presidente da maioria do Comitê de Saúde da Câmara e principal patrocinador de ambas as resoluções, disse que são necessários mais esforços a nível nacional e internacional.

Audiência sobre a Resolução da Câmara 27 no Comitê de Saúde da Câmara em 8 de fevereiro de 2017

Ele disse: "Estou orgulhoso dos legisladores pela aprovação por unanimidade desta resolução. Mas a menos que nossa nação e a comunidade internacional se juntem para condenar isso e se envolver em ações diplomáticas, bem como impor sanções econômicas contra a China para impedir a extração de órgãos com lucro e morte de humanos, eu suspeito que essa terrível prática continuará ".

Nova atualização

Os praticantes na China foram submetidos a prisão, detenção, prisão, lavagem cerebral e tortura desde que a supressão ao Falun Gong começou em 1999.

Em 2006, duas fontes declararam publicamente que os órgãos eram retirados de praticantes vivos do Falun Gong na China. Vários meses depois, David Matas, advogado internacional de direitos humanos e David Kilgour, ex-secretário de Estado canadense (Ásia-Pacífico), publicaram um relatório documentando suas descobertas. Desde então, uma riqueza de evidências foi coletada confirmando a existência da extração forçada de órgãos na China.

O médico da Filadélfia, Dr. Ann Corson, explicou que novas evidências ficaram disponíveis desde que a Pensilvânia aprovou a Resolução da Câmara 1052 em 2014. Por exemplo, a Doctors Against Forced Organ Harvesting (DAFOH) divulgaram um relatório em março de 2016, indicando que o número estimado de transplantes reais que ocorreram na China, superou o número publicado pelo governo chinês.

Ethan Gutmann, o premiado jornalista e investigador de direitos humanos, juntamente com Matas e Kilgour, divulgou um relatório atualizado da investigação em junho de 2016 com dados coletados diretamente de fontes chinesas. O seu relatório mostra que ocorreram de 60 mil a 100 mil transplantes na China por ano, muitos mais do que os 10 mil por ano reivindicados pelo governo chinês.

O relatório contém investigações extensas e independentes sobre as reportagens da mídia, propaganda oficial, revistas médicas, sites de hospitais, bem como sites arquivados que foram excluídos. Sua análise dos dados concluiu que até 1,5 milhão de transplantes ocorreram na China desde 1999 e que a maioria das vítimas foram os praticantes do Falun Gong.

"Evidência inexplicável e irrefutável", um relatório publicado pela Organização Mundial para Investigar a Persecução ao Falun Gong (WOIPFG) em agosto de 2016, resumiu as evidências coletadas pela organização nos últimos dez anos. Com base em investigações sobre 865 hospitais chineses, 9.500 cirurgiões e mais de 2 mil conversas telefônicas gravadas, o relatório confirmou a escala e a gravidade dessa atrocidade sancionada pelo estado.

Numerosos artigos sobre o tema também estão disponíveis em revistas científicas com revisão paritária. Em setembro de 2016, o American Journal of Transplantation publicou: "Transplantes Médicos na China: falta de transparência e escrutínio internacional". Em fevereiro de 2017, a BMC Medical Ethics apresentou um relatório intitulado "Violações dos direitos humanos na prática de extração de órgãos na China", que destacou a prática ilegal e não ética na China.

Embora em janeiro de 2015 o governo chinês tenha anunciado que já não estava extraindo órgãos de presos executados, o Dr. Corson disse: "Um relatório publicado pela WOIPFG em janeiro de 2017 que investigou 169 hospitais entre janeiro de 2015 e junho de 2016 indica que a extração forçada de órgãos ainda continua na China."

O assassinato deve parar

Os praticantes do Falun Gong testemunharam no Comitê de Saúde da Câmara em 8 de fevereiro de 2017.

Por estas razões, Matthew Baker disse que a resolução aprovada em 2014 deve ser atualizada para incluir a informação estatística recém-disponível, para alertar o público sobre "esta questão muito importante".

Para Baker, propor essas resoluções não foi feito por capricho, porque ele sempre foi um defensor dos direitos humanos e da santidade da vida, bem como um defensor da liberdade e da liberdade religiosa. Em particular, ele disse: "As terríveis atrocidades associadas à extração de órgãos humanos com fins lucrativos na China, com muitos milhares de pessoas morrendo como resultado, devido ao encarceramento e perseguição de um determinado grupo pacífico devem ser expostas. Esperemos que as ações sejam tomadas pelo nosso país, bem como pelas Nações Unidas, para condenar e sancionar a China por suas ações criminosas ".

Embora este crime esteja ocorrendo na China, Baker disse que tem significado universal, dizendo: "Respeitar a vida humana, expor o mal e perseguir a justiça deve ser uma preocupação de todas as pessoas civilizadas ..."

Para esse fim, gostaria que o Presidente, o Congresso e as Nações Unidas "se tornassem plenamente conscientes dessas atrocidades e tomassem medidas para condenar e sancionar essas práticas e assassinatos que estão ocorrendo na China". "A resolução ordena que uma cópia seja enviada diretamente para a nossa delegação do Congresso e outras a nível federal, uma vez que a nossa nação tem tomado medidas contra outros países no passado por violações dos direitos humanos, perseguições religiosas, genocídio e outros atos de natureza hedionda ".

Baker disse que ele e outros membros do Comitê de Saúde e da Casa ficaram horrorizados quando ouviram pela primeira vez que "esse mal estava acontecendo na China". Essas resoluções eram necessárias porque "os chineses precisam saber que nos preocupamos e gostaríamos de ver essa terminada essa brutalidade."

A Pensilvânia não é o único estado a aprovar tal resolução. Em 25 de abril de 2017, a Câmara dos Deputados de Missouri aprovou a Resolução Concorrente nº 7 da Câmara, condenando a extração forçada de órgãos do Falun Gong e de outros prisioneiros de consciência e pedindo novas ações para impedir as atrocidades.

Baker disse: "O mal realmente floresce quando bons homens e mulheres não fazem nada; o mesmo pode ser dito que quando as boas nações civilizadas não fazem nada, o mal também floresce ".