Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Mulher em Jilin morre menos de 10 meses após a prisão

22 de Junho de 2017 |   Por um correspondente do Minghui na província de Jilin

(Minghui.org) Uma mulher de 61 anos morreu em menos de 10 meses após sua prisão para cumprir uma pena de três anos por se recusar a renunciar ao Falun Gong, uma disciplina espiritual que está sendo perseguida pelo regime comunista chinês.

Em 26 de novembro de 2015, Liu Shuyan, residente da cidade de Yushu, foi presa por sua crença. O pedido de seu advogado para defendê-la no tribunal foi negado e ela foi julgada em 29 de março de 2016 sem representação legal.

No dia 11 de abril, algumas semanas depois ela foi condenada a três anos de prisão. Quando sua filha protestou contra o julgamento e condenação injusta, a jovem mulher foi presa.

Em 07 de julho de 2016, asra. Liu foi transferida para a Prisão Feminina da Província de Jilin na cidade de Changchun. Ela foi forçada a se sentar-se em um “pequeno banco" por longos períodos de tempo. Quando fez uma greve de fome em protesto, os guardas a alimentaram por 12 dias consecutivos. Sua saúde rapidamente se deteriorou, e ela ficou gravemente doente no início de abril de 2017.

As autoridades da prisão, no entanto, não a enviaram para o hospital até o dia 20 de abril. Após um exame médico que concluiu que a Sra. Liu ela precisa de cirurgia a sua filha foi chamada. Depois de ter lido os artigos sobre a extração forçada de praticantes vivos do Falun Gong presos, a filha insistiu para que os médicos esperassem sua chegada antes de realizar a operação em sua mãe.

Já era tarde quando a filha foi da cidade de Yushu para o hospital na cidade de Changchun. Ela viu que sua mãe estava entrando e saindo de coma e tinha o pulso muito fraco. Os médicos admitiram que não havia esperança.

A filha decidiu renunciar à cirurgia e ter sua mãe transferida para um hospital local em sua cidade natal, Yushu. As autoridades da prisão, no entanto, insistiram em solicitar a liberdade condicional da mãe em primeiro lugar.

A aprovação da liberdade condicional não foi emitida até as 13hdo dia seguinte. A Sra Yu morreu poucas horas depois que ela foi levada de volta para sua cidade natal. Ela deu seu último suspiro às 20h50 no dia 21 de abril de 2017.