Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Esposa é presa por verificar a autópsia do marido

9 de Fevereiro de 2017 |   Escrito por um correspondente da província em Heilongjiang, China

(Minghui.org) Um praticante do Falun Gong de 45 anos de idade da cidade de Mudanjiang faleceu depois de permanecer por apenas dez dias sob custódia policial. A polícia realizou uma autópsia sem o consentimento da família e se recusou a fornecer os resultados à família.

Compreensivelmente desconfiada, a família exigiu uma segunda autópsia. A esposa do falecido praticante foi presa, e agora está sendo mantida em um local desconhecido.

A polícia ameaçou a família dizendo que ela estaria “em perigo” se eles continuassem pressionando para a realização de uma segunda autópsia e forçou uma cremação precipitada.

Esses eventos devastadores começaram quando por volta da meia-noite do dia 19 de abril, a polícia invadiu a casa do Sr. Gao Yixi e de sua esposa, Sra. Sun Fengxia. Os dois foram presos por resistir à perseguição ao Falun Gong.

Morte durante a custódia

Em 30 de abril, dez dias depois, a polícia informou à família que o Sr. Gao havia falecido. Quando viram seu corpo, sua família notou que seu peito se projetava e seu abdômen estava afundado. Havia marcas de algemas em seus pulsos.

Desconfiada, a família do Sr. Gao contratou um advogado para investigar. Eles e o advogado visitaram o centro de detenção e pediram os relatórios originais e finais da autópsia em 23 de junho, mas não obtiveram sucesso.

As autoridades da detenção os enviaram para o laboratório forense do hospital, onde ficaram correndo de um lado para outro antes de eventualmente obterem as cópias dos relatórios.

Os relatórios indicavam que o Sr. Gao estava em perfeita saúde quando entrou no centro de detenção. Uma vez lá, o Sr. Gao foi diagnosticado com doença cardíaca coronária, sangramento no fígado, um rim inchado e atrofia do baço.

A família perguntou à pessoa responsável como isso poderia ter acontecido ao Sr. Gao. A pessoa estava tremendo visivelmente e se recusou a olhá-los nos olhos ou responder.

Quando a família e o advogado pediram para ver a Sra. Sun no centro de detenção, disseram-lhe que ela não estava na instalação no momento. Eles decidiram esperar.

A família esperou mais de uma hora sob vigilância policial.

Depois que a família e o advogado viram a Sra. Sun, o advogado ouviu seu testemunho. Ela disse que assinou o relatório da autópsia do marido sem ver a realização da autópsia.

A família questionou as autoridades do centro de detenção do por que não informaram a família quando o Sr. Gao estava em estado crítico, e eles ficaram em silêncio.

O diretor do laboratório forense disse-lhes que os resultados de uma segunda autópsia não seriam diferentes do da primeira e que a Sra. Sun só seria libertada quando o corpo do Sr. Gao fosse cremado.

Artigo relacionado: Um pesadelo para uma adolescente: mãe continua detida e pai morre sob custódia da polícia