Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

38 praticantes do Falun Gong na China condenados à prisão em abril de 2019 por se recusarem a renunciar à sua crença

8 de Julho de 2019 |   Por um correspondente do Minghui na China

(Minghui.org) De acordo com informações compiladas pelo Minghui.org, o mês de abril de 2019 registrou 38 novos casos de praticantes do Falun Gong condenados à prisão pelo sistema judicial do Partido Comunista Chinês (PCC).

O Falun Gong, também conhecido como Falun Dafa, é uma prática espiritual composta de exercícios e dos princípios da Verdade-Compaixão-Tolerância. Desde que o PCC começou a perseguir a prática em julho de 1999, muitos praticantes na China foram sujeitos à apreensões, detenções, prisões, tortura, trabalho forçado, bem como submetidos à extração de órgãos.

Os praticantes foram condenados por aumentar a conscientização sobre a perseguição, incluindo a distribuição e envio de material informativo sobre o Falun Gong, e a remoção de um cartaz de propaganda que difamava a prática.

Esses praticantes sentenciados são provenientes de 14 províncias e municípios da China, com as províncias de Henan (7) e Shandong (5) registrando o maior número de sentenças. Os prazos de prisão variam de seis meses a dez anos, com uma média de 3,45 anos.

Devido ao bloqueio de informações do PCC, o número de praticantes do Falun Gong que foram condenados nem sempre pode ser informado em tempo hábil e nem todas as informações estão prontamente disponíveis.


Dentre os 38 casos, 16 praticantes enfrentaram extorsão pela polícia ou foram multados pelo tribunal em um total de 249 mil yuanes, com uma média de 15.563 yuanes por pessoa. Sr. Luan Ning, da Região Autônoma de Ningxia, foi multado em 100 mil yuanes e a Sra. Luo Caisen, da província de Heilongjiang, teve 58 mil yuanes confiscados de sua casa.

Seis dos praticantes têm 65 anos ou mais. Suas sentenças de prisão variam de um ano e meio a seis anos, com os dois praticantes mais idosos, a Sra. Zhao Hualing (78) recebendo dois anos de liberdade condicional de três anos, e o Sr. Liu Sitang (76) com três anos, e ainda sendo multado em 5 mil yuanes.

O seguinte relato é um resumo das condenações de alguns praticantes.

Homem de Ningxia condenado a dez anos de prisão por enviar informações sobre o Falun Gong

O Sr. Luan Ning, 60 anos, ex-diretor do Centro de Recursos Humanos e Trabalho de Ningxia, foi condenado a dez anos de prisão e multado em 100 mil yuanes. O veredito foi anunciado em 16 de abril de 2019, após uma audiência realizada em 14 de fevereiro.

Em fevereiro de 2017, o Sr. Luan foi alvo de denúncia por enviar cartas com informações sobre o Falun Gong. A polícia o acompanhou por alguns meses antes de prendê-lo em 27 de agosto de 2017.

Ele foi subsequentemente acusado de “subverter o poder do Estado”, um pretexto padrão frequentemente aplicado contra ativistas de direitos humanos e praticantes do Falun Gong pelo regime comunista chinês. Seu advogado argumentou que a "evidência" fornecida foi fabricada.

Esta não foi a primeira vez que o Sr. Luan foi preso por praticar o Falun Gong. Ele foi anteriormente condenado à prisão duas vezes por períodos de três e quatro anos, respectivamente.

Reportagens relacionadas em inglês:

O Sr. Luan Ning da Região Autônoma de Ningxia Hui foi novamente sentenciado à prisão

Praticante do Falun Gong é julgado por acusações de “subversão do poder do Estado” com evidências questionáveis

Mulher de 64 anos da cidade de Chanchun, condenada a dez anos de prisão por informar às pessoas sobre o Falun Gong

A Sra. Li Jing, residente da cidade de Changchun, foi condenada a dez anos de prisão por conscientizar as pessoas sobre a perseguição contra o Falun Gong. Depois de receber seu veredito em 2 de abril de 2019, seu advogado tentou reverter a sentença em 13 de abril.

 Sra. Li Jing

Em 14 de março, a Sra. Li estava voltando para casa quando a polícia a prendeu e pegou suas chaves para saquear sua casa. Naquela noite, ela foi levada para a delegacia de polícia, onde foi interrogada durante dois dias sem receber nada para comer ou beber; ela também foi privada de sono.

Ela foi posteriormente levada para o Centro de Detenção nº 4 de Changchun. Em 7 de novembro de 2018, sem sua família ser informada, a Sra. Li foi levada ao tribunal para uma audiência que durou 20 minutos, durante a qual ela não foi autorizada a se defender ou desmascarar a divulgação da propagada feita pelo regime comunista para justificar a perseguição.

A Sra.Li foi previamente presa em 2000 e condenada a um ano em um campo de trabalho forçado. Ela foi presa novamente em 2003 e levada para um campo de trabalho por dois anos. Seu marido e filho já faleceram, e sua mãe de 86 anos está agora sozinha em casa.

Engenheiro de 76 anos é condenado novamente após cinco anos e meio de prisão

O praticante do Falun Gong, Sr. Liu Sitang, da cidade de Ji'nan, na província de Shandong, foi condenado a três anos de prisão e multado em 5 mil yuanes por se recusar a renunciar à sua crença. Ele recebeu seu veredito em 19 de abril e desde então apelou da sentença.

Sr. Liu Sitang

O Sr. Liu, um engenheiro aposentado do Grupo Jigang, e sua esposa, Zhang Huiqing, foram presos em 6 de setembro de 2018. Ele foi liberado sob fiança naquele dia devido a sua idade, enquanto sua esposa permaneceu detida. No entanto, o Sr. Liu foi levado de volta à prisão em 18 de setembro.

Em 25 de outubro, quando a Sra. Zhang foi libertada sob fiança, ela soube que seu marido recebeu um mandado de prisão formal, alegando que ele havia sido preso previamente por se recusar a renunciar ao Falun Gong. Ele ficou preso por cinco anos e meio após ser detido em fevereiro de 2009 em sua casa; os policiais confiscaram quase 90 mil yuanes em dinheiro que estavam guardados para o casamento de seu filho, além de outros objetos de valor.

Reportagens relacionadas em inglês:

Mais informações sobre a perseguição do praticante do Dafa de Jinan, Liu Sitang, que se recusou a participar da campanha "avanço da salvaguarda"

Casos recentes de perseguição aos praticantes do Falun Gong na cidade de Jinan de abril a outubro de 2009 (fotos)

Desempenho econômico da Empresa do Grupo Jigang diminui à medida que persegue praticantes do Falun Gong

Mulher de Hubei, na faixa dos 70 anos, recebe o segundo período de prisão de cinco anos por praticar o Falun Gong

Uma residente da cidade de Wuhan foi recentemente condenada a cinco anos de prisão por praticar o Falun Gong. Ela prometeu recorrer a sentença.

A Sra. Wu Bilin, de 70 anos, foi presa em 23 de maio de 2018, depois que a polícia fingiu ser colega de seu marido e a enganou para que ela abrisse a porta para eles. Antes da prisão, desde abril, ela havia sido repetidamente assediada pela polícia e por membros da equipe do comitê residencial, de forma que ela foi forçada a ficar fora de casa por uma semana, por segurança. Ela acabou sendo presa depois de voltar para casa.

Em 28 de março de 2019, a Sra. Wu apareceu no tribunal, onde seu advogado entrou com um pedido de inocência em favor dela. Foi relatado que alguns meses antes da audiência da Sra. Wu no tribunal, a juíza Liang havia submetido seu caso ao Tribunal Intermediário da cidade de Wuhan para buscar a opinião do tribunal superior sobre sua sentença. Por lei, os tribunais de apelação somente aceitam casos de apelação, e os tribunais de primeira instância têm autoridade total para decidir os vereditos.

Antes de sua última prisão, ela foi detida 20 vezes nos últimos 20 anos por se recusar a renunciar à sua crença. Ela foi abusada até ficar à beira da morte quase todas as vezes. Somente assim ela era libertada.

A última sentença de prisão da Sra. Wu foi precedida por outra sentença de cinco anos em 2011. Ela cumpriu a sentença fora da prisão por causa de sua condição física.

Empresário bem-sucedido de Xangai é condenado a quatro anos de prisão por recusar-se a renunciar à sua fé

Um praticante de Falun Gong de 48 anos de idade de Xangai, foi condenado a quatro anos de prisão e multado em 8 mil yuanes em 16 de abril de 2019.

Sr. Deng Chenglian

Em 23 de março de 2018, a polícia prendeu o Sr. Deng Chenglian sem mostrar um mandado ou identificação. Eles saquearam sua casa e o levaram ao departamento de polícia para interrogá-lo. Ele não recebeu comida nem bebida durante todo o dia.

Depois de ser mantido no Centro de Detenção de Minhang, ele se recusou a desistir de sua crença. Guardas o algemaram, acorrentaram seus pés e o torturaram. Quando ele entrou em greve de fome para protestar contra a tortura, foi levado para o Hospital Geral da Prisão de Xangai e amarrado a uma cama por 11 dias sem poder se mover ou ir ao banheiro.

Quando ele fez outra greve de fome no final de junho, os guardas passaram a alimentá-lo a força através de um cateter urinário. Isso resultou em inchaço dos seus genitais e do trato urinário. Eles então o amarraram a uma cama por quase um mês.

A sua saúde se deteriorou durante suas greves de fome que duraram mais de meio ano. Ele teve que ser levado para a sala do tribunal em uma cadeira de rodas em 16 de abril.

Durante o julgamento, seus dois advogados, contratados por sua família para defendê-lo, declararam a sua inocência. Eles indicaram que a polícia havia revistado sua casa sem um mandado de busca, que o Sr. Deng não estava em casa durante a busca e que a polícia não forneceu a lista de itens confiscados, conforme exigido por lei.

Eles também entregaram uma carta dos moradores da cidade natal do Sr. Deng, na província de Hubei. Os residentes assinaram uma petição pedindo sua libertação.

O Sr. Deng é um empresário de sucesso que doou 280 mil yuanes em 2010 para construir várias estradas interligando a sua antiga vila à cidades próximas, depois de ver o isolamento de sua cidade natal. Ele também ajudava famílias carentes toda vez que voltava para sua cidade.

Reportagem relacionada em inglês:

Praticante Deng Chenglian é preso e torturado

Dois praticantes condenados à prisão por removerem poster difamando sua crença; família devastada

Dois praticantes do Falun Gong, Sra. Yuan Xuefen, 55 anos, e o Sr. Wen Juping, 69 anos, da cidade de Luodai, província de Sichuan, foram condenados a dois e oito anos de prisão, respectivamente, por removerem um cartaz de propaganda difamando sua crença. Eles prometeram apelar das suas sentenças.

A Sra. Yuan e o Sr. Wen foram presos em 21 de maio de 2018. A polícia revistou a Sra. Yuan e confiscou seu celular e materiais do Falun Gong encontrados em sua bolsa. A polícia também confiscou o celular do Sr. Wen.

Em 5 de novembro de 2018, os pais da Sra. Yuan foram à delegacia para exigir sua libertação, depois de saber que a procuradoria havia devolvido seu caso à polícia. No entanto, ambos ficaram detidos na delegacia por algumas horas antes de serem libertados à noite. O irmão mais jovem e o filho da Sra. Yuan, que foram com o casal de idosos, ficaram detidos por uma semana.

O irmão mais velho da Sra. Yuan, Yuan Bin, que também pratica o Falun Gong, foi preso em 24 de janeiro de 2019, enquanto visitava seus pais antes do Ano Novo Chinês. Ele ainda continua preso por resistir a renunciar à sua crença depois que a procuradoria aprovou sua prisão.

As prisões e detenções da Sra. Yuan e de seus irmãos causaram fortes golpes emocionais aos seus pais idosos. Embora a sua mãe tenha desmaiado e posteriormente se recuperado, o seu pai, o Sr. Yuan Guangchang, faleceu devido a complicações causadas pela aflição mental.

Reportagem relacionada em inglês:

Depois de quase dez anos de encarceramento e tortura por sua crença, ex-professor de Chengdu foi preso novamente

Mulher de 82 anos condenada à prisão e multada por distribuir materiais sobre sua crença

Uma mulher de Pequim foi condenada a um ano de prisão e multada em 2 mil yuanes em 18 de abril de 2019 por se recusar a renunciar à sua crença no Falun Gong.

A Sra. Ma Xiuying foi presa em 25 de setembro de 2015 por distribuir materiais informativos sobre o Falun Gong. Mais tarde, ela foi libertada sob fiança, mas foi levada sob custódia e colocada em detenção criminal depois que policiais a enganaram para retornar à delegacia em 31 de março de 2016, para preencher alguns documentos. Em 30 de abril de 2016, a Sra. Ma foi libertada sob fiança pela segunda vez.

Quando a Sra. Ma embarcou em um trem para uma viagem para fora da cidade, em 7 de junho de 2017, ela foi presa momentos antes do trem partir. A polícia alegou que ela havia violado sua fiança ao tentar fugir. Ela foi colocada em detenção criminal pela segunda vez e depois libertada sob fiança pela terceira vez em 14 de julho.

A Sra. Ma compareceu ao tribunal em 5 de novembro de 2018, onde testemunhou em causa própria e argumentou que era seu direito constitucional praticar o Falun Gong e que ela não violara nenhuma lei ao distribuir materiais do Falun Gong.

Baixe a lista completa de praticantes sentenciados à prisão

Reportagens relacionadas:

Por sua fé, 109 praticantes do Falun Gong foram condenados a prisão em janeiro e fevereiro de 2019

52 praticantes do Falun Gong sentenciados à prisão em janeiro de 2019 por não desistirem de sua fé

Relatório do Minghuit: 43 sentenças de prisão em março de 2019 por recusa a renunciar a fé no Falun Gong

Reportagem relacionada em inglês:

Polícia se recusa a devolver quase 60 mil yuanes apreendidos de uma mulher de Heilongjiang detida por sua crença