Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

60 praticantes do Falun Gong na China foram condenados à prisão em maio de 2019 por se recusarem a renunciar à sua fé

7 de Julho de 2019 |   Por um correspondente do Minghui na China

(Minghui.org) De acordo com informações compiladas pelo Minghui.org, o mês de maio de 2019 registrou 60 novos casos de praticantes do Falun Gong condenados à prisão pelo sistema judicial do Partido Comunista Chinês (PCC).

O Falun Gong, também conhecido como Falun Dafa, é uma prática espiritual baseada nos princípios da Verdade-Benevolência-Tolerância. Desde que o PCC começou a perseguir a prática em julho de 1999, muitos praticantes foram sujeitos a prisão e detenção, prisão, tortura, trabalho forçado e até extração de órgãos.

Os praticantes foram condenados por conscientizar o público sobre a perseguição ao Falun Gong, incluindo o envio de informações aos telefones celulares das pessoas. Alguns foram presos durante a leitura dos livros do Falun Gong em casa. Um empresário de Guangdong foi preso e condenado depois que informações relacionadas ao Falun Gong foram descobertas na conta WeChat de sua empresa.

Esses praticantes sentenciados vêm de 13 províncias e municípios da China, com as províncias de Shandong (12) e Heilongjiang (10) registrando o maior número de sentenças. Os prazos de prisão variam de seis meses a dez anos, com uma média de três anos e quatro meses.

Devido ao bloqueio de informações do PCC, o número de praticantes do Falun Gong que foram condenados nem sempre pode ser informado em tempo hábil, nem todas as informações estão prontamente disponíveis.

Entre os 60 casos, 29 praticantes enfrentaram extorsão pela polícia ou foram multados pelo tribunal por uma quantia total de 287 mil yuanes, com uma média de 9.897 yuanes por pessoa.

Seis dos praticantes têm 65 anos ou mais. Seus mandatos variam de um a dez anos, com Wang Suping (67) condenada a dez anos e multada em 30 mil yuanes.

A seguir é apresentado um resumo dos casos de alguns praticantes condenados.

Oito praticantes de Taiyuan são condenados a prisão e multados

Oito praticantes do Falun Gong da cidade de Taiyuan, província de Shanxi, foram recentemente condenados por se recusarem a renunciar à sua fé no Falun Gong, após a audiência em 2 de abril de 2019. Todos os praticantes foram multados e seus mandatos variam de um a dez anos.

Os nomes dos praticantes, idades, penas de prisão e multas são os seguintes:

Sra. Sun Zhifen, 60, dez anos de prisão com uma multa de 30 mil yuanes;
Sra. Wang Suping, 67, dez anos de prisão com uma multa de 30 mil yuanes;
Sra. Zhang Qingxiang, 69, seis anos de prisão, com uma multa de 20 mil yuanes;
Sra. Tian Yuqin, 60, seis anos de prisão, com uma multa de 20 mil yuanes;
Sr. Luo Baojun, 62, cinco anos de prisão com uma multa de 20 mil yuanes;
Sra. Zhang Runying, 71, dois anos de prisão com uma multa de 10 mil yuanes;
Sra. Guo Runxian, 68, um ano de prisão com uma multa de 6 mil yuanes;
Sra. Hu Lanying, 65, um ano de prisão com uma multa de 5 mil yuanes.

Os praticantes foram presos em 25 de junho de 2018. Cinco deles: Sras. Sun, Tian, Hu e Guo e Sr. Luo foram presos juntos quando estudavam livros do Falun Gong na casa da Sra. Sun.

Três outras praticantes, as Sras. Zhang Qingxiang, Zhang Runying (que não são parentes) e Wang Suping foram presas por volta das 21h naquela noite.

Reportagem relacionada em inglês:

Nine Shanxi Province Residents in Their 60s and 70s Tried for Practicing Falun Gong

Sete praticantes na província de Shandong foram sentenciados à prisão

Cinco praticantes do Falun Gong na cidade de Gaomi, província de Shandong, foram condenados à prisão e multados após serem mantidos sob custódia por mais de um ano após sua prisão em 2018.

A Sra. Jiang Haiying foi condenada a quatro anos de prisão e multada em 10 mil yuanes. Ela foi levada para a Prisão Feminina de Jinan.

O Sr. Rong Chuncheng foi condenado a quatro anos de prisão e multado em 10 mil yuanes.

O Sr. Gao Lianhong foi condenado a três anos de prisão e multado em 10 mil yuanes. Sua esposa, a Sra. Chou Yuxiang, foi condenada a três anos de prisão com quatro anos de liberdade condicional e multada em 10 mil yuanes.

A Sra. Dai Chuanhua foi condenada a três anos de prisão com três anos de liberdade vigiada, e multada em 10 mil yuanes.

O Sr. Rong e o Sr. Gao foram levados para a Prisão de Jinan, mas essa informação ainda está para ser confirmada.

Outros dois praticantes, Yang Xiaohua e Qi Naihua, da cidade de Weifang, província de Shandong, foram condenados a quatro anos e três anos de prisão, respectivamente. Sua família recebeu o veredito do tribunal em 10 de maio de 2019.

Os dois praticantes foram presos como parte de uma prisão em massa realizada entre abril e maio de 2019, antes da cúpula da Organização de Cooperação de Xangai (SCO), que foi realizada mais tarde na cidade de Qingdao, província de Shandong, de 9 a 10 de junho de 2018.

Reportagens relacionadas em inglês:

Five Shandong Province Practitioners Sentenced to Prison
Three Shandong Women Targeted in Mass Arrest Tried for Their Faith

Reportagem relacionada em mandarim:

二零一九年六月八日大陆综合消息

Sete residentes da província de Heilongjiang, incluindo um com uma condição médica severa, foram sentenciados por sua fé no Falun Gong

Em 24 de maio de 2019, sete moradores da cidade de Suihua, na província de Heilongjiang, foram condenados à prisão por não renunciarem à sua fé no Falun Gong. Todos eles apelaram contra seus vereditos.

O Sr. Yang Chuanhou e as Sras. Wang Fang, Wang Fuhua, Bai Xia e Zhao Tingting foram condenados a dois anos de prisão. A Sra. Song Hongwei recebeu um ano e meio. A Sra. Gao Jinshu, que teve severa pressão alta desde a sua prisão em outubro passado, foi condenada a um ano de prisão. Cada um deles também foi multado em 5.000 yuanes.

Os sete praticantes apareceram pela primeira vez no Tribunal da Cidade de Anda em 16 de abril de 2019. A audiência foi interrompida minutos depois de iniciada quando a Sra. Gao tornou-se incoerente e começou a vomitar devido à pressão alta.

Mesmo que o tribunal tenha concordado em conceder fiança à Sra. Gao para tratamento médico após a primeira audiência em abril, o diretor da Comissão de Assuntos Políticos e Jurídicos (CAPJ) a deteve.

O CAPJ é uma agência não judicial encarregada da perseguição ao Falun Gong e que recebe o poder de substituir o sistema judicial.

A segunda audiência foi realizada em 14 de maio e durou das 9h10 às 20h. Seis advogados defenderam os sete praticantes. Eles argumentaram que a perseguição ao Falun Gong não tem base legal. Os advogados também enfatizaram que os praticantes do Falun Gong que vivem pelos princípios de Verdade, Benevolência e Tolerância beneficiam a sociedade sem causar danos a ninguém.

Cinco residentes de Guangdong são condenados a prisão por conscientização sobre a perseguição de sua fé

Cinco moradores da cidade de Jieyang, província de Guangdong, foram sentenciados à prisão em meados de maio de 2019 por divulgar informações sobre a perseguição ao Falun Gong.

Em 22 de maio de 2017, o Sr. Wu Chunxiong, proprietário de uma pequena empresa no condado de Jiexi, cidade de Jieyang, foi preso quando a polícia começou a monitorá-lo após descobrir informações relacionadas ao Falun Gong na conta WeChat de sua empresa. Três funcionários, Sr. Wu Xuqin (sem parentesco com o Sr. Wu Chunxiong), Sr. Tang Jianqun e a Sra. Cai Linhua, que também são praticantes, foram presos no mesmo dia.

Quando a polícia levou o Sr. Wu Xuqiu para sua casa e saqueou sua residência, eles também prenderam sua mãe, a Sra. Chen Xiaobin, uma praticante do Falun Gong. Seu pai, o Sr. Wu Meiping, evitou ser preso porque não estava em casa durante o ataque policial. O Sr. Wu mais velho foi então colocado na lista de procurados da Agência 610 local, uma agência extralegal criada especificamente para perseguir o Falun Gong. Ele foi preso em 15 de março de 2019 quando foi pedir permissão para assistir à audiência de seu filho e da sua esposa. Ele está atualmente sendo mantido no Centro de Detenção da Cidade de Jieyang.

Além da família do Sr. Wu Xuqin, a polícia também interrogou outros funcionários e questionou a pessoa que os encaminhou para a empresa e para os membros da família dessa pessoa. A polícia posteriormente prendeu algumas das referências profissionais, incluindo alguns ex-funcionários da empresa.

O Sr. Wu Chunxiong foi forçado a encerrar sua operação comercial e muitos de seus pertences pessoais foram confiscados.

Os cinco praticantes foram condenados à prisão alguns meses depois de serem indiciados pela Procuradoria Distrital de Rongcheng em 29 de janeiro de 2019 e julgados pelo Tribunal Distrital de Rongcheng em 19 de março de 2019. O Sr. Tang foi condenado a oito anos, o Sr. Wu Xuqin recebeu sete anos e meio, e as Sras. Chen e Cai receberam dois anos e meio cada. O mandato para o Sr. Wu Chunxiong continua a ser investigado.

Homem preso por não renunciar à sua fé torna-se pele e ossos após 16 meses de detenção

O Sr. Ke Changyan, morador da cidade de Huangshi, província de Hubei, foi recentemente condenado a quatro anos de prisão por não ter renunciado à sua fé no Falun Gong. Ele foi o primeiro a ser julgado em 15 de novembro de 2018.

A família de Ke permitiu que ele fosse visto pela primeira vez em 28 de maio de 2019, um dia antes de ser transferido do Centro de Detenção Xiongjiabian para a Prisão de Shayang. Eles ficaram arrasados ao vê-lo reduzido a apenas pele e ossos após quase 16 meses de detenção desde sua prisão em 16 de janeiro de 2018.

Esta não é a primeira vez que o Sr. Ke foi perseguido por resistir à renunciar a sua fé. Antes de sua última sentença de prisão, ele havia sido repetidamente preso e cumpriu dois mandatos de trabalho forçado por um total de quatro anos. Ele foi submetido a várias formas de tortura e foi alimentado à força com drogas desconhecidas, após o que sofreu de tontura frequente, perda de memória e transtorno mental.

Presa e torturada repetidamente, mulher da Mongólia Interior é condenada novamente

Uma mulher da Mongólia Interior foi recentemente condenada a três anos de prisão, pouco depois do julgamento no início de maio de 2019.

A Sra. Duan Xueqin, de 70 anos, foi presa enquanto distribuía informações sobre o Falun Gong em 6 de dezembro de 2018, 11 meses após sua última libertação da prisão. A polícia então invadiu sua residência e confiscou o notebook e os livros do Falun Gong. Três semanas depois, a Procuradoria da Bairin Right Banner a indiciou.

Desde a sua detenção, a Sra. Duan foi detida e torturada, inclusive com choques elétricos, no Centro de Detenção da Bairin Right Banner, e tornou-se muito fraca como consequência.

Antes de sua última sentença de prisão, a Sra. Duan foi detida e torturada repetidamente desde que a perseguição ao Falun Gong começou em julho de 1999.

Mulher de Liaoning é condenada novamente depois de nove anos de prisão

A praticante do Falun Gong, Sra. Shao Changhua, da cidade de Dandong, província de Liaoning, foi sentenciada a três anos e meio de prisão em 30 de maio de 2019 por se recusar a renunciar à sua fé. Ela apelou contra o veredito.

Em 17 de agosto de 2018, a Sra. Shao foi presa quando viu sua amiga fora de casa. Seus parentes foram informados após investigar com a polícia que a Sra. Shao foi presa por colocar banners relacionados ao Falun Gong há um ano com outros dois praticantes e que ela seria libertada após sete dias.

No entanto, sua família soube no quinto dia que ela fora colocada em detenção criminal e levada ao Centro de Detenção de Dandong.

A Sra. Shao ficou muito fraca um mês depois, em 19 de setembro de 2018, quando seu advogado a visitou. Sua família pediu que ela fosse libertada, mas foi informada de que o caso havia sido submetido à procuradoria. Ela acabou sendo indiciada e compareceu ao tribunal em 11 de abril de 2019, depois que o caso foi devolvido duas vezes à procuradoria por falta de provas. O primeiro julgamento durou uma hora e meia.

Em 19 de maio de 2019, um segundo julgamento foi realizado secretamente pelo Tribunal Popular de Zhen'an. Após o julgamento, a filha da Sra. Shao foi ao tribunal e pediu sua libertação, dizendo ao juiz que a Sra. Shao não havia violado nenhuma lei. No entanto, o juiz disse à filha que, se ele libertasse a Sra. Shao, ele seria preso em seu lugar, acrescentando que a detenção se devia à recusa da Sra. Shao de renunciar à sua fé.

Desde que a perseguição ao Falun Gong começou em 1999, a Sra. Shao foi duas vezes encarcerada na Prisão Feminina de Liaoning, ambas as vezes por informar às pessoas sobre o Falun Gong. A Sra. Shao foi condenada pela primeira vez a cinco anos de prisão em 2005 após sua prisão em outubro de 2004. Ela foi novamente presa em 6 de setembro de 2010 e sentenciada a quatro anos de prisão.

Reportagem relacionada em inglês:

Ms. Shao Changhua Recalls Brutal Torture in Liaoning Women's Prison

Homem de Guangdong é condenado à prisão por enviar mensagens com informações sobre o Falun Gong para telefones celulares das pessoas

Um residente de 55 anos da cidade de Guangzhou, província de Guangdong, foi condenado em 31 de maio de 2019 a três anos e meio de prisão e multado em 5 mil yuanes por conscientizar o público sobre a perseguição ao Falun Gong.

O Sr. Yan Rongjie foi preso em 23 de julho de 2018, após ser denunciado por enviar informações sobre o Falun Gong para os telefones celulares das pessoas. A polícia saqueou sua casa naquela noite. Sua violência e brutalidade aterrorizaram o pai do Sr. Yan, que tem 80 anos. Ele passou a se recusar a comer após o ataque e sofreu um ataque cardíaco um mês depois.

Após sete meses de detenção e a procuradoria devolvendo seu caso à polícia uma vez por insuficiência de provas, o Sr. Yan apareceu no Tribunal Distrital de Liwan em 22 de fevereiro de 2019, onde seu advogado entrou com um pedido de inocência por ele. Seu advogado argumentou que nenhuma lei criminaliza o Falun Gong e enfatizou que a informação que seu cliente distribuía era para expor a perseguição de sua fé, o que não causava danos a ninguém.

Mulher de Sichuan é condenada novamente após oito anos de prisão e divórcio involuntário

Em 20 de maio de 2019, a praticante do Falun Gong, Sra. Chen Jie, da cidade de Chengdu, província de Sichuan, foi condenada a quatro anos de prisão por conscientizar o público sobre a perseguição ao Falun Gong. Ela também foi multada em 5 mil yuanes.

A Sra. Chen, de 57 anos, estava distribuindo materiais informativos em 16 de maio de 2018, quando encontrou um oficial à paisana, que a prendeu ao pegar um livrinho dela. A polícia começou a saquear sua casa e confiscar seu computador, vários cartões de memória e muitos materiais relacionados ao Falun Gong.

Ela foi colocada em detenção criminal oito dias depois e teve seu caso submetido à Procuradoria Distrital de Qingbaijiang no 12º dia de sua prisão.

A Sra. Chen apareceu no Tribunal Distrital de Qingbaijiang em 20 de maio depois que o promotor retornou seu caso à polícia duas vezes para obter provas adicionais antes de apresentar seu caso ao Tribunal Distrital de Qingbaijiang em janeiro de 2019. Seu advogado entrou com um pedido de inocência e pediu sua absolvição. A Sra. Chen também testemunhou em sua própria defesa.

Antes de sua última sentença de prisão, a Sra. Chen havia sido presa duas vezes por um total de oito anos por não ter renunciado à sua fé. Pouco depois de ter sido libertada de sua segunda prisão em 2012, seu marido se divorciou dela, já que não suportava mais a pressão da perseguição.

Baixe a lista completa de praticantes sentenciados

Reportagens relacionadas:

Por sua fé, 109 praticantes do Falun Gong foram condenados a prisão em janeiro e fevereiro de 2019

52 praticantes do Falun Gong sentenciados à prisão em janeiro de 2019 por não desistirem de sua fé

Relatório do Minghui: 43 sentenças de prisão em março de 2019 por recusa a renunciar à fé no Falun Gong

38 praticantes do Falun Gong na China condenados à prisão em abril de 2019 por se recusarem a renunciar à sua crença