Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Cataratas do Niágara turistas conhecem o Falun Dafa

6 de Julho de 2019 |   Por um correspondente do Minghui em Toronto

(Minghui.org) Os praticantes do Falun Dafa visitam regularmente as Cataratas do Niágara desde o verão passado para informar às pessoas sobre o Falun Dafa e sobre a perseguição na China. Muitas das pessoas com quem entraram em contato são gratas pela informação, e muitos turistas chineses decidiram renunciar suas filiações ao Partido Comunista Chinês (PCC) depois de conhecerem a brutalidade da perseguição aos praticantes do Falun Dafa.

Localizada na fronteira de Ontário, no Canadá, e Nova York, nos Estados Unidos, as Cataratas do Niágara são um famoso local turístico que atrai cerca de 20 milhões de turistas por ano. Como as principais cachoeiras e as melhores vistas estão do lado canadense, os praticantes de Toronto viajam uma hora e meia todos os dias para apresentar a antiga prática de meditação às pessoas.

Os praticantes do Falun Dafa fazem os exercícios perto das Cataratas do Niágara.

Relaxamento e benefícios para a saúde

Os turistas aprendem os exercícios com os praticantes.

Sayed Hassamudin, do Paquistão, veio para as Cataratas do Niágara com seus amigos. Embora essa tenha sido a primeira vez que ele ouviu falar sobre o Falun Dafa, ele ficou impressionado depois de ver os praticantes meditando e parou para aprender os exercícios. "Logo depois de fazer o primeiro exercício, notei que esses exercícios me deixaram relaxado", disse ele.

Mir e Shraf, dois irmãos do Afeganistão que estavam viajando com Sayed, esperaram pacientemente enquanto ele aprendia os exercícios. Eles tiraram fotos e filmaram os exercícios e disseram que iriam ler sobre a prática depois de voltar para casa. Quando eles ficaram sabendo das graves violações dos direitos humanos contra os praticantes do Falun Dafa na China, eles assinaram uma petição pedindo à sociedade internacional para ajudar a acabar com a brutalidade na China.

Inga, da Rússia, aprendeu os exercícios em pé e a meditação sentada.

Inga, da Rússia, não tinha ouvido falar sobre o Falun Dafa antes. Ela aprendeu os exercícios em pé e a meditação sentada. "Isso é incrível!", exclamou ela. Ela afirmou que suas costas estavam um pouco dormentes antes de fazer os exercícios, mas agora ela se sentia muito melhor, e suas mãos estavam quentes, com energia. “Eu definitivamente irei ler mais no FalunDafa.org”, acrescentou ela.

"É surpreendentemente bom"

Scott aprendeu os exercícios e diz que aprenderá mais no site do Falun Dafa.

Scott de Grimsby, Ontário, recentemente se formou na faculdade e encontrou um emprego. Ele tinha visto praticantes se exercitando em Mississauga e outros lugares, e pensou em tentar a meditação, mas ainda não havia tido uma chance. "Estou feliz por finalmente ter experimentado hoje: [o Falu Dafa] é surpreendentemente bom", disse ele. Ele afirmou que planeja continuar aprendendo através do site do Falun Dafa.

George e Sarah são irmãos, do Egito. Eles conversaram com os praticantes e depois aprenderam os exercícios. George é um estudante universitário com especialização em ciência e tecnologia; Sarah estuda política. "Estamos ambos muito interessados [no Falun Dafa] e os praticantes são muito prestativos", disse Sarah. "É uma experiência muito boa fazer os exercícios. É muito relaxante; como se a energia fluísse pelo meu corpo", acrescentou seu irmão.

Um grupo do ensino médio do México também se juntou aos praticantes para aprender a meditação. "É muito bom e todos gostamos!", disse Karla. “Estamos muito felizes em conhecê-los [os praticantes do Falun Dafa] aqui e isso torna nossa viagem muito especial”, disse Jennifer com um sorriso.

Turista chinês: “Eu nunca ouvi falar disso antes”

Embora o Falun Dafa tenha sido apresentado pela primeira vez ao público na China, muitos chineses foram enganados pela propaganda de ódio do PCC nos últimos 20 anos. Por essa razão, os praticantes fora da China geralmente vêm para as Cataratas do Niágara e outros locais turísticos para ajudar os turistas chineses a conhecerem a verdade sobre a propaganda caluniosa. "Depois que expliquei a eles o que o PCC fez no passado para prejudicar pessoas inocentes, 56 turistas chineses concordaram em renunciar às organizações do PCC hoje", disse Zhang, uma voluntária, em 22 de junho de 2019.

Um dos turistas, Zhang, tirou fotos do grupo de praticantes meditando e pediu materiais para ler. Ele disse: “Seus exercícios parecem bons. É difícil ver algo assim na China, porque muitas coisas estão bloqueadas por lá”. Quando um praticante falou sobre como os praticantes eram maltratados na China por sua crença, ele concordou e disse que o regime estava cometendo más ações desde a sua criação. Quando ele ouviu falar sobre a renúncia às organizações do PCC, ele ficou muito interessado: “Eu nunca ouvi falar disso antes”. No final, ele renunciou às organizações juvenis do PCC: a Liga da Juventude e os Jovens Pioneiros.

A Sra. Zhao é uma estudante no Canadá. Ela veio para as Cataratas do Niágara com seu pai, da China, que estava visitando-a. O pai inicialmente não queria ouvir os praticantes, mas sua filha estava curiosa para conhecer mais sobre o Falun Gong. Um praticante disse a ela que, como todos haviam prometido dedicar sua vida ao regime do PCC quando eles se juntaram às suas várias organizações, cada pessoa deve formalmente anunciar que renunciou às organizações. A filha assentiu e concordou em fazê-lo. O pai também ficou intrigado. Ele não apenas renunciou à sua filiação às organizações do PCC que ele havia se juntado no passado, mas também agradeceu sinceramente aos praticantes, curvando-se com as mãos na frente de seu peito.

O Sr. Li, que está estudando pós-doutorado na Universidade de Toronto, veio para as Cataratas do Niágara com sua mãe. Um praticante conversou com eles sobre os benefícios que ela obteve da prática e sobre os relacionamentos cármicos mencionados na cultura tradicional chinesa, e o Sr. Li ficou interessado. No final, tanto ele quanto sua mãe decidiram renunciar às organizações do PCC que haviam se filiado. Eles também ficaram surpresos ao ouvir que o Falun Dafa está sendo praticado em mais de 100 países e que os ensinamentos foram traduzidos para mais de 40 idiomas. “Estou feliz por estarmos aqui hoje. Obrigado por nos contar tudo isso”, disse o Sr. Li.