Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Recordando o apelo pacífico de 25 de abril em Pequim em 1999

29 de Abril de 2019 |   Por uma praticante do Falun Gong na China

(Minghui.org) Eu participei do apelo pacífico em 25 de abril de 1999, em Pequim. A razão pela qual quase 10 mil praticantes do Falun Gong foram protestar, foi que dezenas de praticantes do Falun Gong em Tianjin, uma cidade a cerca de 100 quilômetros a leste de Pequim, foram presos e espancados pela polícia.

Ainda me lembro vividamente das cenas daquele dia. Um grande número de praticantes foi ao Escritório de Apelações do Estado para solicitar a libertação dos praticantes de Tianjin. A seguir estão alguns relatos do que eu experimentei naquele dia.

Posicionamento dos praticantes fora do Gabinete de Recurso do Estado

Eu ouvi sobre a ação da polícia de Tianjin prendendo e espancando os praticantes do Falun Gong em 24 de abril. O governo de Tianjin havia indicado que somente a administração de nível superior poderia resolver a questão.

No dia 25 de abril, depois de participar de aulas matinais e cuidar do meu filho fui ao Escritório de Apelações do Estado na Rua Xi'anmen, em Pequim. Eu vi outros praticantes que chegaram mais cedo no lado oeste da Rua Fuyou. Eu estava na parte sudoeste do cruzamento das Ruas Fuyou e Xi'anmen.

A Rua Xi'anmen tinha muitos veículos e pedestres naquele dia. Os praticantes do Falun Gong estavam em duas ou três fileiras ao lado da rua. A calçada não estava bloqueada. Bicicletas que poderiam bloquear a beira da estrada foram rearranjadas. O tráfego era ordenado e suave, sem congestionamento.

A Rua Xi'anmen tinha mercadores, pequenas lojas e casas particulares. Evitamos bloquear as entradas e saídas das lojas e casas. A limpeza das ruas foi mantida.

Mais praticantes dos subúrbios de Pequim e de outras províncias continuaram a vir. Quanto mais pessoas se juntavam, mais eu me movia lentamente para o lado oeste. Eu encontrei uma praticante que eu conhecia. Nós ficamos juntas. Mais tarde, soube que a maioria dos praticantes que eu conhecia tinha chegado e ficado na Rua Fuyou, na Rua Chang'an ou na Rua Xi'anmen.

De boca em boca a mensagem é transmitida

Ouvi dizer que muitos praticantes se alinharam e a fila tinha mais de um quilômetro de extensão. Havia muitos policiais que faziam vídeos dos praticantes. Eu decidi dar uma olhada e ver o que estava acontecendo.

Eu andei para o sul na Rua Fuyou. Eu vi praticantes de pé em três a quatro filas. Eu não pude ver o final das filas. Muitos se levantaram e leram livros. Veículos da polícia estavam estacionados na rua.

Um policial estava na beirada da rua e fumava. Havia poucos pedestres. Eu pensei que, se acontecesse algum problema, os praticantes que ficassem sabendo contariam a todos. Então voltei para onde eu estava antes.

Mais tarde, na direção da Rua Fuyou, os colegas praticantes perguntaram um para outro: Existe um representante para falar com os funcionários do governo? Mais tarde, uma mensagem veio novamente: alguns colegas praticantes entraram. Então nós apenas esperamos.

O céu estava escuro e ainda não havia notícias. Então eu esperei no mesmo lugar. Mais alguns carros da polícia vieram.

Às 21 horas, na direção da Rua Fuyou, os praticantes transmitiram a mensagem de que o primeiro-ministro havia se manifestado e Tianjin havia libertado os praticantes que estavam sendo detidos. A mensagem permitiu que todos saíssem. Mas ninguém saiu imediatamente. Nós esperamos até que fosse confirmado, então todos começaram a sair.

Eu deliberadamente esperei um pouco para ver o que eu poderia fazer. Eu vi alguém segurando uma sacola plástica e pegando lixo no chão. Logo, quase não havia ninguém por perto. Eu também fui embora de bicicleta.

Os praticantes do Falun Gong seguem a Verdade-Compaixão-Tolerância. O protesto pacífico de 25 de abril foi realizado pacificamente. Por inveja, Jiang Zemin, o ex-chefe do Partido Comunista Chinês que iniciou a perseguição ao Falun Gong, usou o evento para tentar difamar os praticantes retratando o protesto pacífico como "sitiando a Sede Geral do Governo". A brutal perseguição contínua até hoje.