Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Toronto: O documentário “Carta de Masanjia” de um campo de trabalhos forçados chinês é exibido em festival

9 de Maio de 2018 |   Por Zhang Yun, correspondente do Minghui

(Minghui.org) A “Carta de Masanjia”, um documentário sobre um campo de trabalhos forçados na China, foi exibida em 27 de abril de 2018, no 25º Festival Internacional de Documentários Canadense Hot Docs, o maior do gênero na América do Norte. O feedback do público foi muito positivo.

O festival começou em 26 de abril e termina em 6 de maio. Entre os mais de 3 mil documentários enviados, os juízes selecionaram 246. A “Carta de Masanjia” foi exibida em 27 e 29 de abril e será exibida novamente em 4 de maio.

A plateia aplaude a “Carta de Masanjia” no 25º Festival Internacional de Documentários Canadense Hot Docs em Toronto.

Uma carta que cruzou o oceano

A carta em uma decoração de Halloween feita na China foi encontrada em Oregon em 2012.

A carta começa:

Senhor: Se você ocasionalmente comprar este produto, por favor, reenvie esta carta para a Organização Mundial de Direitos Humanos. Milhares de pessoas que estão aqui estão sendo perseguidas pelo governo do Partido Comunista Chinês e vão agradecer e lembrar de você para sempre.”

Esta carta foi encontrada quando Julie Keith, residente no Oregon, abriu um brinquedo de Halloween que comprou de uma loja em outubro de 2012. Depois de postar nas redes sociais, ela foi coletada e divulgada pelo jornal local, CNN, New York Times e outras agências de notícias. A Agência de Imigração e Alfândega dos EUA, uma agência de aplicação da lei sob o Departamento de Segurança Interna, também iniciou sua investigação.

A pessoa que escreveu a carta foi Sun Yi, um praticante do Falun Gong detido no Grupo 8 da Divisão 2 no Campo de Trabalhos Forçados de Masanjia. Além de suportar tortura severa e prolongada, ele foi obrigado a fazer trabalho escravo por cerca de 20 horas por dia. Produzindo brinquedos de Halloween, ele arriscou sua vida e secretamente colocou mais de 20 dessas cartas em mercadorias feitas pelos detidos. Os brinquedos foram enviados para os Estados Unidos e um deles foi comprado por Keith.

Sun Yi, que ficou detido No Campo de Trabalho Masanjia por sua crença, escreveu mais de 20 dessas cartas.

Julie Keith conseguiu encontrar Sun e mostrar-lhe a carta.

Leon Lee, diretor e produtor de filmes, um dos quais ganhou o prêmio Peabody, conseguiu encontrar Sun e perguntar sobre sua experiência no campo de trabalho. Depois de ouvir que Sun era engenheiro e havia sido enviado ilegalmente para o campo de trabalho por causa de sua crença no Falun Gong, Lee decidiu produzir um documentário sobre esse assunto.

As imagens foram filmadas secretamente na China, onde Sun conseguiu documentar sua vida enquanto era vigiado de perto pela polícia. Ele também visitou pessoas que haviam sido detidas no Campo de Trabalho Masanjia antes dele. Baseado em informações e ilustrações fornecidas por Sun, o filme também contém animações que mostram o tratamento brutal que Sun sofreu no campo de trabalho.

Leon Lee, diretor e produtor com Keith no festival de cinema.

Um produto com corpo e alma

“Sun não é um cineasta profissional. Outros produzem filmes com técnicas, enquanto Sun fez isso com o coração e a alma”, explicou Lee. Ele e sua equipe não apenas obtiveram materiais e informações de Sun, como também se beneficiaram de seu incentivo e motivação constantes. “Às vezes nos perdíamos e não sabíamos o que fazer a seguir. Sun sempre foi otimista, dizendo que estaria tudo bem. Ele então tinha uma ideia e depois começava a trabalhar nela. Somos gratos a ele por sua coragem, perseverança e otimismo”.

Um grande esforço foi feito para apresentar a tortura que Sun sofreu no campo de trabalho. “Incluímos algumas animações para ilustrar os métodos de tortura. O design e os esboços foram todos de Sun. Pudemos ver que sua mente estava em paz porque ele não queria mostrar fotos aterrorizantes. Em vez disso, ele só queria mostrar o que havia acontecido. Nós convertemos seus esboços em animações para torná-lo mais realista e vívido”.

Sun também entrevistou outras pessoas envolvidas na perseguição. “Ele sofreu tremendamente, mas foi capaz de descrever essas experiências com calma e sem ressentimento. Através de sua tranquilidade, pudemos sentir sua tolerância”, acrescentou Lee. Ele disse que Sun perdoou aqueles que o maltrataram e o torturaram. Essas pessoas ficaram impressionadas com isso, e duas delas testemunharam no documentário.

“Sun tem uma natureza gentil, que está apoiada em uma crença espiritual muito forte”, disse Lee. “Eu acho que os dois estão conectados. Como ele explicou no documentário, ele está disposto a sacrificar muito por sua crença. Ele disse e fez isso”.

Sun foi preso novamente durante a realização do filme na China. Ele conseguiu fugir para a Indonésia, onde pôde se encontrar com Lee e Keith. Sabendo que Keith tinha viajado uma longa distância para vê-lo, mesmo muito pobre, ele comprou uma flor para ela.

O poder da compaixão

O maior festival de documentários da América do Norte, o Hot Docs Festival foi fundado em 1993 e atrai mais de 200 mil pessoas e críticos todos os anos.

Shane Smith, diretor de programação da Hot Docs, ficou impressionado com o filme. Ele disse que a “Carta de Masanjia” realmente mostrou o poder da compaixão.

Mariam Zaidi, programadora associada do festival, disse que assistiu ao documentário do começo ao fim, completamente envolvida. Ver o que acontece aos prisioneiros de consciência na China a chocou.

Feedback do público

O contador Jason Donn disse que este foi o melhor filme que ele viu em muitos anos e que o ajudou a ver a verdadeira China.

Muitos membros da audiência disseram que foram tocados pelo filme, não apenas por causa do que Sun sofreu por sua crença, mas também por causa de sua coragem de filmá-lo e apresentá-lo ao público. Eles disseram que seu senso de calma e capacidade de perdoar realmente os comoveu. Vários expressaram sua esperança de que Sun e os outros permaneçam seguros e que a supressão na China termine em breve.

Des Maynard, um empreiteiro de construção, comentou a importância do filme.“Mais pessoas precisam ver isso.Também espero mais cobertura da mídia sobre isso ”, observou. Ele disse que fez negócios com a China, mas que não estava ciente de quão sérios eram os problemas. Ele aprendeu que a situação real é muito pior do que ele pensava. "Estou pensando sobre o que podemos fazer para ajudar", ele disse. “O Falun Gong traz saúde e paz. A perseguição está totalmente errada.”

A cineasta Erin Kökdil viu a introdução do documentário e assistiu ao filme.“Desde a introdução, achei que o filme teria um final feliz, ou seja, que Sun voltaria para sua família. Aparentemente, o partido comunista mudou tudo ”, disse ela.

Brian, pesquisador de câncer em Toronto, disse que o filme deu a ele algumas novas perspectivas sobre a China. “Eu sinto que o nosso entendimento da China é como a impressão que uma pessoa cega tem de um elefante – difícil de ver a imagem inteira”. Ele disse que o documentário foi inédito e poderoso. Ele ficou impressionado com o grande impacto que a carta teve, como um catalisador, ajudou a acabar com o sistema de campos de trabalho na China.

A sua namorada Ha-Doan, gerente de uma empresa, havia lido sobre a carta em uma decoração de Halloween há alguns anos. No filme, ela aprendeu sobre a tortura que Sun sofreu no Campo de Trabalho Forçado de Masanjia e ainda viu como ele foi capaz de manter uma atitude positiva.

Ela disse que as palavras da carta a tocaram. “Ele [Sun] é honesto e gentil e parece não ter pensamentos negativos”.