Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

De São Francisco a Nova York, o apelo pacífico é lembrado e comemorado

8 de Maio de 2018 |   Por correspondentes do Minghui em São Francisco, Chicago, Las Vegas e Nova York

(Minghui.org) “Eu farei o meu melhor para contar à minha família e amigos o que eu vi aqui”, disse Nancy em San Francisco, “A minha voz pode ser fraca. Mas a tragédia que essas pessoas inocentes têm experimentado na China cortou meu coração. É horrível demais para nós ignorarmos.”

Nancy, que mora em Oakland, disse que viu praticantes do Falun Gong na Union Square em 21 de abril. Impressionada pelos exercícios suaves, ela não podia imaginar que tal prática de meditação pacífica esteja sendo suprimida na China nos últimos 19 anos. Um grande número de praticantes foi preso, detido, torturado ou até morto por seus órgãos pelo governo comunista na China.

Em muitas cidades dos Estados Unidos e de outros países, os praticantes do Falun Gong vêm aumentando a conscientização sobre o apelo pacífico ocorrido em 25 de abril de 1999 em Pequim. Após a prisão ilegal de dezenas de praticantes em Tianjin, os praticantes foram orientados por autoridades a irem a Pequim para resolver esse problema. Quando 10 mil praticantes foram ao Escritório Central de Apelações em Pequim, ficaram do lado de fora em uma manifestação silenciosa e explicaram a situação do Falun Gong a autoridades do governo, o apelo pacífico foi rapidamente resolvido pelo então primeiro-ministro Zhu Rongji. No entanto, o então líder do Partido Comunista Jiang Zemin lançou uma campanha nacional contra o Falun Gong em julho que continua até os dias de hoje.

Abaixo estão os artigos sobre eventos recentes em São Francisco, Chicago, Las Vegas e Nova York. A cobertura de atividades em outros locais pode ser encontrada aqui.

São Francisco

Os praticantes demonstram os exercícios do Falun Gong na Union Square, em San Francisco, em 21 de abril de 2018.

Setareh Taghvaei é uma arquiteta que vive em São Francisco. Esta foi a primeira vez que ela viu praticantes fazendo os exercícios do Falun Dafa, e disse que podia sentir uma forte energia. Ela expressou admiração pela perseverança dos praticantes em sua fé e espera que a tragédia na China acabe em breve.

Os pedestres leem cartazes, conversam com os praticantes e aprendem os exercícios.

Zhang Xinyu, analista de TI que trabalha na área da Baía de São Francisco, disse que não sabia muito sobre o Falun Gong até ver um relato na televisão sobre o apelo pacífico em Pequim, ficou curioso e começou a ler Zhuan Falun, o principal livro do Falun Gong. “O livro respondeu minhas perguntas sobre a vida e a sociedade. Também ensina a ser uma pessoa melhor”, ele disse.

Como a perseguição na China ainda está em andamento, Zhang espera que esses eventos possam ajudar as pessoas a aprender o que é o Falun Gong e ajudar a deter a repressão de 19 anos.

Vigília à luz de velas em San Francisco.

"Não importa em que você acredita, as palavras Verdade-Compaixão-Tolerância são valores universais e eles mudariam nosso mundo para melhor", disse Nancy.

Chicago

Em 21 de abril, a cerca de 3 mil quilômetros de distância, os praticantes realizaram uma coletiva de imprensa em frente ao Consulado da China em Chicago. Alguns praticantes falaram sobre como o apelo pacífico em 1999 os afetou pessoalmente e à China em geral.

Conferência de imprensa de praticantes em frente ao Consulado da China em Chicago no dia 21 de abril.

A sra. Cheng, que vivia em Pequim durante o apelo de 25 de abril, disse que muitos praticantes ao seu redor ouviram falar sobre o artigo da revista que difamava o Falun Gong e que os praticantes em Tianjin haviam sido presos. Eles discutiram um com o outro e decidiram ir ao escritório de recursos em Pequim no dia seguinte.

"Todos nós nos beneficiamos com os exercícios, e era natural para nós falar e agir de acordo com a nossa consciência", lembrou a sra. Cheng, "Nós apenas ficamos lá sem fazer qualquer barulho. Entre os praticantes, havia médicos, estudantes, soldados e atrizes. Nós não causamos problemas e deixamos uma boa impressão no público.”

O sr. Yang, que morava na Universidade de Tsinghua na época, ouviu falar por um praticante da prisão em massa de praticantes em Tianjin. A polícia havia dito que a questão poderia ser resolvida se os praticantes fossem apelar em Pequim.

Naquele dia, o sr. Yang conheceu uma praticante da Alemanha que estava visitando sua mãe em Pequim. Ela disse que ela e sua mãe tiveram uma melhora na saúde depois de aprenderem o Falun Gong. Ela acrescentou que as pessoas no exterior eram livres para praticar, que o governo chinês não deveria restringir as atividades dos praticantes, e que ela queria que o governo permitisse um ambiente no qual se praticasse o Falun Gong.

Las Vegas

Em 22 de abril, os praticantes realizaram uma demonstração de exercícios em grupo e uma vigília à luz de velas na Chinatown de Las Vegas em 22 de abril.

Os praticantes em Las Vegas foram a Chinatown na noite de 22 de abril, onde demonstraram os exercícios do Falun Gong e realizaram uma vigília à luz de velas para aqueles que perderam suas vidas na perseguição na China.

Vendo os banners sobre o apelo de 25 de abril e aqueles que pediam para parar os crimes da extração forçada de órgãos na China, um motorista abriu a janela do carro e incentivou os praticantes: “Obrigado por fazer isso. Vou contar aos meus amigos sobre isso!

David Scott, que administra uma empresa de fornecimento de bebidas em Austin, estava em férias com a esposa. Ele estava fazendo uma caminhada e ficou surpreso ao ver os banners dos praticantes. Depois de aprender sobre a perseguição, ele disse que compartilharia as informações nas mídias sociais.

Nova York

Praticantes marcham em Flushing em 22 de abril de 2018.

Os praticantes realizaram uma marcha em Flushing em 22 de abril, que começou na 41ª Avenida, prosseguiu pela Main Street, Sanford Avenue, Kissena Boulevard, e terminou na Queens Library.

A residente local Margaret elogiou os praticantes pelo desempenho. “É ótimo para todas as idades e vejo pessoas de todas as idades no grupo. É ótimo! ” Outro morador chamado Leslinton disse: “Todos devem ter [verdade, compaixão, tolerância], que são valores universais, valores muito puros”.

O sr. Li, um advogado de direitos humanos da China continental, defendeu o direito dos 24 praticantes à liberdade de crença. Ele disse que o Partido Comunista contradiz os valores tradicionais e muitas vezes persegue as pessoas sem motivo. “Espero um dia ver eventos como este na China", acrescentou.

Praticantes desfilam em Flushing.

Bai Jiemin disse que sofreu tremendamente na China por causa do regime comunista. Vindo de Xangai, ele e peticionários visitaram várias agências governamentais para apelar pela restituição por perdas financeiras e abusos de direitos humanos, mas ninguém aceitou seus casos. Ele não teve escolha senão fugir da China para os Estados Unidos. "O Partido Comunista não tem futuro porque ele é ruim", disse ele.

O sr. Wei Libin, que havia chegado dez dias antes de Hangzhou, China, disse que aprendeu sobre o Falun Gong on-line através de um software anti-censura. Ele já havia sido enganado pela propaganda do Partido Comunista, mas disse que "depois veio a saber que os praticantes são realmente muito compassivos e verdadeiros".

Artigos relacionados em chinês:

纪念四二五二五二五旧金山旧金山旧金山传真相(图)

芝加哥纪念四二五集会 - 学员忆上访经历(图)

拉斯维加斯学员纪念四四二五和平上访十九周年(图)