Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

França: Comemoração do apelo do dia 25 de abril com apoio dos membros da Assembleia Nacional

12 de Maio de 2018 |   Por um praticante do Falun Gong na França

(Minghui.org) Em 25 de abril de 2018, os praticantes do Falun Gong realizaram uma manifestação na Place André Tardieu, perto da Embaixada da China em Paris, França, para comemorar o 19º aniversário do apelo pacífico em Pequim.

Mais de 10 mil praticantes do Falun Gong se reuniram em Pequim em 25 de abril de 1999 para solicitar a libertação de 45 praticantes que haviam sido presos injustamente em Tianjin, uma cidade a leste de Pequim. A prisão foi somente uma de uma série de casos de assédio pelas autoridades chinesas que culminaram com a perseguição nacional do Falun Gong em julho de 1999.

Os praticantes do Falun Gong demonstram os exercícios em 25 de abril de 2018.

O Sr. Tang Hanlong da Associação Francesa do Falun Dafa falou na manifestação. Ele lembrou do apelo há 19 anos e condenou a perseguição brutal do Partido Comunista Chinês (PCC). Centenas de milhares de praticantes do Falun Gong foram encarcerados em campos de trabalhos forçados e prisões. Milhares de pessoas foram torturadas até a morte e outras foram mortas por seus órgãos. Ele pediu ao atual regime chinês que pare a perseguição e leve os perpetradores à justiça.

O Sr. Tang Hanlong da Associação Francesa do Falun Dafa fala na manifestação.

A Sra. Danielle Brulebois, membro da Assembleia Nacional Francesa, disse que sempre apoiou os esforços pacíficos dos praticantes contra a perseguição.

O secretário da Mesa da Assembleia Nacional e a deputada Danielle Brulebois enviaram uma carta de apoio aos praticantes.

Na carta, ela afirmou: “A gentileza e a tolerância que caracterizam sua associação são valores que compartilho e defendo todos os dias. A sua luta, a qual nos faz lembrar do horror da extração forçada de órgãos na China, me fez reagir. Recentemente, dirigi uma carta escrita ao Ministro da Europa e dos Negócios Estrangeiros sobre estas práticas desumanas.

“A França, particularmente por meio de seus acordos internacionais, denuncia regularmente o tráfico de seres humanos em todo o mundo e, particularmente, a extração de órgãos com a Convenção de Palermo. Os esforços de nosso país para combater essas práticas devem continuar e crescer”.

Carta de Danielle Brulebois, membro da Assembleia Nacional da França, representando La Republique En Marche.

Apoio de transeuntes

O consultor de alta tecnologia e gerente de projetos de inteligência artificial, Alain De Kerlan, disse depois de aprender sobre a perseguição: “Estou indignado. Como uma nação pode perseguir um grupo de pessoas que buscam o auto-aperfeiçoamento para se elevarem? Isso viola o primeiro artigo da Declaração Universal dos Direitos Humanos ”

Ao saber da extração forçada de órgãos de praticantes vivos sancionada pelo governo chinês, ele disse: “Estou muito chocado. A chamada extração de órgãos, que é feita à força de pessoas vivas, não pode ser tolerada. Reitero que isso contraria todas as declarações de direitos humanos e é um crime demoníaco. Apoiamos você e todos os franceses estão do seu lado.”

Alain De Kerlan, gerente de projetos, deu seu apoio aos praticantes do Falun Gong.

Emmanuel, um funcionário de tecnologia da informação que trabalha em Paris disse: “Eu não sei muito sobre o que está acontecendo na China, então parei para dar uma olhada. Eu estou surpreso. Nós não sabemos de suas dificuldades na China. Isso é miserável.

“Os direitos humanos são importantes. É difícil imaginar que a extração de órgãos de pessoas vivas ocorra na China. Esta notícia deve ser divulgada.

O professor de piano Grégoire Penalba disse que a perseguição ao Falun Gong é uma vergonha para a China. A guia de turismo Meryl Bouffils encorajou os praticantes a “continuarem com essas petições pacíficas para que o mundo inteiro saiba”.

O professor de piano, Grégoire Penalba, e a guia de turismo, Meryl Bouffils, (à direita).

Patricia Scagnetti, uma parisiense.

Patrícia Scagnetti, uma parisiense, disse: “Eu apoio este evento porque apoio a liberdade de pensamento. Sou contra o tráfico de órgãos, seja qual for a circunstância.”

Sobre a perseguição, ela disse:“ Não posso aceitar isso. Isso viola todos os direitos humanos. Eu participarei se vir uma petição ou coleta de assinaturas no futuro”.

Os pedestres conversam com os praticantes do Falun Gong e assinam uma petição pedindo o fim da perseguição na China.