Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

[Celebração do Dia Mundial do Falun Dafa] Falun Dafa a partir da perspectiva de um ocidental

11 de Maio de 2018 |   Por uma praticante do Falun Dafa fora da China

(Minghui.org) Eu sou uma praticante em meus trinta e poucos anos. Eu sou caucasiana e atualmente moro em um país ocidental, mas nasci em uma antiga república socialista na Europa. Minha busca por educação superior, trabalho e viagens me levou a muitos lugares ao redor do mundo e gosto de me considerar uma cidadã do mundo.

Conheci o Falun Dafa há 11 anos por uma ocidental. Todos os princípios básicos do Falun Dafa ressoaram comigo conforme ela estava me contando sobre a prática. Antes de mais nada, eu queria aprender os exercícios e quando o fiz senti uma forte rotação em meus braços e sensações diferentes, as quais li no livro mais tarde. Que experiência foi essa! Eu não tinha nenhum conhecimento prévio sobre coisas que os praticantes podiam experimentar enquanto praticavam, e quando eu li sobre essas coisas no livro, ficou claro para mim que eu não podia imaginá-las.

Essa experiência foi o meu primeiro impulso para continuar lendo o Zhuan Falun – foi um pequeno empurrão para a frente.

Para ser perfeitamente honesta, muitas das coisas mencionadas no livro eu achei um pouco difícil de entender no nível superficial a princípio, mas meu instinto me dizia continuar lendo e não analisar demais ou julgar antes de terminar. Eu me senti tão tranquila lendo o livro. Olhando para a foto do autor, o Sr. Li Hongzhi, senti profundo respeito. Meu sentimento geral era: "Falun Dafa é algo realmente bom!"

Eu sofri de enxaqueca por muitos anos, mas depois de praticar o Falun Dafa por alguns meses, meu amigo me perguntou por que eu não reclamava mais de enxaqueca. Só então percebi que não tinha mais dores de cabeça. Quão fácil é para nós, seres humanos, sermos complacentes quando tudo corre bem. Eu fiquei muito grata.

Eu naturalmente perdi o desejo de beber álcool, e meus amigos e colegas acharam isso estranho no começo, quando eu ia em reuniões sociais com eles. A verdade é que eu genuinamente não tinha necessidade de nenhuma substância para me fazer sentir bem. Ser uma praticante do Dafa me deu uma sensação de bondade que eu não quis obscurecer com qualquer substância. Quando os outros viram que eu não estava lutando ou fingindo esse sentimento, eles naturalmente pararam de forçar isso sobre mim.

Muitos dos meus problemas anteriores, incluindo depressão, foram muito aliviados depois que comecei a praticar o Dafa. O cultivo no Dafa é um processo de se examinar, ensinando como posso fazer o bem, alinhando-me com princípios que são bons para a alma, para a mente e para as pessoas ao meu redor. Eu já havia praticado e lido sobre alguns caminhos espirituais diferentes antes, mas o Zhuan Falun foi o livro mais abrangente e direto para mim. Era tão natural me tornar uma praticante do Dafa. Isso era algo que pertencia ao mundo inteiro, e de forma alguma eu senti que era algo apenas para os chineses.

Meu trabalho e viagens me levaram a interagir com muitos chineses nos últimos anos. Fiquei muito surpresa com o fato de muitos deles terem tido uma atitude tão negativa em relação a algo que eu achei ser a mais avançada filosofia de vida e que me deu tanta sabedoria e paz de espírito.

Percebi que muitos chineses com quem conversei ficaram surpresos por eu ser bem instruída, ter um bom emprego e viajar pelo mundo e ficar feliz em me socializar e me comunicar abertamente com eles. Eles tinham essa visão de que os praticantes do Falun Dafa de alguma forma “não batiam bem da cabeça”, eram pobres e não eram modernos.

Na verdade, quanto mais eu cultivava meu caráter, mais produtiva eu era no trabalho e até minha situação financeira melhorou consideravelmente. Eu me perguntei: "Por que eles estão tão determinados a ver os praticantes do Falun Dafa sob uma perspectiva ruim, quando a realidade é exatamente oposta?"

Eu ensino estudantes de pós-graduação a pensar criticamente e fazer uma extensa pesquisa, então fiz minha extensa pesquisa sobre o Partido Comunista Chinês (PCC) e sua política de perseguição contra o Falun Gong. Quando existem visões diametralmente opostas sobre uma questão tão grande que preocupa milhões de pessoas, fazer uma pesquisa abrangente é totalmente justificável.

Depois de fazer minha pesquisa e formar minha opinião, perguntava a muitos chineses que eu encontrava para me esclarecer exatamente por que eles tinham uma atitude negativa em relação ao Dafa. Nenhum deles me deu uma resposta sucinta respaldada por suas próprias ideias. Nenhum.

Tudo o que eu já ouvi foram repetições das informações que eu sabia que tinham sido apresentadas a eles pela mídia do PCC ou coisas coloridas pela ideologia marxista. Mas essa ideologia é apenas uma das muitas que existem na história da humanidade. Por que existe esse medo de fazer mais pesquisas? Eles estão realmente sendo bem informados?

Muitos dos chineses com quem falo ficam surpresos quando eu digo a eles que muitos de nós ocidentais estão tão impressionados com o Falun Dafa, que é precisamente por causa do Falun Dafa que estamos interessados na China, e que muitos de nós até estudamos chinês. Mais uma vez, às vezes eles não acreditam em mim. Eu me pergunto o que os está impedindo?

Naturalmente, muitos deles ficam intrigados com nossas conversas e continuam fazendo suas próprias investigações. Que ótimo! Sendo uma ocidental, e sabendo que a educação é muito importante, eu gostaria de encorajar tanto as pessoas na China quanto ao redor do mundo a se educarem sobre o Falun Dafa.

Não ecoe minha palavra, ou de qualquer outra pessoa. Ninguém pode forçar alguém a acreditar em qualquer coisa de qualquer maneira. Dedique-se genuinamente a ler, tente não debater sobre o que está lendo enquanto o lê. Dê a si mesmo o tempo para terminar o livro, informe-se sobre eventos passados de mais pontos de vista, veja as evidências disponíveis, procure um praticante do Dafa para uma conversa aberta e eduque-se.

Tenho a sensação de que muitas pessoas estão preocupadas com o fato de que, se elas se envolverem profundamente no assunto, elas acham que terão que se tornarem praticantes. Não há afiliações, taxas ou listas de nomes no Falun Dafa. Eduque-se sobre o que é considerado por muitos o maior movimento espiritual de nossos tempos, descubra sobre a perseguição na China, procure filmes documentais sobre o assunto e veja onde sua pesquisa o levará.

Minhas experiências ao longo dos últimos 11 anos de cultivo do Falun Dafa têm sido instigantes, construíram meu caráter e foram altamente produtivas em meu caminho de me tornar uma pessoa responsável e produtiva na sociedade e, é claro, naa minha família.

Este mundo precisa de verdade, compaixão e tolerância. Tenho certeza de que todos podem concordar com isso. Espero que o Dia Mundial do Falun Dafa de 2018 possa ser um bom ponto de partida para pesquisas com a mente aberta – para todos nós.

Vamos manter esta conversa.

Feliz Dia Mundial do Falun Dafa a todos!

(Submissão para comemorar o Dia Mundial do Falun Dafa de 2018 no site do Minghui)