(Minghui.org) Entre o Ano Novo e o Festival da Primavera da China (Ano Novo Lunar), os praticantes do Falun Gong participaram em todos os tipos de celebrações, contribuindo para suas comunidades e apresentando ao público esta antiga prática de cultivo chinês.

Este boletim abrange os eventos na Austrália, Nova Zelândia, Inglaterra, Grécia, Bulgária e Estados Unidos.

Austrália

Em 22 de janeiro, os praticantes de Melbourne foram convidados a fazer apresentações com tambores da cintura e uma dança de leques na Celebração do Ano Novo Lunar na Avenida Vitória, patrocinada pela comunidade vietnamita.

Apresentação de tambores na parada no Ano Novo Lunar

Dança de leques dos praticantes

Apresentando o Falun Gong aos turistas

Quatro dias depois, os praticantes participaram na celebração do Dia da Austrália no Kings Domain Park, em Melbourne. Além de ensinar os exercícios, os praticantes também promoveram a conscientização sobre a perseguição ao Falun Gong na China, particularmente as atrocidades da extração forçada de órgãos sancionada pelo Estado chinês.

Demonstrando os exercícios na celebração do Dia da Austrália

Sonia Dhillon, consultora do membro do parlamento federal Tim Watts, conversou por longo tempo com os praticantes em seu estande.
Dhillon, originária da Índia, ficou chocada com as informações que obteve. "Eu sei que o Partido Comunista violou severamente os direitos humanos. Mas eu nunca soube que os chineses não podem praticar o Falun Gong em seu próprio país. Isso é realmente triste."

Sonia Dhillon (ao meio) e suas amigas no estande dos praticantes. "Espero que a China mude e as pessoas lá possam desfrutar da democracia em breve", disse Dhillon.

"A colheita forçada de órgãos não deve ocorrer. Devemos permitir que mais pessoas saibam o que está acontecendo", disse ela.

No Mercado de Peixe de Sydney, um ponto turístico bem conhecido na cidade os praticantes realizaram atividades e receberam grupos de turistas chineses em férias para escapar da poluição do ar no inverno da China. A bandeira do Falun Gong no Parque Wentworth em frente ao mercado de peixe tornou-se um marco dos guias turísticos para reunir seus clientes.

As bandeiras do Falun Gong e os painéis no mercado de peixe atraem muitos turistas chineses.

Quando os turistas chineses expressaram inveja do ar límpido na Austrália, a Sra. Zou, praticante, frequentemente mencionou a razão subjacente à poluição na China - o Partido Comunista Chinês, que viola as leis ambientais e sacrifica a saúde das pessoas para seu próprio benefício.
O tema naturalmente mudou para a perseguição do Falun Gong e outras violações dos direitos humanos. Muitos turistas chineses concordaram com a Sra. Zou e decidiram tomar uma atitude renunciando às suas filiações no partido comunista ou em suas organizações da juventude.

Nova Zelândia

Durante a temporada do Ano Novo, o SOS Car Tour da Nova Zelândia terminou a sua jornada. Em 18 de janeiro, a turnê de carro chegou ao seu destino final - Wellington.

Com o objetivo de elevar a conscientização pública sobre a extração forçada de órgãos sancionada pelo governo da China, dez praticantes na turnê de carro passaram dois meses visitando oito cidades: Lower Hutt, Upper Hutt, Masterton, Carterton, Martinborough, Paraparaumu, Porirua e Wellington. A mídia e os cidadãos mostraram forte apoio.

A turnê de carro em Masterton

A prefeita de Masterton, Lyn Patterson (no meio), disse que embora a cidade de Masterton tenha negócios na China, o governo não sacrificará os direitos humanos pelo lucro. Ela pediu aos praticantes para lhe manterem informada sobre a resistência pacífica contra a perseguição e desejou-lhes grande sucesso.

A turnê de carro em Wellington

Alguns editores de mídia de Wellington disseram aos praticantes que seus jornais frequentemente recebem pressão da embaixada chinesa tentando censurar notícias sobre assuntos da China. Mas depois de saberem a verdade sobre os crimes da extração forçada de órgãos, eles planejaram expô-la completamente em seus jornais.

De 18 a 25 de janeiro, os praticantes do norte da Nova Zelândia realizaram a exposição de Arte de Zhen-Shan-Ren (Verdade-Compaixão-Tolerância) em Rotorua, uma cidade turística famosa. As obras de arte, pintadas por praticantes do Falun Gong, demonstram a pureza e a beleza desta prática de cultivo e expõem a brutalidade da perseguição.

Simon, da França, disse que as pinturas trazem brilho, e demonstram a verdade que podemos ver. Ele planeja ler mais sobre a prática do Falun Gong.

Michelle e sua filha ficaram tristes com as histórias da perseguição contadas nas pinturas.

Tuhakawaina gostou de todas as pinturas. "Elas são pacíficas e tocantes", disse ela. Ela pediu informações do contato do local de exercícios da cidade e quer aderir à prática no futuro próximo.

Inglaterra, Grécia e Bulgária.

Nestes países europeus, os praticantes instalaram estandes, penduraram bandeiras e distribuíram materiais em pontos turísticos e lugares públicos, informando as pessoas sobre a perseguição e pedindo ajuda para pôr fim nela.

Em 21 de janeiro, estande dos praticantes na Praça do Velho Mercado em Nottingham, Inglaterra.

Em 22 de janeiro, os praticantes demonstram os exercícios atrás das placas de exposição na Acrópole de Atenas, na Grécia.

Em 18 de janeiro, os praticantes distribuem materiais e coletam assinaturas pedindo o fim da colheita forçada de órgãos em uma saída de metrô em Sofia, capital da Bulgária.

Estados Unidos

Em 28 e 29 de janeiro, praticantes de Los Angeles, EUA, participaram na celebração do Ano Novo Chinês no Parque de Montreal, enviando saudações de Ano Novo e compartilhando informações sobre os próximos seminários do Falun Gong, que são sempre gratuitos.


Praticantes conversam com turistas sobre o Falun Gong. Algumas pessoas aprenderam os exercícios.

Muitos chineses, residentes e turistas, pararam no estande dos praticantes. Eles condenaram a perseguição, e muitos deles tomaram uma posição renunciando ao partido comunista.