(Minghui.org) Eu comecei a praticar o Falun Dafa em 1996 e desde então abracei os princípios e requisitos do Falun Dafa.

Abandonando a autoproteção

O Mestre disse:

"Discípulos do Dafa, vocês são uma luz dourada no mundo turbulento, a esperança das pessoas desse mundo, discípulos do Fa que ajudam o Mestre e futuros Reis do Fa." ("Saudações de felicitações" dos Essenciais para Progressso Diligente III )

"Os discípulos do Dafa agora são a única esperança de salvação para os seres sencientes". ("Pensamentos retos " dos Essenciais para Progressso Diligente III)

Depois que o Partido Comunista Chinês (PCC) lançou a perseguição em 1999, o cultivo pessoal tornou-se o cultivo da Retificação do Fa. Como uma partícula do Dafa, distribui materiais, pendurei banners, coloquei cartazes, fazia telefonemas para esclarecer a verdade e conversava com pessoas pessoalmente sobre Dafa.

O meu telefone foi grampeado quando a perseguição começou pela primeira vez, e era seguido por onde eu ia. Embora eu tivesse medo, depois de perceber que as pessoas haviam sido enganadas pelas mentiras do Partido eu estava ansioso para levar a verdade sobre Dafa para eles. Eu, portanto, pedalei em pequenos becos no meu caminho para trabalhar e para casa, onde os carros da polícia não podiam me seguir, e distribuía os folhetos. Isso aconteceu por alguns anos, e a polícia que estava me monitorando nunca me pegou.

O Mestre nos disse:

"Validem o Dafa com a racionalidade, clarifiquem a verdade com sabedoria, espalhem o Fa e salvem pessoas com misericórdia". ("Racionalidade" dos Essenciais para Avanço Adicional II)

De onde vem a sabedoria e a compaixão? Ambos vêm do Fa. Quando estudo bem o Fa , o meu coração fica cheio de compaixão. Eu sinto que todos na rua são parte da minha família, e eu quero que todos apreciem o Dafa. Quando o meu coração está cheio de compaixão, a maioria das pessoas vem me ouvir, concordam comigo e acreditam em mim. Eles não questionam o que eu digo a eles, mas apertam a minha mão e me agradecem. Eu posso dizer que sua apreciação é genuína e vem seus corações.

A maior parte do meu dia é gasto esclarecendo a verdade. Eu nem como nem bebo porque não tenho fome nem sede. O Mestre disse:

"O cultivo depende do próprio indivíduo, o gong depende do mestre” (Zhuan Falun).

Quando as pessoas me agradecem, eu sempre lhes digo que é o Dafa que abriu a mente deles para a verdade, então eles devem agradecer ao Dafa.

Eu nunca sinto que esclarecer a verdade é difícil. A chave é abandonar o eu, que também é a chave para deixar o medo. Quando sentimos uma verdadeira compaixão, as pessoas sentirão isso e não nos rejeitarão nem nos denunciaram.

Esclarecendo a verdade na área rural

Em 2004, eu fui obrigado a deixar minha casa por causa da perseguição. Mas, eu continuei a estudar o Fa, enviar pensamentos retos, esclarecer a verdade sobre Dafa, distribuir materiais informativos e colocar cartazes e banners.

Eu então vi que muitos praticantes estavam esclarecendo a verdade nesta cidade, então eu decidi visitar as aldeias no campo. O mestre deve ter visto meus pensamentos, porque logo conheci um praticante do sexo masculino que tinha uma motocicleta e que também queria distribuir materiais no campo.

O praticante trabalhava durante o dia. A sua esposa não praticava, e mesmo que sua situação financeira não fosse muito boa, ele não me deixava pagar pela gasolina. Nós fomos ao campo duas vezes por semana depois que ele saia do trabalho e retornávamos o mais tardar até as 10h da noite.

Não havia câmeras de vigilância no campo, mas havia patrulhas constantes. Os materiais deixados fora das portas das casas eram confiscados. Para evitar isso, colocamos os materiais sob as portas.

Nós visitamos todas as ruelas das aldeias. Mas as patrulhas apareceram quando ouviram os latidos de cães. Nós escapamos do perigo diversas vezes.

Escapando do Perigo

Um dia, distribuímos todos os nossos materiais e voltamos para casa. Quando chegamos ao meu prédio onde moro, o colega praticante não parou, mas foi a outro prédio. Ele estava prestes a me dizer o motivo da sua ação quando um carro da polícia parou atrás de nós. Ele então virou a motocicleta e acelerou. Nós escapamos do perigo, já que o carro da polícia não conseguiu acelerar o suficiente.

Ele me disse que, quando nos aproximávamos do meu prédio, ele pensou repentinamente: "Você não deve parar aqui. Continue." Nós dois agradecemos ao Mestre por nos proteger.

Também experimentamos dificuldades durante nossas viagens ao campo. Insetos nos picavam no verão e os ventos frios sopravam no inverno. Embora nós dois tivéssemos experimentado o frio, nenhum de nós sentiu dor.

Não só fomos em todas as aldeias de nosso município, como também fomos para os municípios vizinhos. Muitas vezes falamos com as pessoas pessoalmente, e muitas pessoas no campo souberam a verdade sobre o Dafa de nós por muitos anos.

Recordando o Fa ao enfrentar o perigo

Muitas vezes, eu fico incomodado por noções humanas e nem sempre vivo pelos princípios do Fa. No entanto, quando corro perigo, sou capaz de recordar o Fa.Nesses momentos, posso ter pensamentos retos, me soltar e negar a perseguição das antigas forças.

Uma dúzia de praticantes da minha área foram presos no mesmo mês durante o verão de 2007. Todos eram pessoas de contato dos locais materiais. No entanto, muitos praticantes não deixaram suas casas, nem mesmo para fazer compras.

Muitas vezes eu costumava visitar os praticantes, para informá-los sobre a situação e pedir-lhes para enviar pensamentos retos para aqueles que foram presos.

Uma praticante me disse: "Não vá visitar os praticantes com tanta frequência. A polícia procura por todos os lados. Um dos meus parentes, que é policial, disse que todos na sua lista foram presos exceto você. Fique em casa, leia o Fa e envie pensamentos retos".

Eu sabia que ela estava preocupada com a minha segurança. Mas todas as pessoas de contato foram detidas e tínhamos quase 20 caixas de materiais para distribuir. Como eu poderia me esconder em casa, lendo o Fa e enviando pensamentos retos?Eu precisava fazer o que eu deveria fazer.

No entanto, quando um praticante com quem eu mantinha contato todos os dias foi preso, minhas noções humanas me dominaram e eu chorei. Muitos praticantes foram presos e senti-me muito solitário. Enquanto isso, senti o perigo se aproximando de mim. O pensamento de que eu seria preso então apareceu em minha mente.

Chorei por 30 minutos e me perguntei o que estava errado comigo. Eu sou um praticante do Dafa. O Mestre disse:

"Os pensamentos retos dos discípulos abundam

O Mestre tem o poder de virar a maré "

(“A Graça entre o Mestre e o discípulo" de Hong Yin II)

Eu pensei: "Os praticantes só foram presos temporariamente. Não devo cumprir suas tarefas? Não é o propósito das velhas forças prender os praticantes para nos assustar e interferir com o esclarecimento da verdade? Eu quase caí na armadilha deles".

No momento em que tive esse pensamento, consegui enviar pensamentos retos, não senti mais medo e as forças do mal desapareceram. Eu limpei meu rosto e saí para esclarecer a verdade.

Sem medo de encarar o perigo

Depois que uma praticante foi libertada, ela me contou que a polícia nos seguiu por quase um ano, e sabia tudo sobre cada um de nós. Eles tinham 14 pessoas na lista, e todos, exceto eu, foram pegos. Eu fui muito diligente durante esse período.

Eu abandonei o apego a mim mesmo e esclareci a verdade todos os dias em ônibus e em outros lugares públicos. Como as forças do mal podem tocar um discípulo que anda no caminho da divindade e está protegido pelo Mestre?

Outra vez, fui com outro praticante para um local de produção de materiais. Eu fui de bicicleta, e ele seguiu em uma moto. Nós ficamos presos em um engarrafamento, e pensei que seria necessário um pouco para que o congestionamento fosse resolvido. Então tirei alguns panfletos do Dafa e tentei entregar um para um transeunte. O outro praticante gritou para ter cuidado.Eu olhei ao redor e vi um carro da polícia cheio de oficiais a três ou quatro pés de mim. Um dos oficiais estava me observando.

Eu enviei um pensamento: "Colega praticante, fique longe de mim. Não deixe que eles saibam que estamos juntos." Então enviei pensamentos retos sem olhar para a polícia. O engarrafamento terminou e eu saí, esperando que a polícia não me seguisse.

Eu parei em uma área remota, com o outro praticante ainda atrás de mim. Eu lhe agradeci por me alertar sobre a polícia.Mas ele disse que não tinha visto o carro da polícia. Ele estava apenas me lembrando de prestar atenção. Eu então percebi que o Mestre estava me alertando através do praticante.

Vida dada pelo Mestre e pelo Fa

O processo de esclarecer a verdade e salvar pessoas faz parte do cultivo. Eu conheci todos os tipos de pessoas, alguns que amaldiçoaram e alguns que ameaçaram me denunciar. Mas a maioria das pessoas me agradeceu. No começo, eu estava chateado com as maldições, mas já não me comovo. Não importa o que as outras pessoas digam sobre mim, eu só ouço o Mestre e faço o que eu deveria fazer.

Este ano, as autoridades comunistas começaram a bater na porta de todos os praticantes e tirando fotos e fazendo vídeos deles. Eles também tocaram na minha porta. Na primeira vez, não abri a porta, mas eles voltaram uma semana depois, à noite. Em vez de bater, eles tentaram abrir a porta com suas ferramentas.A porta estava trancada por dentro, então eles não conseguiram.

Mais tarde, grampearam o meu telefone e até pegaram meu carro sem me informar. Alguns praticantes não se atreveram a vir para minha casa para o estudo do Fa. Alguns praticantes me aconselharam a não deixar materiais do Dafa em minha casa e a deixar de divulgar materiais em público.

A minha vida é dada pelo Mestre e pelo Fa. Embora eu não cultive com diligência o suficiente, e não tenha feito as três coisas tão bem como eu deveria, ainda preciso fazer o que um praticante de Dafa deve fazer. Nem as velhas forças nem os comunistas podem me impedir. Eles não têm nada a ver comigo. Eu sou cuidada pelo Mestre. Então eu apenas continuo fazendo o que eu preciso fazer com plena crença no Mestre e no Fa.