(Minghui.org) Sou um praticante veterano que começou a aprender Falun Dafa em 1997. Porém, nesta última fase deste “precioso momento”, não fui capaz de fazer o que o Mestre nos pediu e ser mais diligente à medida que o final se aproxima. Devido à interferência causada pelos meus apegos, noções humanas, egoísmo e o apego de buscar comodidade, meu estado de cultivo foi se tornando cada vez mais pesado, infeliz e penoso. No meu coração, eu estava preocupado, porém não me tornava mais diligente por mais que eu quisesse. Na superfície, contudo, estava fazendo coisas do Dafa, porém num estado comum de atuação, como que seguindo instruções. Era incapaz de me acalmar enquanto fazia os exercícios. Sentia como se estivesse fazendo meu dever. Às vezes, eu dormia durante o envio de pensamentos retos. Quando tentava manter meus olhos aberto, era a minha mente que divagava.

Meu estado de cultivo piorou ao ponto de eu ter vários tipos de interferência quando tentava enviar pensamentos retos quatro vezes ao dia. Não conseguia enviar pensamentos retos de forma apropriada. Minha saúde piorou e muitos dos sintomas que eu tinha antes de começar a me cultivar reapareceram. Isto não só criava um impacto negativo em meu esclarecimento da verdade, como também causava confusão no meu entendimento dos princípios do Fa. A voz do Mestre seguia soando em meus ouvidos:

“Assim, estarão arruinando a si mesmos.” ("Ensinando o Fa na Conferência de Nova York, 2008)

Tentei olhar para dentro, mas, como não estava estudando o Fa, eu não tinha clareza sobre os princípios do Fa, e, desse modo, olhar para dentro de mim era algo meramente superficial. Sendo assim, eu não era capaz de encontrar a raiz do problema. Fazia as coisas como mera formalidade; e todo o meu ser se sentia como se estivesse fortemente preso a uma substância invisível. Estava cansado e sofria. Quando uma amiga praticante viu meu estado, ela ficou preocupada. Ela veio me ver várias vezes; compartilharmos e estudamos o Fa juntos. Devido aos meus apegos, achei que os resultados não estavam sendo bons e também tive pensamentos negativos com respeito a ela; achava que o que ela dizia era problemático e aborrecedor.

Compartilhei com uma praticante meu processo de olhar para dentro. Senti que tudo o que eu dizia era em torno do “eu”, coisas como: “meu estado de cultivo não é bom”, “eu não consigo clarificar bem a verdade”, “eu não fiz bem”, “eu não alcancei o ritmo da retificação do Fa”, “eu não cheguei ao padrão do Fa” etc. Coisas assim. Eu senti que estava preso dentro dos limites de “eu” e que não era claro comigo mesmo. Esta praticante não se deu por vencida e me disse que a escritura do Mestre “Palavras de Advertência” surgia em sua mente à cada instante, que naquele dia estava mais forte que antes:

“Se você não mudar a lógica humana que você, como pessoa comum, formou profundamente em seus ossos durante milhares de anos, você não conseguirá se desprender desta casca humana nem alcançar a perfeição”. ("Palavras de Advertência", Essenciais para um Avanço Adicional).

De repente, as seguintes palavras vieram à minha mente:

“...Mas os seres sencientes,
ainda assim ganham a salvação
e as noções humanas mudam,
as coisas degeneradas purgadas,
o esplendor agora brilha adiante”
(Nascer de novo, Hong Yin)

De repente, eu me iluminei e me dei conta de que meu problema era o ponto de partida do qual olhava todas as coisas. Como o meu ponto de partida era o meu estado de cultivo individual, eu estava tentando eliminar meus apegos um a um. Por isso, eu estava melhorando tão lentamente. Claro que temos que renunciar a nós mesmos. Isto é o mais importante e é algo que deve ser feito. Porém, pensei que esses apegos eram eu mesmo e não pude me livrar desta armadilha. Sabendo que estamos na etapa final da retificação do Fa, pensei: “Quem sou?” Tenho que ter clareza sobre isto. Sou um discípulo do Dafa do período da retificação do Fa e eu tenho a grande responsabilidade de ajudar o Mestre na retificação do Fa e na salvação de seres sencientes. O Mestre nos deu o melhor e o mais sagrado e nos conduz em um caminho divino que salva seres conscientes. Enquanto nos cultivamos, fazemos nosso próprio caminho para um novo mundo, o novo Cosmo. Estamos alcançando a perfeição, tornando-nos Reis e Senhores do novo Cosmo, deixando um exemplo de caminho divino às pessoas do futuro. Que grande glória é esta e que grande honra no universo! Porém, eu estava estagnado sem poder alcançar o ritmo da retificação do Fa e divagava dentro dos limites do “eu”.

Finalmente eu havia encontrado o problema. E era o “egoísmo”, a característica mais fundamental do Cosmo anterior! Era algo pertencente ao velho Cosmo. Algo que será eliminado se não for assimilado ao Fa. Algo assim poderia ser meu? Absolutamente não! Devido ao egoísmo, eu mesmo estava tentando me proteger para não ser preso quando esclarecia a verdade. Devido a isto, eu estava cheio de preocupações. Tinha medo de não ser entendido pelos outros ou de perder a pose. Tinha medo de perder um ambiente de cultivo estável. Também era o motivo porque tinha escolhido só compartilhar as coisas que fazia bem, mas não aquelas que eu fazia mal. Eu queria que os outros mudassem e não eu; eu estava protegendo minha própria fama, vaidade e reputação. Todo o tempo eu pensei que isso era eu mesmo. Então, quem sou eu realmente? Quem é meu verdadeiro ser? Tenho que ter clareza sobre isto. Sou um discípulo do Dafa, um discípulo do Dafa no período da retificação do Fa e um cultivador num caminho divino. O Mestre nos disse desde o começo que nos está transformando na melhor e mais pura matéria de alta energia desde a origem de nossas vidas. Enquanto estamos no Fa e dentro do Fa, não há nada que não possamos alcançar. Somos Deuses, o Fa do Mestre estabeleceu isto. Sinto claramente que rompi uma camada de casca humana! Estou fora dela. Graças ao Mestre!

Quando, outra vez surgiu a interferência de me sentir deprimido e pressionado pelas tribulações, ao olhar para isso, desta vez, isso desapareceu. Todo o meu corpo se sentiu leve. Nesse momento, meus olhos se encheram de lágrimas, eu entendi que o Mestre, em outras dimensões, havia retirado de mim substâncias depois que me iluminei a este princípio. “O cultivo depende da própria pessoa enquanto que o gong depende do Mestre”. O Mestre disse isto no Zhuan Falun.

Categoria: Jornadas de cultivo