Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Hong Kong: manifestação pacífica é apoiada por políticos e ativistas de direitos humanos

22 de Janeiro de 2015 |   Por um correspondente do Minghui de Hong Kong

(Minghui.org) Cerca de mil praticantes do Falun Gong de Hong Kong, Taiwan, Japão e Coreia realizaram uma manifestação em Kowloon em 17 de janeiro para sensibilizar o público e pedir o fim da perseguição ao Falun Gong na China.

Manifestação em Kowloon em 17 de janeiro chama a atenção para a perseguição ao Falun Gong na China

Vários membros do Conselho Legislativo expressaram seu apoio ao Falun Gong na manifestação ao meio-dia. Havia também vozes de apoio da China: vários ativistas de direitos humanos do continente participaram da manifestação mediante gravações de áudio. Pelos alto-falantes, elogiaram o espírito dos praticantes do Falun Gong e sua resistência pacífica ao suportar mais de 15 anos de perseguição brutal.

Condenando a perseguição e pedindo ao povo chinês para abandonar o Partido Comunista

Jian Hongzhang, porta-voz da Associação do Falun Dafa em Hong Kong, e Yi Rong, presidente do Centro Global de Serviços para Renúncia ao Partido, informou que mais de 190 milhões de chineses renunciaram ao Partido Comunista Chinês (PCC). Eles estão confiantes de que ainda mais pessoas vão fazer a escolha certa em 2015.

Em seu discurso na manifestação, Jiang Hongzhang advertiu aqueles que ainda estão envolvidos na perseguição ao Falun Gong: "Sua única esperança é renunciar ao Partido, parar qualquer mau comportamento e expor a perseguição. Seu futuro será sombrio se você continuar a trabalhar para o Partido do mal."

Chu Wanchi, uma advogada de direitos humanos de Taiwan que defendeu o Falun Gong, disse em seu discurso que mais de 1,7 milhões de pessoas em todo o mundo assinaram a petição condenando a extração de órgãos, sancionada pelo Estado, de praticantes do Falun Gong vivos na China. Entre os signatários estão 8 mil médicos. Ela convidou aqueles que estiveram envolvidos na extração de órgãos: "Se você puder se posicionar e expor esses crimes, iremos fornecer ajuda e proteção para você."

Membros do Conselho Legislativo condenam a perseguição

O Membro do Conselho Lee Cheuk-yan (Partido Trabalhista) espera que a manifestação e a marcha que ocorreu depois vá despertar o povo chinês e incentivá-lo a se juntar à resistência pacífica. Ele conclamou a comunidade internacional a exercer pressão sobre o PCC e ajudar a acabar com a perseguição ao Falun Gong.

O Membro do Conselho Wu Chi-wai (Partido Democrático), disse que o princípio do Falun Gong de Verdade-Compaixão-Tolerância é universal e é uma força importante que irá ajudar a reconstruir o padrão moral da sociedade. Ele incentivou os praticantes a manterem o bom trabalho de restaurar a cultura chinesa tradicional e a moralidade.

O Membro do Conselho Leung Yiu-chung (Centro da Vizinhança e Serviço do Trabalhador) estava feliz em ver que o número de renúncias ao PCC é cada vez maior. Ele e o sr. Wu Chi-wai também condenaram a perseguição e as atrocidades da extração de órgãos que ocorrem na China.

Lin Sen, um ativista democrático, disse em seu discurso que o PCC é a maior gangue de culto do submundo. No ano passado, sua filha Lin Huishi expressou publicamente seu apoio ao Falun Gong e posteriormente foi atacada por bandidos contratados pelo PCC. O sr. Lin Sen apoia a ação de sua filha na manifestação e transmitiu os cumprimentos dela para os praticantes.

Wu Yisan, editor-chefe da Wuchi Publishing House, condenou Jiang Zemin, ex-chefe do PCC e o instigador original do perseguição. "Jiang é o verdadeiro traidor. Ele foi processado por genocídio em todo o mundo. Ele e sua gangue têm violado os padrões mais básicos de moralidade humana."

Ativistas da China continental falam em favor ao Falun Gong

Zheng Enchong, um advogado de direitos humanos de Xangai, enviou uma gravação de áudio de seu discurso para a manifestação. Ele disse: "Enquanto eu ainda puder falar, vou falar em favor ao Falun Gong. Esta é a minha responsabilidade como advogado."

O sr. Zheng disse que, em 2014, muitos funcionários de alto escalão do PCC que foram responsáveis pela perseguição foram presos. "Estes são os verdadeiros demônios. Acredito que mais demônios serão levados à justiça num futuro próximo", disse ele.

Ma Xiaoming, ativista democrata de Xi'an, disse numa gravação de áudio: "Eu sempre admirei a resistência pacífica do Falun Gong ao longo dos últimos 15 anos." Ele disse que está disposto a apoiar o Falun Gong a desintegrar o PCC. "Vamos alcançar maior sucesso se todos nós estivermos juntos."

Lu Xuesong, um escritor pró-democracia da província de Jilin, elogiou os praticantes do Falun Gong numa gravação de áudio: "Eles têm a verdadeira compaixão para com o povo. Ao longo dos últimos 15 anos, eles corajosamente falaram ao público sobre o Falun Gong e já expuseram a perseguição brutal. O seu espírito forte e suas ações pacíficas demonstraram claramente que sua crença é reta."

O sr. Lu continuou: "O bom receberá recompensa e o mal será punido." Ele encorajou os participantes da manifestação a manterem um senso de consciência e compaixão no novo ano.

Após a manifestação, os praticantes e simpatizantes realizaram uma marcha pacífica por Kowloon para expor ainda mais a perseguição e reunir apoio para trazer seu fim.