(Minghui.org) A arte da auto-cura e o retardo do envelhecimento têm sido tradição e tesouro da cultura oriental. Desde as primeiras horas da manhã, nos parques de toda a China, pessoas maduras e inclusive idosas praticam diversos tipos de exercícios baseados na ancestral sabedoria chinesa. Entre eles está Falun Dafa, também conhecido como Falun Gong, que tem ultrapassado as fronteiras da idade e tem sido adotado tanto por jovens como por pessoas de mais idade de muitas etnias. Em um período inferior a nove anos tem atraído a mais de 100 milhões de pessoas em mais de 40 países. A proibição de sua prática pelo governo totalitário chinês em 1999, como consequência de seu grande crescimento e popularidade tem animado muitas pessoas a explorar essa prática. A seguir serão expostas algumas de suas excepcionais características por meio de uma análise, sob diferentes perspectivas e paradigmas, dos benefícios para a saúde e do efeito antienvelhecimento que seus praticantes experimentam.

Qigong e a prática de “cultivo”

O sr. Li Hongzhi realizou a apresentação de Falun Gong ao público chinês em geral em 1992 sob o nome de qigong; denominação genérica aplicada a diversas classes de práticas pessoais que foram ensinadas na China durante milênios com objetivo de melhorar a quantidade e o fluxo de qi no corpo de seus praticantes; a energia onipresente considerada pela medicina chinesa como a chave da vitalidade.

O Qigong atua sobre um tipo de energia conhecida como qi, ou “força vital”. Falun Dafa, porém, atua aumentando e refinando uma classe diferente de energia chamada de gong, ou energia de “cultivo”. O qi é onipresente e é encontrado em todos os seres viventes. O qi pode acumular-se ou dispersar-se; bloquear-se ou fluir livremente; purificar-se ou degradar-se. Todos possuímos qi, porém ao longo da vida de um indivíduo, inevitavelmente diminui de forma gradual e paralela ao processo de envelhecimento. Gong, em contrapartida somente se desenvolve nos corpos daqueles que praticam o cultivo do xinxing (estado anímico ou caráter moral do indivíduo). Uma melhora do xinxing nos leva a uma maior quantidade e uma mais alta densidade de gong.

Muitos aprendem qigong para curar suas próprias doenças, manter a saúde e retardar seu próprio processo de envelhecimento. Por outro lado, existem pessoas que praticam qigong para aplicar seu qi na cura de doenças de outras pessoas ou para realizar sessões de trabalho como a finalidade de ensinar técnicas para a cura de outros. Dessa forma uma arte de cura e cuidado pessoal tem convertendo-se numa moderna profissão de assistência sanitária. Muitos dos fenômenos do qigong seguem estando encobertos com esse véu de mistério, ou são mal-interpretados e assim muitos conceitos e práticas são deveras confusos.

Em 1992 o sr. Li Hongzhi apresenta pela primeira vez Falun Dafa ao público por meio de conferências de dez dias com tempo médio de cerca de uma hora e meia a duas horas, bem como ensinando as cinco séries de exercícios. Em seus ensinamentos explica de forma clara o conceito das práticas de qigong e outros fenômenos confusos como “o terceiro olho” e o papel específico do jejum. Ele acredita que as práticas de qigong necessitam ser direcionadas principalmente para o auto-cultivo.

As práticas de cultivo enriquecem todos os aspectos de uma pessoa e vão mais além do objetivo de melhorar a saúde física. As práticas autênticas melhoram a saúde física e a vitalidade do indivíduo como um dos objetivos, porém a meta final é a de incrementá-la e transformá-la física, mental e espiritualmente. Enquanto que muitas práticas de qigong são recentes, as práticas autênticas se encontram firmemente arraigadas nas ancestrais filosofias chinesas e foram transmitidas de geração em geração antes do surgimento da história escrita. Ainda que Falun Gong tenha sido trazido a público recentemente, Li Hongzhi foi o herdeiro de uma prática transmitida privadamente de mestre a aluno durante milênios e, dessa forma, é considerada como uma das autênticas práticas históricas de cultivo.

Falun Dafa

Falun Dafa entende que a base da vida humana e do universo é formada por três princípios. Os três princípios estão contidos nas palavras Zhen-Shan-Ren que podem ser traduzidas como Verdade-Benevolência-Paciência ou Verdade-Compaixão-Tolerância. A tarefa principal do praticante de Falun Dafa consiste em encarnar, assimilar e atuar de acordo com esses princípios em todos os momentos.

Como um sistema integrado de cultivo de mente e corpo, Falun Dafa, inclui exercícios físicos e meditação, porém a chave desta prática de cultivo reside em que o indivíduo melhore o seu xinxing (estado anímico ou caráter moral) e assimile os princípios de Zhen-Shan-Ren. Zhuan Falun, o principal livro de texto de Falun Dafa, define o xinxing da seguinte maneira: “O que é o xinxing? O xinxing abrange vários aspectos: inclui De (um tipo de matéria), traduzido como “virtude” ou “mérito”; tolerância, capacidade de compreensão, sacrifício, desapego e desprendimento de coisas inerentes às pessoas comuns, ser capaz de sofrer infortúnios e assim sucessivamente. Abrange muitas coisas. Cada aspecto do xinxing deve ser refinado por si próprio e se requer que o progresso seja real. Esse é o fator crucial para melhorar a potencia de energia “gong li”... Uma vez elevado o nosso xinxing, nosso corpo experimentará uma grande mudança. A melhora do xinxing garante a transformação da matéria corporal”.

De acordo com Zhen-Shan-Ren, o cultivo do xinxing é primordial; os exercícios e a meditação são secundários. Um aspecto fundamental no cultivo do próprio xinxing é a renúncia dos apegos mentais. Li Hongzhi escreveu: “Na verdade, todo o processo de cultivo de todo praticante deve consistir no contínuo abandono de apegos humanos”. Por apegos se entendem os padrões de pensamento que existem por trás dos comportamentos claramente problemáticos que podem ser o vício a certas substâncias, e também a outras forças maiores e outras afinidades que podem chegar a dominar e distorcer o pensamento de uma pessoa. Há outro aspecto que é o exame introspectivo para encontrar caminhos para ajustar-se melhor a Zhen-Shan-Ren. A auto-análise permite a pessoa desprender-se de forma natural de afinidades, predileções e emoções negativas. A força não desempenha nenhum papel nesse processo; é o entendimento dos princípios fundamentais que aumenta a percepção e provoca uma mudança gradual. O livro Zhuan Falun proporciona instruções e exemplos que nos servem de guia e nos ensina a cultivar como resultado da leitura do texto.

Os exercícios e a meditação são partes essenciais do sistema. Os movimentos dos quatro exercícios se fazem em pé e são suaves e lentos. Em um deles, “Postura Parada Falun”, os braços são posicionados formando uma roda enquanto se permanece imóvel durante vários minutos em cada uma das quatro posições. Nos outros três exercícios as mãos percorrem os caminhos dos mecanismos de energia do corpo humano ou seguem as linhas do fluxo de energia externa. Enquanto que os exercícios estiram e reforçam o corpo segundo as técnicas ocidentais, o objetivo primordial da prática é reforçar os mecanismos invisíveis de energia.

O quinto é um exercício de meditação que é realizado sentado e implica realizar gestos com as mãos e posturas de reforço seguidos de relaxamento. Em todos os exercícios de Falun Dafa a mente permanece clara e alerta, porém desprovida de pensamentos. Não se utiliza técnicas de visualização ou de imagens predeterminadas nem fixação alguma enquanto realiza a respiração, tampouco se entra em estado de transe ou auto-hipnose. O praticante logo compreende que os principiantes não podem alcançar esse estado facilmente, ou mantê-lo durante um tempo determinado, porém conforme vai cultivando o xinxing chega a alcançar esse estado e o praticante consegue mantê-lo durante períodos mais longos. Espera-se que os praticantes consigam gradualmente sentar-se em posição de lótus completa, com o cruzamento duplo das pernas. Algumas pessoas de mais idade têm conseguido pela primeira vez em suas vidas depois que começaram a cultivar-se em Falun Dafa. Os principiantes que não podem sentar-se em lótus completo podem sentar-se no chão com uma só perna cruzada, utilizar almofadas ou apoiar-se na parede e inclusive sentar-se em uma banqueta.

A idade dos praticantes varia desde crianças a idosos. Fora da China a proporção entre adultos jovens e de meia idade é bem alta e o nível de educação é muito acima da média. Enquanto que os praticantes provêm de todos os níveis sociais, fora da China uma grande parcela deles são médicos, cientistas ou profissionais técnicos. Ainda que a maioria dos praticantes da América do Norte é de origem chinesa, o número de praticantes nascidos na América tem crescido rapidamente e na Europa, uma grande porcentagem é de europeus natos.

Precisamente pela ênfase dada ao cultivo do xinxing, os praticantes podem estar em qualquer estado físico, inclusive com problemas físicos graves como o caso de uma amputação ou algo similar. Ser capaz de assimilar os princípios mediante a leitura é essencial, porém aqueles que são analfabetos ou que padecem de alguma incapacidade relacionada à leitura podem aprender da mesma forma mediante recursos audiovisuais.

Devido ao fato de Falun Dafa cultivar a mente e o corpo, os praticantes deverão manter em todos os momentos um controle total de sua consciência e devem libertar-se dos fortes apegos às suas doenças. As pessoas que padecem certos transtornos mentais ou se encontram em um estado crítico terminal de uma doença, seja somática ou psíquica, não podem praticar.

Com objetivo de manter a prática de cultivo em seu estado original. Li Hongzhi exige dos praticantes certas regras, tais como não realizar pregações, não formar organizações, não aceitar doações ou arrecadar dinheiro, não envolver-se com política, não realizar rituais nem adorações. Deve limitar-se apenas a ser simplesmente uma prática auto-motivada, pessoal e livre.

Benefícios para a saúde e efeitos antienvelhecimentos

Se um indivíduo pratica o cultivo com a mente clara e com ela afasta também suas doenças físicas, muitas vezes progressos espetaculares podem ser apreciados. São muitos os relatos de melhoras na saúde com remissão espontânea.

Como exemplo da canadense Connie Chipkar, uma mulher de 60 anos que vem praticando Falun Dafa há três anos. Ela descreveu sua experiência de cultivo durante a Conferência de Falun Dafa nos Grandes Lagos no ano de 2000. Descrevendo os benefícios obtidos na sua saúde, dizia: “Sou uma prova vivente dos “efeitos secundários” do cultivo que qualificaria como milagrosos. Quando comecei a praticar Falun Dafa eu era uma mulher envelhecida de 57 anos, cansada de viver. Todos os dias necessitava de um pequeno cochilo pela tarde. Agora, apesar de ter incrementado mais três anos à minha existência, aparento ser mais jovem, minhas rugas quase desapareceram e minha energia aumenta cada dia mais. Necessito dormir menos do que antes e me encontro melhor, mais forte e com a mente mais clara e mais saudável do que nunca.”

Um dos temas mais comuns que se recebem nas conferências dos praticantes de Falun Dafa são os frequentes relatos de melhoras de saúde e vitalidade. Alguns desses relatos referem-se a efeitos positivos como estados de paz e clareza mental, alívio do estresse, melhora das relações interpessoais, aumento da confiança em si próprio, libertação de vícios, aumento da energia, diminuição da dependência a medicamentos, reversão de problemas de esterilidade, jovialidade e desaparecimento dos sintomas de doenças crônicas, entre outros.

Apesar da popularidade que essa prática alcançou na China antes de 1999, poucos estudos tem investigado os efeitos de saúde e anti-envelhecimento de Falun Dafa. Realizaram-se vários estudos em grande escala em algumas grandes cidades com a ajuda do governo chinês para avaliar a prática. Em 1998, foi realizado um estudo em mais de 2.000 locais de prática de exercícios em cinco distritos de Beijing. Foram analisados mais de 12.700 questionários. Entre a maioria daqueles que foram entrevistados, 67% tinham mais de 50 anos e 30%, entre 20 e 49 anos. Quase a metade dos que responderam à pesquisa, 52% haviam praticado Falun Dafa de 1 a 3 anos e 49% mencionaram três tipos de doenças. Somente 6% disseram estar livres de enfermidades antes de começar à prática. No momento do estudo, 58% manifestaram recuperação total; 24% uma recuperação básica e 15% uma recuperação parcial. A porcentagem dos que manifestaram encontrar-se com mais energia aumentou de 3% para 58% e 80% informaram uma melhora substancial em sua saúde mental em geral. Estima-se que cada praticante liberou do Estado cerca de 3.270 yuans (equivalente ao ganho de 10 salários de um cidadão chinês de classe média) em gastos médicos por pessoa ao ano.

Um estudo realizado nos Estados Unidos por três cientistas do Centro Médico da Universidade de Rochester, com uma amostra menor, porém com metolodologia e análises mais sofisticadas e também outros estudos levados realizados pela Universidade de Missouri, chegaram a conclusões semelhantes ao estudo de Beijing. Nos Estados Unidos, pesquisadores de ciências básicas começaram a mostrar interesse no estudo de Falun Dafa. A doutora Lili Feng, professora de Imunologia e Biologia Molecular do Baylor College of Medicine, no Texas, estudou a longevidade e a função das células brancas sanguíneas, em particular os neutrófilos. Os resultados preliminares mostraram que a longevidade dessas células nos praticantes de Falun Dafa haviam sido prolongadas tanto in vitro quanto in vivo. Ao mesmo tempo, a função celular havia se tornado mais intensa.

O Doutor Guoliang, bioquímico de UC Davis, nos informou que a força de contração das células cardíacas aumentou cerca de 175% depois de estarem expostas durante vários minutos ao campo de energia gerado pelos praticantes de Falun Dafa enquanto praticavam os exercícios. Apesar de que estes estudos e experiências indicam de forma contundente a existência de efeitos positivos para a saúde e o envelhecimento, não conseguem explicar o verdadeiro mecanismo que se esconde por trás de tais efeitos.

Como entender o mecanismo e o paradigma

Como podemos entender esses resultados tão positivos para a saúde e o mecanismo subjacente da prática de Falun Dafa? Desde uma perspectiva médica ocidental podemos entender que uma eliminação do estresse, de hábitos nocivos, levaria a uma diminuição de afecções médicas sérias tais como as doenças cardiovasculares, câncer, hipertensão, dependência química e doenças sexualmente transmissíveis. Porém não seremos capazes de entender como isso ocorre, nem fazer com que o mecanismo seja visível e detectável.

A partir de uma perspectiva médica tradicional chinesa, podemos entender um pouco mais sobre esse mecanismo. Primeiro, o estresse emocional é a causa principal dos problemas de saúde que faz que nosso corpo se torne vulnerável às patologias externas. O cultivo do xinxing e a prática de Zhen-Shan-Ren ajudam a pessoa a ter uma mente feliz e pacífica, eliminando assim as primeiras causas de enfermidade. Segundo, o qi é uma força de energia cujo fluxo suave, suficiente e devidamente dirigido, constitui a chave para a saúde. Os exercícios de Falun Dafa ajudam a regular, facilitar e complementar a circulação de qi, dessa forma auxiliando a conservação da saúde. Terceiro, um bloqueio dos canais de energia, também chamados de meridianos constituem a causa direta da dor, dos tumores e muitas outras afecções. Mantê-los permeáveis por meio da acupuntura, massagem ou tai chi é parte essencial de um tratamento exitoso. Os exercícios de Falun Dafa ajudam a abrir os canais, de forma que muitas dessas afecções podem ser curadas ou prevenidas.

A medicina tradicional chinesa sustenta que o qi tende a diminuir com o envelhecimento, dessa forma conduzindo a uma disfunção. Como poderemos retardar, deter ou mesmo reverter esse processo? A medicina tradicional chinesa também acredita que os meridianos são canais de energia distintos, cada um sujeito a numerosas circunstâncias que podem provocar bloqueios. Como podem ser eliminados os bloqueios? Como resposta a pergunta do Imperador Amarelo sobre os segredos da longevidade, seu sábio ministro Qi Bo lhe explicou que a chave consiste em ter um “coração limpo e poucos desejos”. Porém, tampouco a medicina tradicional chinesa consegue explicar o porquê disso, nem como conseguir um “coração limpo com poucos desejos”.

As bases da medicina chinesa parecem inexplicáveis quando contempladas desde a perspectiva da medicina ocidental. Os pesquisadores ocidentais necessitam uma mudança de paradigma para entender a medicina chinesa. De forma similar, para compreender os efeitos de Falun Dafa devemos observá-lo sob um novo prisma e entendê-lo dentro de seu próprio paradigma. As formas de energia e as substâncias que constituem Falun Dafa são mais profundas e estão compostas de partículas menores ainda que a energia e as substâncias que são aceitas pelos paradigmas tanto ocidentais como chineses.

Os praticantes que se cultivam, que cultivam seu próprio xinxing de acordo com Zhen-Shan-Ren, estão modificando continuamente a energia e substâncias de seu corpo para estarem mais próximos de Zhen-Shan-Ren. Os componentes do gong individual são únicos. Com o tempo, conforme se cultiva o xinxing, o gong continua aumentando independente da idade cronológica. O gong é a energia que exerce poderosos efeitos contra o envelhecimento e repara a disfunção das células e tecidos do corpo. Deve-se ter em conta que não são os cinco exercícios mas o cultivo do xinxing que aumenta e refina o gong. O cultivo do xinxing permite os praticantes alcancem o estado de “um coração limpo e poucos desejos”.

Os exercícios produzem efeitos em vários sistemas do corpo e reforçam a distribuição de várias classes de energia. Uma das funções importantes dos exercícios de Falun Dafa não somente é a de abrir todos os canais de energia ou meridianos, mas também a de expandi-los à medida que vamos praticando. Li Hongzhi escreveu em Zhuan Falun: “Ao final, milhares de canais de energia se unirão e converterão nosso corpo em um corpo sem canais de energia nem pontos de acupuntura; se unirão para formar um corpo completo... Nesse ponto, nosso corpo haverá sido transformado em matéria de alta energia”. O bloqueio dos canais de energia também terá sido eliminado.

Um maior entendimento do paradigma

Uma mudança de paradigma implica em atitudes diferentes, modos de pensar diferentes e uma linguagem também diferente. Para entender esse paradigma dentro do paradigma, se recomenda encarecidamente aos praticantes que leiam até o final um ou mais livros de Falun Dafa. O livro introdutório é conhecido como Falun Gong e o sistema completo é exposto nas nove conferências do livro Zhuan Falun. As conferências são transcrições feitas pelo próprio Li Hongzhi das sessões celebradas na China no início da década de 90. A melhor maneira é ler qualquer destes livros de uma forma constante, dia a dia, desde o princípio até o final. A leitura de sessões isoladas, parando e relendo partes ou mediante pausas que podem durar dias para assimilar seu conteúdo rompe a continuidade e diminui drasticamente ou elimina as possibilidades do leitor compreender esse paradigma. Não espere compreender tudo de uma só vez, continue a leitura com a mente aberta; essa é a única forma de dar ao novo paradigma uma oportunidade razoável.

Um fator importante desse paradigma é o método como se difunde. Todos os livros e materiais audiovisuais necessários para o aprendizado de Falun Dafa estão à venda em livrarias ou em locais de prática, mas também se encontram disponíveis gratuitamente na internet. Os principiantes podem aprender a cultivar o xinxing, os princípios e os exercícios sozinhos, mas podem também ter acesso e auxílio na prática dos exercícios e tirar algumas dúvidas que são normais entre os principiantes, nos locais de prática com os praticantes veteranos. Os princípios de Falun Dafa exigem dos praticantes que não aceitem honorários ou qualquer forma de compensação em troca de ensinar a prática aos demais.

Os praticantes não deverão utilizar a energia que desenvolvem para procurar tratar as doenças dos outros. Falun Dafa é uma prática de cultivo pessoal; o cultivo do xinxing vem primeiro e é puramente lógico que uma pessoa não poderá melhorar o xinxing de outra pessoa por meios externos. Os praticantes analisam a si mesmos e também se reúnem em grupos para compartilhar suas experiências e seus entendimentos a respeito dos textos. Os lugares onde se praticam os exercícios regularmente e se reúnem em grupos podem ser encontrados na internet no site: www.falundafa.org.

Biografias:

Jingduan Yang, Doutor em Medicina, concluiu sua especialização em Neurologia na China e graduou-se em psicofarmacologia pela Universidade de Oxford no Reino Unido. Atualmente é psiquiatra residente do Hospital Universitário de Thomas Jefferson, Filadelfia. Seguindo a tradição familiar tem sido professor e praticante de medicina tradicional chinesa e pratica Falun Dafa desde setembro de 1998. Foi convidado a dissertar sobre essa matéria na Universidade de Harvard e também em muitas outras instituições acadêmicas. Foi conferencista na 8ª Conferência Internacional de Medicina e Tecnologia Antienvelhecimento de Las Vegas em dezembro de 2000.Pode-se contatá-lo pelo email: Jingduan.Yang@mail.tju.edu

John Nania é escritor e consultor tecnológico que reside em Miniápolis. Tem sido responsável pela apresentação de diversas sessões de prática e apresentado pesquisas em universidades, colégios e organizações comunitárias sobre a prática de Falun Dafa e sobre a desumana campanha de perseguição contra essa disciplina na China. É praticante de Falun Dafa desde abril de 1999. Pode-se contatá-lo pelo email: JohnNania@aol.com

Para maiores informações sobre Falun Dafa e para buscar praticantes em sua localidade visite a página http://www.falundafa.org

[Publicado originalmente em 11 de outubro de 2003]