Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Camberra, Austrália e Auckland, Nova Zelândia: praticantes solicitam levar perpetratores chave à justiça (fotos)

23 de Novembro de 2014 |  

(Minghui.org) Assim como seus antecessores que sempre encontraram manifestantes do Falun Gong nas suas viagens fora da China, Xi Jinping, chefe do Partido Comunista Chinês (PCC), viu praticantes do Falun Gong pedindo justiça ao visitar Camberra, na Austrália em 16 de novembro de 2014 e Auckland, Nova Zelândia em 19 de novembro.

Depois dos eventos da Cúpula do G20 em Brisbane, que aumentou a conscientização das pessoas sobre a perseguição ao Falun Gong na China, os praticantes da Austrália e da Nova Zelândia continuaram as atividades solicitando que os assassinos, responsáveis pela perseguição, sejam levados à justiça. Quando Xi, o líder do PCC, e outros membros da delegação chegaram ao Hotel Hyatt em Camberra e ao Hotel Skycity em Auckland, os praticantes exibiram faixas com as frases: "Falun Dafa é bom", "Leve os perpetradores chave (Jiang Zemin) à justiça" e "Pare com a extração forçada de órgãos de praticantes do Falun Gong".

Praticantes seguram cartazes do lado de fora do Hotel Hyatt

Protesto fora do Hotel Skycity em Auckland, Nova Zelândia

Embora os oficiais do Consulado Chinês tenham tentado muitas vezes organizar estudantes para bloquear as bandeiras do Falun Gong, seus esforços foram impedidos pela polícia. Depois de conhecerem o que tinha acontecido, muitos transeuntes expressaram seu apoio aos praticantes e esperaram que a perseguição acabe em breve.

Polícia cessa interferência de estudantes chineses pró-comunistas

Depois de ouvir que os praticantes tinham bandeiras fora do Hotel Hyatt, o Consulado Chinês em Canberra organizou cerca de 200 estudantes para tentar colocar faixas e bandeiras. Ficando forçadamente entre as bandeiras do Falun Gong e as barricadas, esses estudantes bloquearam a visão das bandeiras do Falun Gong com seus corpos físicos e suas bandeiras. Como resultado, os praticantes tiveram que mudar suas bandeiras para o outro lado.

Vários policiais vieram mais tarde e disseram aos estudantes para não amarrar suas bandeiras juntas e não bloquear as bandeiras do Falun Gong. Alguns alunos se recusaram a ouvir. Um policial desamarrou as bandeiras deles e as colocou de lado, tornando as bandeiras do Falun Gong completamente visíveis da rua.

Oficiais da polícia impediram os estudantes chineses pró-comunistas de interferirem com as bandeiras dos praticantes

Quando a carreata de Xi se aproximou do Hotel Hyatt às 9h30, um policial ficou atrás das barricadas, entre os praticantes e os estudantes. Alguns estudantes chineses intencionalmente empurraram os praticantes enquanto a comitiva estava passando e arrastando as bandeiras do Falun Gong. O oficial de polícia os deteve. Quando três estudantes tentaram bloquear as bandeiras do Falun Gong com suas bandeiras, o policial tirou as bandeiras dos estudantes e as jogou na grama.

Dessa forma, uma bandeira com as palavras "Pare de perseguir o Falun Gong", em chinês e em inglês, foi exibida à direita em frente à entrada do hotel.

Carreata de Xi arrasta bandeiras seguradas por praticantes

Os praticantes estavam segurando várias bandeiras bastante visíveis perto de outra entrada do hotel. Alguns estudantes chegaram lá no início da tarde e tentaram bloquear as bandeiras dos praticantes com uma longa faixa. Um praticante pacificamente esclareceu os fatos sobre o Falun Gong, mas a interferência continuou. Dois oficiais de patrulha vieram, perguntaram o que aconteceu e ordenaram que os estudantes recuassem, mas eles ignoraram. Um policial levou a bandeira dos estudantes e a colocou de lado. Os alunos saíram depois de um tempo.

Os praticantes também tinham uma grande bandeira nas proximidades escrito "Desintegrar o PCC - Acabar com a perseguição." Instruído por funcionários do Consulado Chinês, alguns estudantes com alto-falantes tentaram ficar na frente da bandeira. Dois policiais se aproximaram e pararam. Eles não foram embora até que os estudantes saíram.

Interferências semelhante ocorreram em Auckland. A sra. Wang, uma praticante local, estava caminhando para casa depois do protesto, quando um carro com dois estudantes chineses pararam na frente dela, bloqueando seu caminho do lado de fora do Hotel Skycity. A sra. Wang tentou contornar atrás do carro e o motorista chinês de repente deu ré no carro em alta velocidade, quase derrubando a sra. Wang.

Um guarda de segurança do hotel testemunhou isso. Ele gritou para o motorista e este parou. Então o guarda, com raiva, censurou os estudantes chineses.

Um segurança censura o motorista chinês do lado de fora do Hotel Skycity

Os praticantes seguram bandeiras perto do aeroporto

Os praticantes seguram bandeiras no caminho até o hotel

Apoio dos moradores

Bryce Miller, um residente em Camberra, viu as bandeiras dos praticantes do lado de fora do Hotel Hyatt e parou para se informar. Ele viveu em Xangai durante alguns anos e conhecia a situação atual na China. "Continuem com este bom trabalho! Meu coração está do lado de vocês. Espero que a perseguição chegue ao fim em breve", disse ele a um correspondente do Minghui.

Bryce Miller

Lisa Crossley, uma arquiteta paisagista que estava andando com uma câmera, conversou com uma jovem praticante de Melbourne e disse que ela tinha sorte de viver na Austrália. "Aqui, muitas vezes, garantimos os direitos humanos e não pensamos muito sobre isso. Agora vendo o que você já ocorreu, eu percebo o quão precioso esses direitos básicos são."

Apontando para a bandeira australiana no topo do Parlamento nas proximidades, ela disse que não gostou do projeto inicialmente. "Mas, então, eu tive a oportunidade de aprender a história por trás do design. Ou seja, são as pessoas que representam a nação e o governo realmente trabalha para o povo. Eu aceitei a ideia e comecei a gostar do projeto."

Crossley disse que ainda era uma estudante do ensino médio, quando o massacre da Praça Tiananmen ocorreu em 1989. "Naquela época, eu não conseguia entender por que coisas como essas ocorriam, já que aqui nós nunca entendemos como seria a vida sem os direitos humanos básicos." Ela entendia as coisas agora e disse a uma praticante: "Por favor, continue seus esforços e eu irei apoiá-los. Espero que a repressão acabe logo e você possa se reunir com sua família na China."

Lisa Crossley, uma arquiteta paisagista, conversa com uma praticante e diz que apoia o Falun Gong

Em Auckland, os praticantes também receberam um forte apoio. Um grupo de agentes da polícia conversou com os praticantes por um longo tempo e conheceram os fatos da perseguição na China. Os oficiais disseram à Wendy, uma praticante, que sua atividade foi significativa e que muitas pessoas tinham visto suas bandeiras, aceitaram seus folhetos e ouviram sua voz.

Os policiais pediram à Wendy seu contato e disseram que iriam apelar ao seu supervisor a favor do Falun Gong, de modo que os praticantes tivessem um lugar melhor para a sua atividade na próxima vez.

Eduardo, um estudante de Barcelona que estuda em Auckland

Eduardo ficou chocado com os fatos sobre a perseguição que ele conheceu do lado de fora do Hotel Skycity. "É tão mal e brutal. Eu vou apoiá-los e desejo-lhes sucesso", disse ele para os praticantes. Ele quis saber mais sobre o Falun Gong.