Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Dar discursos equivale a danificar o Fa

4 de Maio de 2013 |  

(Minghui.org) Realizar sessões especiais em que as pessoas dão palestras para os praticantes ou viajar expressamente para "compartilhar entendimentos" com os praticantes, equivale a danificar o Fa. Para as pessoas que fazem tais coisas na China num período em que o PCC ainda persegue Falun Gong, deve haver fatores complexos trabalhando por trás nos bastidores. Embora essas pessoas possam não ser agentes do PCC ou tenham se desviado depois da lavagem cerebral provocada pelo PCC, há agentes do PCC trabalhando nos bastidores, influenciando as coisas. Estas pessoas estão sendo usadas pelo mal. No entanto, elas não desejam despertar para a verdade.

Nos anos recentes, alguns praticantes e uma quantidade considerável de praticantes em algumas áreas têm, entusiasticamente, realizado conferênvias de grande escala para compartilhar experiências. Eles empurram um ou mais indivíduos a dar discursos nas conferências em nome de “intercâmbio de experiências”. Em alguns locais isso tem se passado há anos, enquanto em outros é um fenômeno relativamente novo. Isto frequentemente agitou as coisas e levou a conflitos e divisões entre praticantes, impactando negativamente o cultivo das pessoas e os esforços para salvar pessoas. As áreas afetadas incluem Lingyuan, província de Liaoning; Dalian, província de Liaoning; Changchun, província de Jilin; Yushu, província de Jilin; Qinhuangdao, província de Hebei; município de Anping, Hengshui, província de Hebei; Shijiazhuang, província de Hebei; província de Anhui; Zhaoyuan, província de Shandong; Qingdao, província de Shandong; Harbin, província de Heilongjiang; Daqing, província de Heilongjiang; Ninghe, Tianjin; Dagang, Tianjin; Tanggu, Tianjin; Wuqing, Tianjin; interior da Mongólia; província de Shanxi; e Pequim. Isto têm acontecido há 5 anos em uma área em particular e está ficando mais séria lá. Neste local quase todos os coordenadores já ficaram encurralados a ouvir os discursos.

Aqueles que dão discursos são frequentemente convidados especialmente a vários locais e vêm com endossos entusiásticos. Os egos  deles estão se expandindo, devido a adoração cega e orgulho irracional daqueles que vão aos discursos e eles constantemente quebram o Fa. Estas pessoas parecem estar “trocando entendimentos,” mas na verdade estão apenas promovendo a si mesmas.

Alguns oradores divulgam o que eles fizeram como coordenadores em suas áreas e os anfitriões falam sobre suas conferências terem se expandido de norte a sul na China e como muitas dessas experiências foram apresentadas. Isto levou alguns praticantes a realmente admirar estes coordenadores e os praticantes as áreas locais deles. Nos discursos deles, eles se vangloriam, por exemplo, de como, se derem uma ordem para parar de distribuir os panfletos de esclarecimento da verdade do Minghui, os praticantes de sua área irão, de fato, parar. Uma oradora declarou, enquanto estava “trocando experiências”,  que tinha cultivado além do cosmos e não precisava mais cultivar Zhen, Shan, Ren. Ela declarou que é diferente dos outros que estavam lá, que aprenderam do Dafa e que ela veio para ajudar os praticantes a melhorarem; ela declarou que ela “tem em sua mão” os lados divinos cultivados dos praticantes daquela área. Esta mesma pessoa veio com seus próprios essenciais [diferente das instruções do Mestre e dos editoriais publicados no website Minghui] para enviar pensamentos retos e pediu aos praticantes para seguir estes, ao invés dos do Mestre.

Em outro caso, um palestrante convidado espalhou as conferências do Fa do Mestre numa mesa, selecionou uma passagem para ler, deu o seu próprio entendimento pessoal, e em seguida realizou uma sessão de perguntas e respostas sobre o assunto com os praticantes presentes. Alguns palestrantes interpretam completamente os ensinamentos do Mestre dados fora da China. Alguns contam com outros praticantes para proporcionar-lhes casa, comida e as necessidades diárias por longos períodos de tempo. Alguns não fazem as três coisas e ao invés disso focam unicamente em "ajudar o aperfeiçoamento dos praticantes". Outros alegam que eles já cultivaram até “um estado mais alto onde estão livres de obrigações”, “sempre que apegos surgirem, eu posso fazê-los desaparecer com um simples pensamento”e que eles “retornaram à origem deles”. Um dos oradores proclamou que não reconhecia os arranjos das velhas forças e que ele nunca fora perseguido, inclusive nenhum de seus seguidores. No caso deste palestrante, o "compartilhar experiências" consistia em apenas ele [chamado de 'grande irmão' pelos seus assistentes] falando longamente, com outros ajudando-o a encontrarem passagens ou números de páginas das lições do Mestre. Esses oradores falavam fundamentalmente sobre si mesmos. Frequentemente tentavam validar a si mesmos mencionando os muitos lugares em que foram dar palestras.

Muitos dos que participaram desses discursos acreditavam que os oradores tinham se “iluminado a um alto nível”, “cultivado muito bem” e “eram muito retos”. Além disso, alguns ainda afirmaram que apesar de estudar o Fa por tantos anos “nunca tinham melhorado tão rapidamente depois de terem ouvido apenas algumas poucas observações do orador”, que tinham “se cultivado em vão por mais de uma década”, que eles “tiveram todas suas confusões esclarecidas por esse discurso, uma vez que foi “dito tão bem e num nível muito alto” e entre outras coisas que expressavam a admiração pelos oradores e o desejo de segui-los.

Um desses palestrantes que alegavam ser de Changchun deu não menos que oito discursos em apenas alguns dias numa cidade específica e em seus locais vizinhos. Mais de cem pessoas participaram de uma das sessões e alguns praticantes ainda o seguiram ao próximo local para ouvi-lo novamente. Uma boa parte dos praticantes da audiência ficava extremamente emocionada enquanto escutava. Alguns deles derramavam lágrimas de tamanha emoção. Outros, que não puderam participar, lamentaram muito. Sabe-se que o palestrante foi levado de carro até o outro local da palestra, enquanto os praticantes locais dirigiam e iam de bicicleta para achá-lo e alcançá-lo. Numa das sessões o palestrante proclamou que a sua vinda era uma "missão", enquanto alguns dos presentes comentavam que ele era um "enviado do Mestre para nos ajudar". Na audiência alguns dos participantes encorajavam a admiração ao orador, dizendo que o sucesso no cultivo poderia ser avaliado pelo tempo que ele poderia se sentar em lótus completa: "Olhe como o palestrante ficou sentado na posição durante toda a sessão, cerca de seis a sete horas. Ninguém pode se equiparar a isso!". Depois do discurso, os praticantes locais acumularam elogios sobre o suposto "compartilhamento de experiências". Aqueles que discordaram com o evento ficaram envolvidos em longos debates, o que resultou em divisões entre os praticantes.

Alguns praticantes de outros locais disseram coisas como: "Eu não tinha me iluminado a princípios mais elevados depois de ter cultivado por tanto tempo, nem eu podia sentir meu gong aumentando" e depois de ouvir os "compartilhamentos" daqueles que estão rompendo o Fa, eles fizeram afirmações tais como: "Eu repentinamente subi para níveis elevados e fui colocado além do cosmos". Outros afirmaram que, após o envio de pensamentos retos, de acordo com o método da pessoa acima mencionada, eles "podiam claramente sentir o gong aumentando".

Uma vez, um praticante viajou por 5.000 quilômetros procurando por uma pessoa conhecida por suas capacidades e que usava o seu terceiro olho para guiar o seu cultivo e o cultivo de seus seguidores. Depois de retornar daquela viagem, este praticante formou um grupo e selecionou alguns praticantes que tinham o terceiro olho aberto, assim poderiam tomar decisões com base no que eles viam com seu terceiro olho. Quando os outros mostraram que fazendo isso estavam se desviando do Fa, as pessoas que fizeram isso tinham formado pequenas panelinhas recrutadas por estudantes que não tinham muito conhecimento sobre os princípios do Fa.

As pessoa que estão dando os discursos, ouvindo-as e organizando os eventos disseram e ouviram tantas coisas irracionais e viram tantos danos graves ao Fa. Apesar disso, ainda não perceberam isso. Não é perigoso? Vocês ainda são parte do Dafa?

A chave do problema é que depois de tantos praticantes terem ouvido esses discursos, o resultado não foi um grande desejo de se tornar mais firme no Fa ou de fortalecer os seus pensamentos retos, mas sim uma grande admiração para com esses indivíduos. Eles acreditaram, equivocadamente, que acharam um atalho para o seu aperfeiçoamento. Os seus pensamentos humanos levou-os a terem ilusões sobre alcançar a Consumação e níveis mais elevados quando, ao invés disso, eles deveriam se esforçar para realmente colocar em prática o seu cultivo e elevar o seu xinxing.

Muitos dos que foram seduzidos foram de uma só vez presos ilegalmente ou sentenciados a campos de trabalho forçado. Havia também alguns que abandonaram o Dafa por vários anos antes de retornar a ele. Alguns eram estudantes novos. E outros eram estudantes veteranos que ficaram para trás e não tinham estudado o Fa muito bem.

Os praticantes que fizeram esses discursos, que organizaram esses eventos ou compareceram nas sessões não se posicionaram apropriadamente em relação ao Fa e ao Mestre. Eles estão seguindo um indivíduo praticante, ao invés de seguirem o Fa e por isso atrevem-se a danificar o Fa.

Recentemente em algumas áreas muitos coordenadores foram raptados ou sentenciados severamente pelo mal, com grande parte de pessoas se desviando do caminho de cultivo. É difícil negar as conexões entre esses eventos e pessoas que estão transmitindo esses discursos aqui e organizando esses eventos. Embora a situação de algumas pessoas tenha melhorado por se firmarem e estudarem o Fa, as perdas foram grandes.

Não há atalhos no cultivo. Talvez haja muitos casos similares a este, tanto envolvendo discípulos de dentro da China, quanto de outros lugares. Então fica a pergunta: Esses assuntos que emergiram neste período final - em que algumas coisas parecem ser certas mas são, na verdade, erradas - que rompem com o Fa, não é para peneirar areia? Um praticante pode ser converter em ouro verdadeiro apenas se retificar sua atitude no cultivo, aprendendo a tomar o Fa como Professor, realmente cultivando-se interiormente em vez de depender da instruções dos outros, elevar o seu xinxing tendo o Fa como guia e atender aos padrões e requisitos do Fa,

Como discípulos do Dafa, nós devemos ter cuidado ao assistir conferências em que há o compartilhamento de experiências. O Mestre já nos trouxe algumas advertências. As conferências do Fa não devem ser muito frequentes, os conteúdos escritos dos papéis não devem conter palavras e ações que possam ir contra o Fa na conferência. Os coordenadores não deveriam ter esses apegos de querer ir um contra o outro, competir, buscar fama ou validar a si mesmos. Não deveriam levar as pessoas que não conhecem bem para a casa de outros praticantes ou para o departamento de produção. Ajudar aos praticantes é a coisa certa a fazer, mas sempre que houver apegos humanos e natureza demoníaca misturados, o mal se aproveitará disso. É um pecado ilimitado enganar os discípulos do Dafa e corromper o Fa. Você poderia pagar por isso?

Novamente afirmamos: realizar sessões especiais nas quais pessoas dão discursos aos praticantes ou viajar para "compartilhar entendimentos" com os praticantes, equivale a danificar o Fa. Para pessoas que são capazes de fazer essas coisas na China, enquanto o Partido Comunista Chinês ainda persegue o Falun Gong, deve haver fatores complexos que trabalham por trás desse cenário. Nós gostaríamos de relembrar a todos para levarem a sério os artigos do Mestre, escritos para os discípulos do Dafa:: "Um golpe pesado", "Mantenha em mente", “O que um cultivador deve evitar” e “ Estabilidade do Fa". O Melhor seria se memorizassem e tomassem como medida para avaliarem a si mesmos.

Equipe editorial do Minghui
4 de maio de 2013