Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Da "autoimolação" encenada à atitude ambígua do PCC em relação à mídia ocidental (fotos)

29 de Janeiro de 2005 |   Por Zhong Yan

(Minghui.net) Em 19 de Janeiro de 2005, a Agência de Notícias Xinhua publicou um artigo de Tian Yu e novamente trouxe a velha mentira - a encenação da "autoimolação" - para enquadrar o Falun Gong. O grupo de Jiang, os manipuladores nos bastidores da "Autoimolação", executaram um velho truque, arrastando dois meios de comunicação famosos do ocidente para reforçar sua credibilidade. Durante esta visita organizada pelo governo, certas pessoas especialmente selecionadas e preparadas para serem entrevistadas pelo regime de Jiang, e o conteúdo e a descrição da "Autoimolação", tornaram-se uma fraude que a mídia ocidental convidada não conseguiu reconhecer nem perceber.

Política de "incentivos e ameaças"

O Partido Comunista Chinês (PCC) sempre esteve em estado de alerta contra qualquer mídia ocidental independente que expressasse coisas diferentes da ideologia do PCC. Por exemplo, há vários dias, antes do primeiro-ministro canadense, Paul Martin partir para uma viagem para a Ásia, a embaixada chinesa retirou os vistos de dois jornalistas que iriam acompanhar o sr. Martin. Os jornalistas canadenses e chineses, cujos vistos foram retirados, trabalharam para a Nova Dinastia Tang, e a razão provável para a retração é porque o diretor da estação de TV disse durante uma entrevista: "Não evitamos assuntos sensíveis ... relatamos em detalhes a disseminação do vírus SARS na China e a perseguição dos católicos e dos praticantes de Falun Gong ".

Este incidente atraiu ampla atenção no Canadá, e a mídia principal informou a notícia. O primeiro-ministro Martin disse que era uma questão muito séria, pois envolve liberdade de expressão e liberdade de imprensa. O governo canadense exigiu uma explicação do governo chinês. É relatado que o primeiro-ministro Martin mencionou este incidente durante sua reunião com o primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao.

É um fato bem conhecido que a China Continental é território proibido para relatórios de notícias ocidentais independentes. Quando jornalistas ocidentais vão para a Praça da Tiananmen e capturam a imagem dos praticantes do Falun Gong que mantêm apelos pacíficos, a polícia tira suas câmeras e os expulsa da praça. Às vezes, eles derrotaram os jornalistas, os colocaram na cadeia e até mesmo os expulsam da China. Estes são apenas alguns incidentes, que naturalmente explicam por que a Anistia Internacional classifica Jiang Zemin como um "canalha de direitos humanos". A organização não governamental, Repórteres Sem Fronteiras, diz que a China construiu "a maior prisão de Internet do mundo", e a China está sendo listada como o país com menor grau de liberdade de imprensa.

Durante o processo de exibição da autoimolação encenada pela Agência de Notícias da Xinhua e CCTV , o convite do Escritório de Informação do Conselho Estadual do PCC para mídia ocidental para realizar reportagens na China parece muito estranho. E a intenção do PCC pode provavelmente ser lida como, "Com a aliança da mídia internacional, naturalmente pode provar-se que o relatório é objetivo e justo, e que nossa palavra tem uma base sólida". Enquanto os meios de comunicação ocidentais espalharam a calúnia do PCC ao mundo inteiro, o PCC importa as falsas reportagens emitidas pela mídia ocidental de volta para a China, para enganar novamente o público chinês.

Sob o olhar atento de um governo que afirma: “Não é permitida nenhuma segunda opinião sobre a questão do Falun Gong", quanta credibilidade poderia ter essas reportagens durante esta visita organizada pelo governo do PCC? Este acordo com a mídia ocidental para entrevistar os supostos autoimoladores é essencialmente o mesmo que as visitas anteriores de organizações ocidentais de mídia e direitos humanos para entrevistar praticantes de Falun Gong em campos de trabalho e centros de detenção.

Existe algum relatório ocidental independente sobre o incidente da autoimolação? Há sim! Philip Pan do Washington Post foi para Kaifeng, cidade natal da imoladora Liu Chunling e realizou uma investigação no local. Os vizinhos da sra. Liu disseram que nunca a viram praticar Falun Gong. Liu Chunling mudou-se para a província de Henan com sua mãe idosa e filha de 12 anos e trabalhou em um bar. Percebemos que o PCC não convidou o sr. Pan, que tem evidência de primeira mão e, portanto, é uma fonte confiável sobre o incidente da autoimolação, para se juntar à equipe de reportagem.

A reportagem organizada e pré-planejamento tem um traço comum: um forte senso de propaganda unilateral. O grupo do PCC e de Jiang estava se aproveitando especificamente da mídia, tentando usar a reputação da mídia ocidental para difamar ainda mais o Falun Gong e enganar pessoas dentro e fora da China.

Um olhar mais próximo nas encenações

Dos relatos da mídia do porta-voz do PCC sobre a "autoimolação", mesmo com conhecimentos médicos muito básicos, pode-se ver claramente as falhas naquela cena mal escrita e interpretada. A cena em que todo o corpo de uma pessoa gravemente queimada está envolvido em ataduras só poderia ter sido dirigida por um leigo. Além disso, podemos dizer da reportagem do PCC que o autoimolador, Wang Jindong, tem uma aparência completamente diferente em cada uma das duas reportagens - um que aparece na CCTV e o outro na reportagem da Agência de Notícias Xinhua. A parte da fita de vídeo que mostra a imoladora Liu Chunling caindo no chão depois de ser atingida com um objeto pesado sobre a cabeça por um policial militar foi editado. No subsequente relatório de acompanhamento de todo o incidente, há algumas cenas claramente alteradas e alguns atores adicionados.

A análise em câmera lenta da fita de vídeo CCTV revela que Liu Chunling morreu ao ser atingida na cabeça por um homem vestindo um sobretudo militar.
(O círculo vermelho indica o objeto pesado usado para atacar Liu Chunling)


Wang Jindong durante a cena na "autoimolação" de Tiananmen

A garrafa de plástico
Sprite cheia de gasolina permaneceu intacta durante o incêndio.

Na verdade, não importa se são os meios de comunicação ocidentais ou os cidadãos comuns, sob a "visita organizada pelo governo", é impossível saber a verdade mesmo falando com os "autoimoladores". No entanto, em qualquer canto da terra fora da China, pode-se ver os pontos suspeitos do incidente, observando a filmagem do vídeo da CCTV há quatro anos (veja as fotos acima). As discrepâncias desta fita servem como evidência clara demonstrando o ato de assassinato e enquadramento da facção de Jiang.

Três diferentes Wang Jindong

Não é difícil ver a falsidade da fraude. Qualquer repórter pode olhar para as fotos acima e perguntar a si mesmo: "Qual Wang Jindong tenho que entrevistado?"