Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Expondo a verdade sobre um dos "1.400 casos de morte": A morte do meu filho não tem nada a ver com o Falun Gong

20 de Janeiro de 2002 |  

(Minghui.org) Meu nome é Xia Zurong. O meu marido e eu somos praticantes do Falun Dafa. Eu sou a mãe de Long Gang, que cometeu suicídio pulando em um rio. Sua morte foi relatada pela CCTV como um dos "1.400 casos de morte" atribuídos falsamente ao Falun Gong. Vivemos no nº 70 na Shuangqiao Street em Shuangshi Village, distrito de Yongchuan, Chongqing City.

Como pais, sabemos claramente se nosso filho tinha ou não um problema mental, e ele tinha um problema mental. No momento em que ele pulou no rio, ele estava tendo um surto psicótico, algo que não tinha nada a ver com o Falun Gong. Como seus pais, devemos dizer o que é verdade. Não podemos, contra a nossa consciência, ver o governo usar nosso filho para vilipendiar o Dafa.

Depois que o nosso filho morreu, um repórter de sobrenome Du veio para entrevistar minha nora, pedindo que ela alegasse que seu marido era um praticante do Falun Gong. O repórter escreveu em uma folha de papel algumas palavras caluniando o Falun Gong e pediu a ela para lê-las, forçando-a a dizer palavras más contra o Dafa. Naquela época, minha nora cedeu à pressão e fez o que lhe foi dito para fazer. No dia seguinte, ela recebeu 200 yuanes em dinheiro. Aqueles que fazem o mal muitas vezes usam o dinheiro para comprar a consciência e manipular alguém para fazer o mal. Até ao meu neto (filho do meu falecido filho) foi ensinado caluniar o Dafa. Foi assim que a "notícia" da TV foi feita.

A fim de ajudar as pessoas comuns a não serem enganadas e a não se voltarem contra o Dafa, revelamos a verdade aos oficiais do governo: a morte de nosso filho não foi causada pela prática do Falun Gong, mas foi o resultado de sua própria doença mental.

Em 13 de janeiro de 2000, embarquei em um trem para Pequim, preparada para apelar ao governo e dizer-lhes os fatos verdadeiros sobre a morte do meu filho. Por eu ler um livro do Falun Dafa no trem, fui levada em custódia por um policial e escoltada para uma delegacia de polícia na cidade de Xichang. Mais tarde, fui transferida para o Centro de Detenção de Xichang e todo o meu dinheiro (3.600 yuanes) foi confiscado. Em 18 de janeiro, um policial da delegacia de polícia da aldeia de Shuangshi me acompanhou de volta para lá, e no dia seguinte fui enviada para um centro de detenção, onde fiquei detida por 31 dias. Em seguida, fui transferida para a delegacia de polícia de Jishan, no distrito de Yongchuan, onde fiquei detida por 3 dias. Depois disso, fiquei presa no Centro de Detenção de Drogas por 10 dias. Finalmente, fui transferida para o Campo de Trabalho Feminino de Chongqing, onde fiquei presa por cerca de um ano. Continuei praticando o Falun Gong enquanto estava no campo de trabalho, e por isso fui levada para ver o Diretor do Campo de Trabalho, Li. Eu disse a ele: "Não diga que o Falun Gong é mau, e não acredite nas mentiras da emissora de TV. A morte do meu filho não tem nada a ver com o Dafa. Foi sua psicose que o fez pular no rio. O que eu digo é a verdade ". Depois disso, Li ordenou à policial Huang Yan que me deixasse algemada por nove dias.

Em inúmeras ocasiões, funcionários do governo da aldeia Shuangshi foram ver minha ex-nora, que havia se casado novamente. Eles a ameaçaram verbalmente e pediram que ela cooperasse relatando-lhes o meu paradeiro; eles ameaçaram, em caso contrário, fechar o seu negócio.