Este artigo foi publicado pela primeira vez em maio de 2000.

Recordando o "25 de abril" em seu aniversário, eu posso sentir que meu coração ainda está vibrando pelo entusiasmo de sua majestade. Como participante, tudo o que aconteceu naquele dia pareceu muito comum e natural naquele momento. Provavelmente eu nunca imaginei que este dia comum se tornaria o ponto focal de todos os eventos subsequentes do ano passado e que atrairia a atenção do mundo e passaria para a história.

Naquela manhã, depois de finalizar os movimentos dos exercícios, o assistente no nosso local de prática nos deu informações detalhadas sobre a causa e a situação atual do incidente em Tianjing. Até então, os 45 praticantes ilegalmente detidos em Tianjing ainda não tinham sido libertados. Estávamos planejando fazer um apelo. Então, o assistente enfatizou por várias vezes que o apelo seria completamente voluntário, e o centro de assistência não tinha esses requisitos. Além disso, devemos tratar o Fa como nosso professor e fazer o que achamos certo. Eu pensei que o apelo era uma maneira de se comunicar diretamente com o governo e refletir a verdade sobre o Falun Gong ao governo de forma pacífica; confiante que esses esforços levassem a uma resolução justa através de investigação e verificação. Naquela época, o incidente de Tianjing já havia entrado no seu quinto dia, e a polícia de Tianjing tinha abertamente batido e preso os praticantes do Falun Gong. A situação era muito urgente, e escrever petições ao governo para resolver isso não funcionaria a curto prazo - especialmente depois de termos continuamente realizado isso nos últimos anos sem resposta alguma. Eu também acreditava que o governo central, ao contrário de alguns governos locais, respeitaria sua constituição e leis. Então, junto com alguns outros praticantes, fui para Zhongnanhai.

Quando o ônibus rodoviário nº 107 passou pela Ponte Beihai (no centro de Pequim), observamos mais e mais pessoas nas calçadas. Ao nos dirigirmos para a rua Fuyou, vimos que a calçada no oeste já estava cheia de pessoas. A multidão estendia-se para o leste até Beihai e para o oeste até a Intersecção de Dingzi. Não pude deixar de sentir vergonha: estamos atrasados! Saindo do ônibus, vimos alguns praticantes guiar voluntariamente o trânsito e manter a ordem, repetindo repetidamente aos pedestres e ciclistas: por favor, não pare, por favor, não pare. Poderíamos dizer que muitos praticantes eram de fora de Pequim. Eles estavam obviamente desgastados pela jornada durante a noite. Havia também alguns agricultores dos condados vizinhos fazendo o exercício sentado pela via. O meu coração se comoveu com essa visão e as lágrimas correram pelos meus olhos: o cultivo realmente não é fácil; não só os cultivadores têm de superar as tribulações causadas por seu próprio carma, mas também devem superar as várias obstruções e dificuldades decorrentes dos mal-entendidos das pessoas comuns. Mas é precisamente por essa dificuldade que podemos alcançar uma purificação completa e superar tudo no mundo. É também através da superação dessa dificuldade que manifestam as grandes e poderosas implicações do cultivo. Pensando nisso, fiz um esforço para me acalmar e tentar encontrar um lugar para mim.

Não havia espaço na rua Fuyou, então caminhamos para o leste ao longo da rua Xianmen. Ao longo do lado interno das calçadas, os praticantes ficaram ombro a ombro. Eles se alinharam em três ou quatro filas, deixando desocupados cerca de dois terços das calçadas; então durante todo o dia, um bom fluxo de tráfego nunca parou. Caminhamos naquela direção por mais cem metros e paramos na entrada de uma unidade. A fila foi separada lá (para abrir caminho para visitantes e funcionários dessa empresa). Nós vimos algum espaço à esquerda, então nos esprememos. Eram, então, 8h30 da manhã.

Todos ficaram quietos com um sorriso e tranquilos. Não houve bate-papo, discurso ou conversa com pedestres. Alguns passantes curiosos vieram perguntar o que estava acontecendo. Suas perguntas foram respondidas com o nosso sorriso e pedidos educados para não pararem, pois não poderia ser explicado em uma ou duas frases. Se alguém parasse para conversar, em breve haveria muitos, então toda a situação mudaria. Todos nós fomos muito claros que, como cultivadores, não tínhamos a intenção de interferir nos assuntos mundanos, pois queremos apenas limpar o nome do nosso cultivo e pedir um ambiente de cultivo legítimo. Não estamos contra o governo, nem interferiremos com a política. Mesmo uma única sentença ambígua poderia ser aproveitada por pessoas com segundas intenções. A situação era tão urgente que não podíamos cometer erros. Um pequeno erro complicaria a situação, causaria problemas para a Grande Lei e traria mais tribulações para os praticantes.

Em um fluxo contínuo, mais e mais pessoas estavam chegando. A fila encheu a rua Fuyou, que fica dois quilômetros ao norte e ao sul. O extremo sul chegou a rua Changan, e a extremidade norte se cruzou com a rua Xianmen, depois virou-se para o leste e quase chegou a Beihai. Olhando para o oeste, também não conseguimos ver o fim da fila. No entanto, exceto pela polícia e os guardas, não havia praticantes na calçada ao lado da parede de Zhongnanhai.

Alguns praticantes me disseram que o primeiro-ministro Zhu Rongji tinha saído às 9h45 e pessoalmente convidado alguns praticantes como representantes para entrar e ter uma reunião. Um grupo de representantes saiu e outro grupo entrou. Uma hora passou e depois outra hora. Todos esperaram silenciosamente, sem irritação, sem desconforto, sem queixas e sem folga. Havia apenas o cuidado mútuo, a compreensão, o encorajamento e a lembrança. Olhando ao redor, nossas filas estavam arrumadas e limpas.

Quando os praticantes na primeira fila já estavam por muito tempo, os praticantes na parte de trás solicitaram voluntariamente trocar as posições para que os praticantes da frente pudessem relaxar por um tempo. Para os mais velhos, eles podiam sentar na parte de trás para descansar um pouco. Atrás de nós havia algumas pequenas cercas de ferro que separavam a grama da estrada. Todos nós sentamos no chão ao invés de nas cercas para evitar danos às propriedades públicas. Alguns praticantes ficaram na frente desde o início até o fim sem trocar de posição. Quando era hora da refeição, os praticantes se revezavam para comprar alimentos para que a fila ficasse organizada e limpa. O lado Oeste da rua Fuyou consiste de becos para moradores da cidade. Existem banheiros públicos a cada várias centenas de metros. Quando muitas pessoas tiveram a necessidade de usar os banheiros, eles esperaram em filas sem congestionamento ou disputa. Na refeição, todos cuidaram de colocar o lixo em sacos plásticos. Além disso, havia um praticante coletando o lixo de vez em quando, caminhando pela estrada com uma bolsa de plástico. Como resultado, a estrada ficou limpa desde o início até o fim.

Outros praticantes disseram que na estreita rua Fuyou havia muitos praticantes. Eles estavam extremamente apertados, com mais de uma centena de pessoas entre duas árvores. Se alguém movia seus pés ligeiramente, ele não mais poderia voltar. Por isso, os praticantes de lá ficaram de manhã cedo à noite (alguns praticantes de fora de Pequim chegaram as 4h na manhã), sem comida ou água. Eles também não podiam usar o banheiro. Entre eles, uma criança de 3 anos ficou silenciosamente emcom sua mãe - também por mais de dez horas.

As pessoas não podiam deixar de se maravilhar: que grupo especial essas pessoas são! Eles ficaram ali limpos e arrumados, com um sorriso pronto, nada na mão e estranhos um para o outro. O jovem ao meu lado veio de Shi Jia Zhuang. Ele usava um terno e uma gravata, parado ali com naturalidade e paciência. Na mente das pessoas comuns, as pessoas que apelam devem ser alguém em trapos, que são mal-humorados, provavelmente deprimidos, exaustos e com o cônjuge e as crianças os puxando para trás. No entanto, nós praticantes do Falun Dafa somos bem diferentes. Embora estejamos cultivando diariamente entre as pessoas comuns - de forma consistente com suas formalidades - nossa ação tem implicações totalmente diferentes. Ali, as profundas implicações de "Verdade-Benevolência-Tolerância" preencheram Zhongnanhai para o "25 de abril", o que trouxe mudanças para tudo ao redor. Gradualmente, a polícia ficou menos vigilante, começando a conversar ou tirar uma soneca em seus veículos. Os coletores de lixo puxaram o carrinho ao longo da estrada ajudando-nos a colocar o lixo no carrinho. Nossa tranquilidade trouxe serenidade em todos os lugares.

Após as 10 da noite, a notícia foi transmitida pela frente que o último grupo de representantes tinha saído com os praticantes presos em Tianjing tendo sido liberados e os problemas resolvidos corretamente. Então, felizmente estávamos todos prontos para ir para casa. Nós imediatamente limpamos o lugar, empacotando todo o lixo e colocando-os dentro da lata de lixo. Alguns foram para casa de bicicleta; alguns tomaram o caminho da estação ferroviária. O serviço de transporte público foi muito cooperativo naquele dia. Eles rapidamente despacharam muitos ônibus e organizaram as pessoas para entrar neles. Ficamos no final da fila para que os praticantes que viviam de mais longe pudessem ir primeiro. Todos os ônibus estavam cheios, já que todos os praticantes tentavam ficar juntos para que mais praticantes pudessem chegar a bordo. Dentro de cerca de meia hora, todos os praticantes foram embora. Quando olhei ao redor, vi a rua vazia e muito limpa - como se as muitas pessoas nunca estivessem estado ali.

No dia seguinte, quando fui ao parque para fazer os exercícios, ouvi um turista dizer nas proximidades: veja o quão ótimos são esses praticantes do Falun Gong e o senso do governo - os problemas foram resolvidos. Mais tarde, as estações de TV transmitiram o aviso público de que exercícios nunca foram proibidos e todos estavam livres para praticar. Eles também passaram o documento # 27. Tudo rapidamente voltou ao normal: continuamos com nossa prática coletiva e estudamos, e fomos divulgar os ensinamentos virtuosos nos finais de semana.

Um ano se passou em um piscar de olhos. Desde então, o mundo testemunhou muitos eventos estremecedores. Ao longo do tempo, a justiça e a maldade, o bem e o mal, todos manifestados juntos no mundo. Não importa como algumas pessoas tentaram difamar o Falun Gong; não importa como as pessoas o avaliem; e não importa como os praticantes possam ter diferentes entendimentos sobre isso: o dia de "25 de abril de 1999", permanecerá na história. Neste dia, mais de dez mil praticantes chineses do Falun Dafa foram a Zhongnanhai para apresentar pacificamente uma petição ao governo, solicitando um status legal para o Falun Dafa na China, bem como a eliminação do mal entendido e uma solução pacífica dos problemas. Sua sinceridade e compaixão tornaram-se parte do grande ato tolerante que define para sempre o "25 de abril". No momento ou no futuro, não importa em que momento da história, ou em qual dimensão do universo, olhando ao longe o "25 de abril", permanecerá para sempre lá alto e ereto, brilhando com uma luz radiante.

20 de abril de 2000